Fósseis “surpreendentes” de 500 milhões de anos preservaram o cérebro deste predador assustador de 3 olhos

Os paleontólogos encontraram um esconderijo de fósseis bem preservados mostrando esse predador de três olhos.

0
96
(Créditos: Ilustração de Sabrina Cappelli/© Museu Real de Ontário)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

O que tinha garras espinhosas saindo de sua boca, um corpo em forma de escova de banheiro e parecia sair da capa de um romance de ficção científica? Um predador oceânico do período Cambriano conhecido como Stanleycaris hirpex. Os fósseis recém-descobertos da criatura bizarra são excepcionalmente completos, preservando o cérebro, o sistema nervoso e um terceiro olho.

Pesquisadores do Museu Real de Ontário (ROM) em Toronto anunciaram recentemente a descoberta de fósseis pertencentes a esse estranho animal como parte de um tesouro “surpreendente” de fósseis que datam de 506 milhões de anos atrás, de acordo com um comunicado.

Os paleontólogos encontraram esses tesouros antigos no Xistos de Burgess, uma formação nas Montanhas Rochosas canadenses da Colúmbia Britânica que é conhecida por seus restos de animais fossilizados abundantes e bem preservados, e entre os fósseis de meio bilhão de anos havia numerosos espécimes do predador marinho S. hirpex.

“O que torna esta descoberta tão notável é que temos dezenas de espécimes mostrando os restos do cérebro e outros elementos do sistema nervoso, e eles estão incrivelmente bem preservados e mostram detalhes muito nítidos”, disse Joseph Moysiuk, principal autor de um estudo escrevendo os fósseis e um doutorando da Universidade de Toronto em ecologia e biologia evolutiva.

“Antes disso, havia apenas alguns outros achados de cérebros fossilizados, particularmente do período Cambriano, mas isso ainda é algo bastante raro, e é apenas algo que foi observado nos últimos 10 anos”, disse Moysiuk à Live Science. “Na maioria das espécies onde vimos cérebros fossilizados, há apenas um ou dois espécimes disponíveis”.

Apesar de ser pequeno — medindo menos de 20 centímetros de comprimento — S. hirpex era provavelmente uma visão imponente para sua presa ainda menor.

“Ele tinha um aparato realmente feroz de garras espinhosas e boca redonda que o fazia parecer absolutamente voraz”, disse Moysiuk. “Também tinha espinhos longos e semelhantes a ancinhos para vasculhar o fundo do mar e caçar organismos enterrados, abas laterais para ajudá-lo a deslizar pela água e espinhos em forma de tridente que se projetam um para o outro a partir do apêndice oposto que achamos que usou como uma mandíbula para esmagar sua presa.”

Um par de espécimes fósseis de Stanleycaris hirpex. (Créditos: Museu Real de Ontário/Foto de Jean-Bernard Caron)

Os fósseis mostram que o cérebro de S. hirpex era dividido em dois segmentos: o protocérebro, que se conectava aos olhos, e o deutocérebro, que se conectava às garras frontais. Essa estrutura cerebral difere da estrutura de três lobos dos artrópodes modernos que são parentes distantes do S. hirpex, como os insetos. Os cérebros desses parentes modernos, em contraste, compreendem um protocérebro, um deutocérebro e um tritocérebro, que conecta o cérebro ao labrum de um inseto, ou lábio superior, entre outras partes do corpo.

“A preservação do cérebro desses animais nos dá uma visão direta da evolução do sistema nervoso da perspectiva do registro fóssil”, disse Moysiuk.

Radiodontes, um ramo extinto da árvore evolutiva dos artrópodes que inclui Stanleycaris, “é um grupo importante a ser conhecido, pois nos oferece uma melhor compreensão da evolução dos artrópodes modernos”, disse Moysiuk.

Outro aspecto interessante de S. hirpex foi seu terceiro olho mediano superdimensionado, uma característica observada pela primeira vez em um radiodonte. Embora os autores do estudo não tenham certeza sobre como o antigo artrópode usou esse olho, pode ter ajudado o animal a rastrear sua presa, sugeriu Moysiuk.

“Encontrar o terceiro olho foi um choque para nós, porque estávamos começando a pensar que entendíamos os radiodontes e como eles se pareciam”, disse ele. “Pela primeira vez, fomos capazes de reconhecer esse gigantesco olho mediano, além do par de olhos de estoque que já conhecíamos em radiodontes”.

Embora alguns artrópodes modernos, como libélulas e vespas, também tenham olhos medianos, eles geralmente são mais sensíveis do que os outros dois olhos e, no entanto, não focam tão bem. “Podemos apenas especular, mas achamos que esse terceiro olho ajudou a orientar um animal, e é especialmente importante para um predador como Stanleycaris, que precisa se mover com rapidez e precisão no ambiente”, disse Moysiuk.

Três dos fósseis de S. hirpex que foram escavados estão agora em exposição permanente no Museu Real de Ontário em sua Galeria Willner Madge, Dawn of Life (Alvorecer da Vida, em português).

Os resultados foram publicados em 8 de julho na revista Current Biology.