Galáxia do ‘esconde-esconde’ emerge do esconderijo e é uma cápsula do tempo do Universo

0
110
A Galáxia do Esconde-Esconde em forma de amendoim pode ser vista à direita da estrela brilhante no centro da imagem. (Créditos: NASA, ESA, Igor Karachentsev/SAO RAS, Alyssa Pagan/STScI)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

Uma galáxia que tem provocado os astrônomos desde que eles detectaram pela primeira vez um indício de sua presença, há mais de 20 anos, finalmente emergiu de seu esconderijo.

Chama-se HIPASS J1131-31, ou Esconde-Esconde, e está localizada a apenas 22 milhões de anos-luz de distância. E foi tão difícil de ver porque é minúscula e obscurecida por uma estrela brilhante na Via Láctea que fica quase diretamente na frente dela.

Por meio de um esforço colaborativo que envolveu telescópios espaciais e terrestres, os cientistas aprenderam que o extremamente pequena Esconde-Esconde também é extremamente jovem e próxima – oferecendo um registro da infância galáctica.

“Descobrir a Galáxia do Esconde-Esconde é como descobrir uma janela direta para o passado, permitindo-nos estudar seu ambiente extremo e as estrelas em um nível de detalhe inacessível no distante Universo primitivo”, disse o astrônomo Gagandeep Anand, do Space Telescope Science Institute, em Baltimore, EUA.

Dada a preponderância absoluta de coisas lá fora no Universo, é bastante comum que objetos em primeiro plano fiquem na frente de objetos mais distantes. Então, quando o HI Parkes All Sky Survey pegou a galáxia espiando por trás da estrela brilhante TYC 7215-199-1 no início dos anos 2000, não foi uma grande surpresa.

Observações ultravioleta revelaram que a Esconde-Esconde é o que é conhecido como uma galáxia anã azul compacta: uma pequena galáxia repleta de formação de estrelas jovens, as mais brilhantes das quais parecem ser azuis.

Mas a luz da estrela TYC 7215-199-1 e sua difração obscureceram a visão clara da galáxia.

Pode ter sido isso – exceto pelo fato da estrela se mover rapidamente e a direção em que ela se move é para longe da galáxia. Se tivéssemos olhado 100 anos atrás, talvez não tivéssemos visto a galáxia. Nas últimas duas décadas, essa lacuna continuou a aumentar. E nossa tecnologia de observação espacial tornou-se cada vez mais poderosa.

Assim, uma equipe internacional liderada pelo astrônomo Igor Karachentsev, da Academia Russa de Ciências, revisitou a Esconde-Esconde para um olhar mais atento. Eles usaram o Telescópio Espacial Hubble para observações ópticas, o Grande Telescópio da África Austral para espectros ópticos e o Conjunto de Telescópios Compactos da Austrália (ATCA) para observações de rádio.

Essas observações não apenas identificaram cerca de 60 estrelas individuais na Esconde-Esconde, mas também ajudaram os pesquisadores a determinar do que as estrelas são feitas.

“A princípio, não percebemos o quão especial é esta pequena galáxia”, disse o astrônomo Bärbel Koribalski da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization (CSIRO) na Austrália e o pesquisador que detectou pela primeira vez a presença do HIPASS J1131-31.

“Agora, com dados combinados do Telescópio Espacial Hubble, do Grande Telescópio da África Austral e de outros, sabemos que a Galáxia do Esconde-Esconde é uma das galáxias mais pobres em metal já detectadas.”

Todas as estrelas identificadas pelo Hubble parecem ter menos de alguns bilhões de anos, no máximo, o que significa que Esconde-Esconde parece ser muito jovem no contexto do Universo.

E Esconde-Esconde tem uma abundância surpreendentemente baixa de metais. Geralmente, a baixa metalicidade indica que um objeto se formou no início do Universo; objetos mais recentes têm um conteúdo de elemento pesado mais alto.

Isso ocorre porque não havia muito metal circulando no início do Universo. Na época que se seguiu após o Big Bang, 13,8 bilhões de anos atrás, o Universo era predominantemente composto de hidrogênio e hélio. Foi a partir desses elementos que as primeiras estrelas se formaram, fundindo hidrogênio e hélio em elementos mais pesados, até o ferro.

Metais mais pesados ​​que o ferro foram forjados nas violentas explosões de supernovas quando as estrelas morriam, espalhando-se pelo Universo onde poderiam ser incorporados à formação de novas estrelas.

Além de sua população de estrelas jovens, os pesquisadores fizeram apenas detecções escassas das assinaturas de estrelas antigas, sugerindo que a formação estelar em Esconde-Esconde começou apenas alguns bilhões de anos atrás.

Isso significa que poderia ser um exemplo de como era a geração mais antiga de galáxias e as populações de estrelas dentro dela.

É essencialmente uma cápsula do tempo e praticamente ao lado, cosmicamente falando. Como as observações do Hubble não foram particularmente detalhadas, os pesquisadores esperam revisitar a galáxia com o JWST para fazer um catálogo mais detalhado de sua química.

“Devido à proximidade da Esconde-Esconde conosco, podemos realizar observações detalhadas, abrindo possibilidades de ver um ambiente semelhante ao Universo primitivo com detalhes sem precedentes”, disse Anand.

A pesquisa foi aceita no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.