Fósseis de plesiossauros encontrados no Saara sugerem que não eram apenas animais marinhos

Esta descoberta de fósseis de plesiossauros em um antigo leito de rio sugere que algumas espécies, tradicionalmente consideradas criaturas marinhas, podem ter vivido em água doce.

0
292
(Créditos: Universidade de Bath)

Traduzido por Julio Batista
Original de Universidade de Bath

Fósseis de pequenos plesiossauros, répteis marinhos de pescoço comprido da era dos dinossauros, foram encontrados em um sistema fluvial de 100 milhões de anos que hoje está no deserto do Saara, no Marrocos. Esta descoberta sugere que algumas espécies de plesiossauros, tradicionalmente considerados criaturas marinhas, podem ter vivido em água doce.

Os plesiossauros, encontrados pela primeira vez em 1823 pela caçadora de fósseis Mary Anning, eram répteis pré-históricos com cabeças pequenas, pescoços longos e quatro longas nadadeiras. Eles inspiraram reconstruções do mito do Monstro do Lago Ness, mas ao contrário do monstro do Lago Ness, os plesiossauros eram animais marinhos – ou eram amplamente considerados assim.

Agora, cientistas da Universidade de Bath e da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, e da Universidade de Hassan II Casablanca, no Marrocos, relataram pequenos plesiossauros de um rio do Cretáceo na África.

Os fósseis incluem ossos e dentes de adultos de três metros de comprimento e um osso do braço de um filhote de 1,5 metro de comprimento. Eles sugerem que essas criaturas viviam e se alimentavam rotineiramente em água doce, ao lado de sapos, crocodilos, tartarugas, peixes e o enorme dinossauro aquático Espinossauro.

Esses fósseis sugerem que os plesiossauros foram adaptados para tolerar água doce, possivelmente até passando suas vidas inteiras lá, como os golfinhos de hoje.

O novo paper foi liderado pela estudante Georgina Bunker da Universidade de Bath, juntamente com Nick Longrich, do Centro Milner de Evolução da Universidade de Bath, David Martill e Roy Smith, da Universidade de Portsmouth, e Samir Zouhri, da Universidade de Hassan II Casablanca.

Comparação do tamanho corporal do plesiossauro Kem Kem. (Créditos: Universidade de Bath)

Os fósseis incluem vértebras do pescoço, costas e cauda, ​​dentes e um osso do braço de um jovem espécime.

“É uma mistureba confusa, mas ossos isolados realmente nos dizem muito sobre ecossistemas antigos e animais neles. Eles são muito mais comuns do que esqueletos, eles fornecem mais informações para você trabalhar”, disse o Dr. Nick Longrich, autor do paper correspondente ao estudo.

“Os ossos e dentes foram encontrados espalhados e em diferentes localidades, não como um esqueleto. Portanto, cada osso e cada dente é um animal diferente. Temos mais de uma dúzia de animais nesta coleção.”

Enquanto os ossos fornecem informações sobre onde os animais morreram, os dentes são interessantes porque foram perdidos enquanto o animal estava vivo – então eles mostram onde os animais viviam.

Úmero de plesiossauro. (Créditos: Universidade de Bath)

Além do mais, os dentes mostram um desgaste pesado, como aqueles Espinossauros dinossauros comedores de peixes encontrados nos mesmos leitos.

Os cientistas dizem que isso implica que os plesiossauros estavam comendo a mesma comida – enfiando os dentes nos peixes blindados que viviam no rio. Isso sugere que eles passaram muito tempo no rio, em vez de serem visitantes ocasionais.

Enquanto animais marinhos como baleias e golfinhos vagam pelos rios, seja para se alimentar ou porque estão perdidos, o número de fósseis de plesiossauros no rio sugere que isso é improvável.

Uma possibilidade mais provável é que os plesiossauros fossem capazes de tolerar água doce e salgada, como algumas baleias, como a beluga.

(Créditos: Universidade de Bath)

É até possível que os plesiossauros fossem residentes permanentes do rio, como os botos modernos. O pequeno tamanho dos plesiossauros os permitiria caçar em rios rasos, e os fósseis mostram uma fauna de peixes incrivelmente rica.

Dr. Longrich disse: “Nós realmente não sabemos por que os plesiossauros estavam em água doce.

“É um pouco controverso, mas quem pode dizer que, porque nós paleontólogos sempre os chamamos de ‘répteis marinhos’, eles tinham que viver no mar? Muitas linhagens marinhas invadiram a água doce.”

Os golfinhos de água doce evoluíram pelo menos quatro vezes – no rio Ganges, no rio Yangtzé e duas vezes na Amazônia. Uma espécie de foca de água doce habita o Lago Baikal, na Sibéria, por isso é possível plesiossauros adaptados também à água doce.

Os plesiossauros pertencem à família Leptocleididae – uma família de pequenos plesiossauros frequentemente encontrados em água salgada ou doce em outras partes da Inglaterra, África e Austrália. E outros plesiossauros, incluindo os elasmossauros de pescoço comprido, aparecem em águas salgadas ou doces na América do Norte e na China.

Os plesiossauros eram um grupo diversificado e adaptável e existiam há mais de 100 milhões de anos. Com base no que encontraram na África – e no que outros cientistas encontraram em outros lugares – os autores sugerem que eles podem ter invadido repetidamente a água doce em diferentes graus.

“Nós realmente não sabemos, honestamente. É assim que a paleontologia funciona. As pessoas perguntam, como os paleontólogos podem saber algo com certeza sobre a vida dos animais que foram extintos há milhões de anos? A realidade é que nem sempre podemos. Tudo o que podemos é fazer suposições fundamentadas com base nas informações que temos. Encontraremos mais fósseis. Talvez eles confirmem essas suposições. Talvez não.”

“Tem sido muito interessante ver a direção que este projeto tomou”, disse a principal autora Georgina Bunker. O estudo começou inicialmente como um projeto de graduação envolvendo um único osso, mas com o tempo, mais fósseis de plesiossauros começaram a aparecer, fornecendo lentamente uma imagem mais clara do animal.

A nova descoberta também expande a diversidade do Cretáceo de Marrocos. Segundo o Dr. Samir Zouhri: “esta é outra descoberta sensacional que se soma às muitas descobertas que fizemos com o Kem Kem nos últimos quinze anos de trabalho nesta região do Marrocos. Kem Kem foi realmente um incrível ponto de abundância de biodiversidade no Cretáceo.”

“O que me surpreende”, disse o coautor Dave Martill, “é que o antigo rio marroquino continha tantos carnívoros, todos vivendo lado a lado. Este não era um lugar para nadar.”

Mas o que tudo isso significa para o Monstro do Lago Ness? Em um nível, é plausível. Os plesiossauros não estavam confinados aos mares, eles habitavam água doce. Mas o registro fóssil também sugere que depois de quase cento e cinquenta milhões de anos, os últimos plesiossauros finalmente morreram ao mesmo tempo que os dinossauros, 66 milhões de anos atrás.