Hipótese controversa afirma que nossos cérebros cresceram quando passamos a caçar presas menores

0
104
Créditos: Juliawhite / iStock / Getty Images.

Por Stephanie Pappas
Publicado na Live Science

Ao longo do Pleistoceno, entre 2,6 milhões de anos e 11.700 anos atrás, o cérebro dos humanos e de seus parentes cresceu.

Agora, os cientistas da Universidade de Tel Aviv têm uma nova hipótese sobre o motivo: conforme os animais maiores desapareceram de seus habitats, propõem os cientistas, o cérebro humano teve que crescer para permitir a caça de presas menores e mais rápidas.

Essa hipótese argumenta que os primeiros humanos se especializaram em derrubar os animais maiores, como elefantes, que teriam fornecido refeições gordurosas fartas. Quando o número desses animais diminuiu, os humanos com cérebros maiores, que presumivelmente tinham mais capacidade cerebral, foram melhores na adaptação e na captura de presas menores, o que levou a uma melhor sobrevivência para os cérebros.

Em última análise, os cérebros humanos adultos se expandiram de uma média de 650 centímetros cúbicos 2 milhões de anos atrás para cerca de 1.500 centímetros cúbicos no auge da revolução agrícola há cerca de 10.000 anos.

A hipótese também explica por que o tamanho do cérebro encolheu levemente, para cerca de 1.300 cm cúbicos, depois que a agricultura teve início: o tecido extra não era mais necessário para maximizar o sucesso na caça.

Essa nova hipótese contraria uma tendência nos estudos das origens humanas. Muitos estudiosos da área agora argumentam que o cérebro humano cresceu em resposta a muitas pequenas pressões, em vez de uma grande.

Mas os arqueólogos da Universidade de Tel Aviv, Miki Ben-Dor e Ran Barkai, argumentam que uma grande mudança no ambiente forneceria uma explicação melhor.

“Vemos o declínio no tamanho das presas como uma explicação unificadora não apenas para a expansão do cérebro, mas para muitas outras transformações na biologia e na cultura humana, e afirmamos que isso fornece um bom incentivo para essas mudanças”, escreveu Barkai em um e-mail para a Live Science.

“[Os estudiosos das origens humanas] não estão acostumados a procurar uma única explicação que cubra uma diversidade de adaptações. É hora, acreditamos, de pensar o contrário”.

Presas grandes e cérebros em crescimento

O crescimento do cérebro humano é evolutivamente notável porque o cérebro é um órgão dispendioso. O cérebro do Homo sapiens usa 20% do oxigênio do corpo em repouso, apesar de representar apenas 2% do peso do corpo. Um cérebro humano médio pesa hoje 1.352 gramas, excedendo em muito os cérebros dos chimpanzés, nossos parentes vivos mais próximos, com 384 gramas.

A hipótese de Barkai e Ben-Dor depende da noção de que os ancestrais humanos, começando com o Homo habilis e chegando ao ponto culminante com o Homo erectus, passaram o início do Pleistoceno como carnívoros experientes, derrubando as maiores e mais lentas presas que a África tinha a oferecer.

Megaherbívoros, argumentam os pesquisadores em um estudo publicado em 5 de março na revista Yearbook of Physical Anthropology, teriam fornecido grandes calorias e nutrientes com menos esforço do que procurar por plantas ou perseguir presas menores. Os humanos modernos são melhores em digerir gordura do que outros primatas, disseram Barkai e Ben-Dor, e a fisiologia dos humanos, incluindo a acidez do estômago e a estrutura do intestino, indicam adaptações para comer carne gordurosa. 

Em outro estudo, publicado em 19 de fevereiro na revista Quaternary, os pesquisadores argumentam que as ferramentas e o estilo de vida da espécie humana são consistentes com a mudança de presas grandes para presas pequenas. 

No trabalho de campo de Barkai na África, por exemplo, ele encontrou sítios do Homo erectus cobertos de ossos de elefante, que desapareceram em locais posteriores entre 200.000 e 400.000 anos atrás. Os ancestrais humanos nesses locais mais recentes pareciam ter comido principalmente gamos (um parente do veado), escreveu Ben-Dor em um e-mail para a Live Science.

No geral, os megaherbívoros pesando mais de 1.000 kg começaram a diminuir em toda a África há cerca de 4,6 milhões de anos, com herbívoros com mais de 350 kg diminuindo cerca de 1 milhão de anos atrás, escreveram os pesquisadores em seu estudo.

Não está claro o que causou esse declínio, mas pode ter sido as mudanças climáticas, a caça humana ou uma combinação dos dois. Como os animais maiores, mais lentos e mais gordos desapareceram da paisagem, os humanos teriam sido forçados a se adaptar mudando para animais menores.

Essa mudança, argumentam os pesquisadores, teria colocado pressão evolutiva no cérebro humano para que ficasse maior, porque caçar pequenos animais seria mais complicado, já que presas menores são mais difíceis de rastrear e capturar.

Esses cérebros em crescimento explicariam muitas das mudanças comportamentais durante o Pleistoceno. Os caçadores de presas pequenas e rápidas podem ter precisado desenvolver uma linguagem e estruturas sociais complexas para comunicar com sucesso a localização da presa e coordenar seu rastreamento.

Um melhor controle do fogo teria permitido que os ancestrais humanos extraíssem o máximo de calorias possíveis de animais menores, incluindo gordura e óleo de seus ossos. A tecnologia de ferramentas e armas teria que avançar para permitir que os caçadores derrubassem e vestissem pequenos animais, de acordo com Barkai e Ben-Dor.

Um passado confuso

Hipóteses únicas para a evolução do cérebro humano não se sustentaram bem no passado, disse Richard Potts, paleoantropólogo e chefe do Programa de Origens Humanas do Smithsonian em Washington, DC (EUA), que não estava envolvido na pesquisa.

E há debates sobre muitos dos argumentos da nova hipótese.

Por exemplo, não está claro se os primeiros humanos caçavam megaherbívoros, disse Potts ao Live Science. Existem marcas de cortes humanos em ossos de grandes mamíferos em alguns locais, mas ninguém sabe se os humanos mataram os animais ou se eram necrófagos.

Os pesquisadores também às vezes usam argumentos de um período que podem não se aplicar a épocas e lugares anteriores, disse Potts.

Por exemplo, a evidência sugere uma preferência por grandes presas por neandertais que viviam na Europa 400.000 anos atrás, o que teria sido um ótimo sustento a esses parentes humanos no inverno, quando as plantas eram escassas. Mas a mesma coisa pode não ter acontecido algumas centenas de milhares ou um milhão de anos antes na África tropical, disse Potts.

E quando se trata de cérebros, o tamanho não é tudo. Para complicar o quadro, a forma do cérebro também evoluiu durante o Pleistoceno, e alguns parentes humanos – como o Homo floresiensis, que viveu onde hoje é a Indonésia entre 60.000 e 100.000 anos atrás – tinham cérebros pequenos. O H. floresiensis caçava pequenos elefantes e grandes roedores, apesar de seu cérebro pequeno.

O período durante o qual os humanos e seus parentes experimentaram essa expansão do cérebro é mal compreendido, com poucos registros fósseis.

Por exemplo, talvez haja três ou quatro sítios arqueológicos e paleontológicos firmemente datados entre 300.000 e 400.000 anos atrás na África que certamente estão relacionados aos humanos e seus ancestrais, disse John Hawks, um paleoantropólogo da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA) que não esteve envolvido no pesquisa e foi cético em relação às suas conclusões.

A árvore genealógica humana era muito complexa ao longo do Pleistoceno, com muitos ramos, e o crescimento do cérebro não era linear. Nem era linear os declínios em animais de grande porte, disse Hawks ao Live Science.

“Eles esboçaram um cenário em que os megaherbívoros diminuem e os cérebros aumentam, e se você olhar isso superficialmente, parece que é verdade”, disse Hawks ao Live Science. “Mas, na verdade, se você olhar para os detalhes de ambos os lados, o tamanho do cérebro era algo mais complexo, os megaherbívoros eram mais complexos e não é como se pudéssemos traçar uma relação direta entre eles”.

O estudo, no entanto, chama a atenção para o fato de que a espécie humana pode de fato ter caçado grandes mamíferos durante o Pleistoceno, disse Hawks.

Há um viés natural nos sítios de fósseis em relação a preservação de grandes mamíferos porque os caçadores ou necrófagos humanos não teriam arrastado um elefante inteiro para o acampamento; eles teriam cortado pedaços de carne em vez disso, não deixando nenhuma evidência do banquete em seus locais de origem para futuros paleontólogos e arqueólogos.

“Tenho certeza de que falaremos cada vez mais sobre qual era o papel dos megaherbívoros na subsistência humana e se eles foram importantes para nos tornarmos humanos”, disse Hawks.