Fóssil de peixe antigo sugere que os dentes não evoluíram de dentro da boca

0
163
(Créditos: apomares/E+/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Existem duas teorias sobre a origem dos dentes: eles evoluíram de pontas externas (a hipótese de fora para dentro) ou de algum lugar dentro da boca (a hipótese de dentro para fora).

Pesquisadores que estudam um fóssil da espécie Ischyrhiza mira – um peixe-serra extinto que viveu na América do Norte há cerca de 65 a 100 milhões de anos – encontraram mais evidências que apoiam a ideia de fora para dentro.

Como os tubarões-serra e peixes-serra de hoje, a criatura tinha pontas irregulares ao redor do focinho para ajudar a afastar predadores e procurar comida. Acredita-se que essas pontas, chamados dentículos rostrais, sejam versões modificadas das escamas do resto do corpo.

Em uma tentativa de examinar a relação entre dentículos rostrais e escamas, a equipe analisou a camada externa esmaltoide dura das pontas do focinho – mas o que eles encontraram foi significativamente diferente do que eles esperavam.

Um dentículo rostral de I. mira. (Créditos: Todd Cook/Universidade Estadual da Pensilvânia/Wiley Publications)

“Surpreendentemente, o esmalte do dentículo rostral de I. mira era tudo menos simples”, disse o paleontólogo de vertebrados Todd Cook, da Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA). “Era consideravelmente mais complexo do que o esmalte das escamas do corpo.”

“Na verdade, a organização geral do esmalte neste antigo peixe-serra se assemelhava à do moderno esmalte de dente de tubarão, que foi bem caracterizado.”

Em particular, o esmalte no fóssil combina com o esmalte nos dentes de tubarão modernos no sentido de que é composto de séries de microcristais de fluorapatita, dispostos em linhas nítidas perto da superfície do dente e mais aleatoriamente dispostos mais abaixo.

Percorrendo essas camadas estão arranjos de microcristais posicionados perpendicularmente à superfície do dente. Essas diferentes orientações dão aos dentes de tubarão sua força e resistência ao desgaste, e parece que é a mesma história com o I. mira.

“É provável que o arranjo de microcristais agrupados do esmalte dos dentículos rostrais de I. mira também tenha servido como forma de resistir a forças mecânicas”, disse Cook.

Uma seção transversal do dentículo rostral mostrando o esmaltoide em arranjos. (Créditos: Todd Cook/Universidade Estadual da Pnesilvânia/Wiley Publications)

Embora não seja impossível que essas escamas e dentes tenham desenvolvido suas microestruturas agrupadas separadamente, faz mais sentido se um veio após o outro – em outras palavras, a hipótese de fora para dentro sobre a origem dos dentes.

Curiosamente, os pesquisadores não pretendiam realmente investigar a história evolutiva dos dentes quando começaram sua análise de dentículos rostrais, mas suas descobertas podem ter um impacto significativo em estudos futuros neste campo.

À medida que mais e mais semelhanças são encontradas entre as partes externas das criaturas marinhas e os dentes dentro de nossas bocas, parece mais provável que os dentes dentro de nossas bocas sejam na verdade escamas de peixe altamente evoluídas.

“Esta descoberta fornece evidências diretas que apoiam a hipótese de fora para dentro, pois mostra que as escamas têm a capacidade de desenvolver um esmalte complexo semelhante a um dente fora da boca”, disse Cook.

A pesquisa foi publicada no Journal of Anatomy.