Herschel vê brotamento de estrelas e um gigante anel estranho

0
2310
O Observatório Espacial Herschel descobriu um anel esquisito de material empoeirado ao obter um dos exames mais nítidos para datação de uma enorme nuvem de gás e poeira, chamada NGC 7538. Crédito: ESA/NASA/JPL-Caltech/Whitman College

Artigo traduzido da Nasa.

O Observatório Espacial Herschel descobriu um anel esquisito de material empoeirado ao obter um dos exames mais nítidos para datação de uma enorme nuvem de gás e poeira, chamada NGC 7538. As observações revelaram numerosos aglomerados de material que podem evoluir para os tipos mais poderosos de estrelas no universo. Herschel é uma missão da Agência Espacial Europeia, com importantes contribuições da NASA.

“Nós olhamos para a NGC 7538 com o Herschel e encontramos 13 grupos densos e maciços, onde estrelas colossais poderiam se formar no futuro”, disse a principal autora do trabalho Cassandra Fallscheer, uma professora adjunta visitante de astronomia na Whitman College, em Walla Walla, Washington, e autora líder do trabalho publicado no The Astrophysical Journal. “Além disso, encontramos uma gigantesca estrutura em anel e o estranho é que não estamos certos do que a criou”.

NGC 7538 é relativamente próxima, a uma distância de cerca de 8.800 anos-luz e está localizado na constelação de Cepheus. A nuvem, que tem uma massa da ordem de 400 mil sóis, está passando por uma sessão intensa de formação de estrelas. Os astrônomos estudam berçários estelares tais como NGC 7538 para aprender melhor como as estrelas passam a existir. Encontrar o anel misterioso, neste caso, veio como um bônus inesperado.

O anel empoeirado tem uma forma oval, com seu eixo longo que abrange cerca de 35 anos-luz e seu eixo curto de cerca de 25 anos-luz. Fallscheer e seus colegas estimam que o anel possua a massa de 500 sóis. Dados adicionais do James Clerk Maxwell Telescope, situado no Observatório de Mauna Kea, no Havaí, ainda ajudou a caracterizar o ovoide estranho. Astrônomos muitas vezes veem o anel e estruturas semelhantes a bolhas em nuvens de poeira cósmica. Os ventos fortes emitidos pelas estrelas de maior massa, chamadas de estrelas tipo O, podem gerar esses sopros em expansão, assim como suas mortes explosivas como supernovas também podem. Mas nenhuma fonte energética ou remanescente de morte de uma estrela do tipo, como uma estrela de nêutrons, aparece dentro do centro deste anel. É possível que uma grande estrela explodiu a bolha e, devido as estrelas estarem todas em movimento, posteriormente ela deixou o local, fugindo da detecção.

As observações foram tomadas como parte do Herschel OB Young Stellar objects (HOBYS) Key Programme. O “OB” refere-se aos dois tipos de estrela com maiores massas, estrelas do tipo O e do tipo B. Essas brilhantes estrelas azuis superquentes têm vida curta e acabam explodindo em supernovas, deixando para trás tanto estrelas de nêutrons extremamente densas como buracos negros.

Estrelas desse calibre se formam a partir de aglomerados de gás e poeira com massas iniciais dezenas de vezes maiores que a do Sol; os 13 aglomerados em NGC 7358, alguns dos quais se encontram ao longo da borda do anel misterioso, são todos mais de 40 vezes mais massivo que o Sol. Os aglomerados colapsam gravitacionalmente sobre si mesmos, crescendo mais densos e mais quentes em seus núcleos até a fusão nuclear incendiar e uma estrela nascer. Por agora, no início do processo de formação estelar, os aglomerados permanecem bastante frios, apenas algumas dezenas de graus acima do zero absoluto. A estas temperaturas, os aglomerados emitem a maior parte de sua radiação em baixa energia, luz submilimétrica e luz infravermelha, que o Herschel foi projetado especificamente para detectar.

Como os astrônomos continuam investigando esses brotamentos gigantes do tipo O em NGC 7358, as observações de acompanhamento com outros telescópios também devem ajudar a resolver o enigma do monstruoso anel empoeirado. “Mais pesquisas para determinar o mecanismo responsável pela criação da estrutura do anel é necessário”, disse Fallscheer.

O Herschel é uma missão da Agência Espacial Europeia, com instrumentos científicos fornecidos por consórcios de institutos europeus e com participação importante da NASA. Embora o observatório tenha parado de fazer observações científicas em abril de 2013, depois de ficar sem líquido de arrefecimento como esperado, os cientistas continuam a analisar os seus dados. O Herschel Project Office, da Nasa tem base no Jet Propulsion Laboratory (JPL), em Pasadena, Califórnia. O JPL contribuiu tecnologia de habilitação de missão para dois dos três instrumentos científicos do Herschel. O NASA Herschel Science Center, parte do Infrared Processing and Analysis Center no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, apoia a comunidade astronômica dos EUA.

 

Mais informações em:

http://www.herschel.caltech.edu

http://www.nasa.gov/herschel

http://www.esa.int/SPECIALS/Herschel

CONTINUAR LENDO