Fotos do Holocausto encontradas em sótãos e arquivos estão ajudando a recuperar histórias perdidas e fornecem uma ferramenta contra a negação

0
137
Judeus deportados marcham pela cidade alemã de Wurtzburgo até a estação ferroviária em 25 de abril de 1942. (Créditos: Museu Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia da Administração Nacional de Arquivos e Registros)

Traduzido por Julio Batista
Original de Wolf Gruner para o The Conversation

O começo de 2022 marcou o 80º aniversário da primeira deportação nazista de famílias judias da Alemanha para Auschwitz.

Embora os nazistas tenham deportado centenas de milhares de homens e mulheres judeus, em muitos lugares onde esses trágicos eventos aconteceram, nenhuma imagem é conhecida para documentar o crime. Surpreendentemente, não há evidências fotográficas de Berlim, a capital nazista e lar da maior comunidade judaica da Alemanha.

A falta de imagens conhecidas é importante. Ao contrário do passado, os historiadores agora concordam que fotografias e filmes devem ser levados a sério como fontes primárias para suas pesquisas. Essas fontes podem complementar a análise de documentos administrativos e depoimentos de sobreviventes e, assim, enriquecer nossa compreensão da perseguição nazista.

Como historiador originário da Alemanha e agora lecionando nos EUA, pesquisei a perseguição nazista aos judeus por 30 anos e publiquei 10 livros sobre o Holocausto.

Procurei imagens inéditas em todos os arquivos que visitei durante minha pesquisa. Mas tenho que admitir que eu – junto com muitos de meus colegas – não levei a sério a evidência visual reunida como fonte primária e usei-a para ilustrar minhas publicações.

Durante a última década, os estudiosos perceberam como as imagens podem contribuir para nossa compreensão da violência em massa, bem como da resistência a ela. Algumas podem fornecer a única evidência que temos sobre um ato de perseguição – por exemplo, uma fotografia de grafite antijudaico. Outras revelarão detalhes adicionais, como na imagem de um processo judicial contra os resistentes antinazistas.

A deportação de judeus de Munique para Kaunas na Lituânia ocupada pelos nazistas, 20 de novembro de 1942. (Créditos: Arquivo Municipal de Munique, DE-1992-FS-NS-00015, CC BY-SA)

As fotografias são agora, em alguns casos, os únicos objetos de investigação acadêmica. Elas são usadas ​​para identificar perpetradores e vítimas em casos específicos, quando outras fontes não os revelariam.

Aqui está um exemplo: uma imagem nazistas uniformizados em frente a um trem de passageiros cheio de judeus alemães em Munique em 20 de novembro de 1942. Quem eram aqueles homens? Mais importante, quais são as histórias das vítimas quase irreconhecíveis por trás das janelas nesta imagem?

Investigando fotos de deportações nazistas

Entre 1938 e 1945, mais de 200.000 pessoas foram deportadas da Alemanha, principalmente para guetos e campos na Europa Oriental ocupada pelos nazistas.

Para tornar as fotos das deportações nazistas acessíveis para pesquisa e educação, um grupo de instituições universitárias, educacionais e de arquivo na Alemanha e o Centro Dornsife para Pesquisa Avançada de Genocídio da Universidade do Sul da Califórnia (EUA) lançaram o #LastSeen Project—Pictures of Nazi Deportations (Projeto Visto por Último – Imagens das Deportações Nazistas, na tradução livre) em outubro de 2021.

Este esforço visa localizar, coletar e analisar imagens de deportações em massa nazistas na Alemanha. As deportações começaram com a expulsão forçada de cerca de 17.000 judeus de origem polonesa em outubro de 1938, logo antes da violência antissemita generalizada da Noite dos Cristais, e culminaram nas deportações em massa para a Europa Oriental ocupada pelos nazistas entre 1941 e 1945.

Famílias ciganas, no total 490 pessoas, da região de fronteira sudoeste da Alemanha são deportadas para a Polônia ocupada pelos nazistas, em 22 de maio de 1940. (Créditos: Arquivo Federal da Alemanha, Barch R 165, 244-42)

A deportação em massa teve como alvo não apenas judeus, mas também pessoas com deficiência, bem como dezenas de milhares de ciganos.

O que podemos aprender com as imagens? Não apenas quando, onde e como esses deslocamentos forçados ocorreram, mas quem participou, quem os testemunhou e quem foi afetado pelos atos de perseguição.

Trabalho com o Centro Dornsife de Pesquisa Avançada do Genocídio da USC para gerenciar o alcance do #LastSeen Project no mundo de língua inglesa. O projeto tem três objetivos principais: primeiro, reunir todas as imagens existentes. Essas imagens serão então analisadas para identificar as vítimas e agressores e recuperar as histórias por trás das imagens. Por fim, uma plataforma digital fornecerá acesso a todas as imagens e informações desenterradas, permitindo um novo nível de estudo dessa evidência visual e estabelecendo uma ferramenta poderosa contra a negação do Holocausto.

Quando o projeto começou, os parceiros estavam céticos sobre se encontraríamos um número significativo de imagens nunca antes vistas de deportações em massa.

Mas depois de abordar o público alemão e consultar 1.750 arquivos alemães, nos primeiros seis meses do projeto recebemos dezenas de imagens desconhecidas, mais que dobrando o número de cidades alemãs, de 27 para mais de 60, onde agora temos fotografias documentando deportações nazistas.

Muitas dessas fotos acumularam poeira em prateleiras de arquivos locais na Alemanha, e algumas foram encontradas em residências particulares. No futuro, o projeto espera descobertas em arquivos, museus e posses familiares nos EUA e no Reino Unido, mas também no Canadá, África do Sul e Austrália. Sabemos que os libertadores tiraram fotos com essas famílias da Alemanha no final da guerra, e os sobreviventes as receberam mais tarde por vários canais.

Famílias judias de Halberstadt, Alemanha, reunidas para deportação da cidade, 12 de abril de 1942. (Créditos: Arquivo de História Visual da Fundação Shoah da USC, entrevista com Lou Beverstein, CC BY-SA)

Traçando imagens desconhecidas além da Alemanha

O projeto já localizou fotos nos Estados Unidos. Em dois casos, os sobreviventes as doaram para arquivos, que a equipe do projeto soube durante as visitas de pesquisa. Simon Strauss deu uma imagem ao Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos representando a deportação em sua cidade natal alemã de Hanau. Ele escreveu nele: “Tio Ludwig transportado”. A segunda foto foi no Instituto Leo Baeck, em Nova York, que recebeu até então única foto até então conhecida da deportação nazista dos judeus em Bad Homburg.

Para localizar mais fotos, o projeto conta com a ajuda de cidadãos comuns, pesquisadores, arquivistas, curadores de museus e familiares de sobreviventes.

Depois de ingressar no projeto, pesquisei o Arquivo de História Visual da Fundação Shoah da USC, que contém mais de 53.000 testemunhos em vídeo de sobreviventes do Holocausto. Muitos dos judeus que deram testemunho falaram sobre deportações nazistas. Todos os entrevistados compartilharam fotos. Embora muitas dessas mais de 700.000 imagens sejam artefatos de valor pessoal, como fotos de família e casamento, algumas imagens retratam a perseguição nazista.

Minutos depois de minha pesquisa usando o termo “fotos de deportação”, eu estava olhando para fotografias que mostravam uma deportação nazista em uma pequena cidade no centro da Alemanha. No final de sua entrevista de 1996, Lothar Lou Beverstein, nascido em 1921, compartilhou duas fotos de sua cidade natal, Halberstadt, que recebeu de amigos após a guerra. Beverstein identificou seu pai, Hugo, e sua mãe, Paula, em uma imagem que mostra nazistas enfileirando deportados em frente à famosa catedral gótica do século 13 da cidade.

Ambos os pais de Lou Beverstein foram deportados para o Gueto de Varsóvia em 12 de abril de 1942. Em sua entrevista, Beverstein declarou que, até onde ele sabia, ninguém sobreviveu daquele transporte, que supostamente consistia em 24 homens, 59 mulheres e 23 crianças. Agora, o projeto precisa localizar a família de Lou Beverstein nos Estados Unidos ou conectar-se a outros descendentes de Halberstadt para saber mais sobre as origens das imagens e as identidades dos deportados nelas retratados.

Duas meninas judias aguardando deportação em Munique em 11 de novembro de 1942. Suas identidades não são conhecidas. (Créditos: Arquivo Municipal de Munique DE-1992-FS-NS-00013)

Nomear e reconhecer as vítimas

As identidades dos deportados e perpetradores nas imagens existentes são muitas vezes desconhecidas. A maioria das fotografias mostra grupos de vítimas que a equipe do projeto pretende identificar para que elas e suas histórias possam ser reconhecidas. Isso é muito difícil, pois raramente há fotos aproximadas de seu rostos.

Mesmo em uma fotografia que mostra claramente duas meninas judias, não sabemos nada além de que a Gestapo as deportou para Kaunas com o mesmo transporte retratado na imagem que mostra judeus de Munique sendo deportados mencionado no início deste artigo. Os quase 1.000 deportados de Munique foram fuzilados logo após chegarem ao seu destino na Lituânia ocupada pelos nazistas.

Este é apenas um exemplo de como os estudiosos precisam desesperadamente da ajuda do público para recuperar as histórias de inúmeras vítimas não identificadas dos nazistas.