Pular para o conteúdo

Homem dos EUA se torna a segunda pessoa na história a receber um transplante de coração de porco para humano

Homem dos EUA se torna a segunda pessoa na história a receber um transplante de coração de porco para humano

Um homem de 58 anos tornou-se esta semana o segundo paciente do mundo a receber um transplante de coração de porco geneticamente modificado, o mais recente marco num campo crescente de pesquisa médica.

Leia também Descoberta incrível do DNA revela por que você não herdou as mitocôndrias do seu pai

O transplante de órgãos de animais para humanos, denominado xenotransplante, poderia oferecer uma solução para a escassez crônica de doações de órgãos humanos. Mais de 100 mil americanos estão atualmente em listas de espera para transplantes de órgãos.

Ambos os procedimentos cardíacos foram realizados por especialistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, com o primeiro paciente morrendo dois meses após o transplante no ano passado devido a “uma infinidade de fatores, incluindo seu mau estado de saúde” antes da operação, disse a universidade em um comunicado na sexta-feira.

A última operação ocorreu na quarta-feira, com o paciente Lawrence Faucette inelegível para um coração humano doado devido a uma doença vascular pré-existente e complicações hemorrágicas internas.

Sem o transplante experimental, o pai de dois filhos e veterano da Marinha enfrentava uma insuficiência cardíaca quase certa.

“Minha única esperança real é optar pelo coração de porco, o xenotransplante”, disse Faucette antes do procedimento. “Pelo menos agora tenho esperança e tenho uma chance.”

Após o transplante, Faucette respirava sozinho e o novo coração funcionava bem “sem qualquer assistência de dispositivos de suporte”, disse a universidade.

Ele estava tomando medicamentos convencionais anti-rejeição, bem como uma nova terapia com anticorpos para evitar que seu corpo danificasse ou rejeitasse o novo órgão.

Os xenotransplantes são desafiadores porque o sistema imunológico do paciente atacará o órgão estranho. Os cientistas estão tentando contornar o problema usando órgãos de porcos geneticamente modificados.

Nos últimos anos, os médicos transplantaram rins de porcos geneticamente modificados para pacientes com morte cerebral.

O Langone Hospital Transplant Institute da NYU, em Nova York, anunciou este mês que um rim de porco transplantado em um paciente com morte cerebral funcionou por um período recorde de 61 dias.

As primeiras pesquisas sobre xenotransplante concentraram-se na colheita de órgãos de primatas – por exemplo, um coração de babuíno foi transplantado para um recém-nascido conhecido como “Baby Fae” em 1984, mas ela sobreviveu apenas 20 dias.

Os esforços atuais centram-se nos porcos, que são considerados dadores ideais para humanos devido ao tamanho dos seus órgãos, ao seu rápido crescimento e ninhadas grandes, e ao facto de já serem criados como fonte de alimento.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de ScienceAlert