Humanos em Marte, vida em Europa, voo para o Sol: as missões mais impressionantes da NASA na próxima década

0
472

Por Hannah Janssen
Publicado no ListVerse

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) foi criada em 1º de outubro de 1958. Foi um resultado direto da “corrida espacial”, um período do século 20 durante o qual os Estados Unidos e a União Soviética competiram essencialmente entre si pela mais avançada tecnologia e exploração espacial impactante. Os EUA “venceram” quando a missão Apollo da NASA pousou com sucesso um homem na Lua em 1969.

Desde então, a NASA realizou pouco menos de 200 missões, tripuladas e não tripuladas. Em 2010, no entanto, o governo sofreu um golpe quando o programa de ônibus espacial foi desativado e o programa Constellation substituto, que enviaria astronautas de volta à Lua, foi cortado pelo governo Obama.

Apesar desse revés, a NASA não parou de explorar o Universo, como mostra as missões que envolvem a Estação Espacial Internacional e o sempre fascinante telescópio Hubble. Mas não para por aí. Esta é uma lista de algumas das missões mais fascinantes da NASA que serão levadas ao céu num futuro bem próximo.

MAIA

A missão MAIA tem como um de seus objetivos rastrear ciclones aqui na Terra. Seu objetivo mais importante, no entanto, é estudar a poluição do ar.

Ao orbitar logo acima da Terra, observará “pedaços” de ar poluído de diferentes locais e medirá várias características da matéria dentro desse ar. Os cientistas pegam essas informações e as analisam em relação às informações de saúde humana, como a saúde cardiovascular, para encontrar quaisquer causas ou correlações.

Parker Solar Probe

Em maio de 2017, a NASA anunciou a missão Parker Solar Probe. Esta missão fará o impensável: voar para o Sol.

A sonda foi lançada em agosto de 2018 e está programada para ficar em 2025 a 6,4 milhões de quilômetros do Sol, o que é muito próximo em escala astronômica. O objetivo da missão é coletar dados cruciais sobre a estrutura e o mecanismo de aquecimento do Sol, que intrigam os cientistas há décadas.

Uma característica paradoxal do Sol é que a temperatura da superfície é de 5.500 graus Celsius, enquanto a coroa, mais acima da superfície, é realmente mais quente a 1,9 milhão de graus Celsius.

Veja a Terra, por exemplo. Quanto mais alto se entra na atmosfera, mais baixas as temperaturas ficam. O fato de o Sol fazer o oposto é realmente estranho, e os cientistas querem respostas – daí a criação da Parker Solar Probe.

Esta missão é fascinante por várias razões. Primeiro, trará aos cientistas as respostas que eles querem. Segundo, ficará inimaginavelmente perto do Sol, suportando milhares de graus de calor. Terceiro, será o objeto feito pelo homem mais rápido do mundo, voando a uma velocidade gritante de 692.000 quilômetros por hora.

Mars 2020

O Mars Rover, que será lançado em julho de 2020, é um grande passo na exploração de Marte. É um veículo do tamanho de um carro que rasteja pela superfície de Marte e coleta dados.

A NASA gosta de comparar o robô a um ser vivo: possui corpo, cérebro, braços, mãos, pernas, olhos e ouvidos. Em outras palavras, o veículo espacial pode fazer muitas coisas. É alimentado por bateria e isolado, além de equipado com um aquecedor interno para combater as temperaturas de Marte. Todos esses recursos contribuem para sua sustentabilidade.

O “cérebro” a que a NASA se refere é o sistema de computador que ajudará a processar as informações coletadas pelo veículo espacial, que passarão por diferentes canais. O veículo espacial tem um braço e uma mão que alcançam a superfície e coletam amostras, como rochas, para trazer de volta à Terra para serem estudadas.

Ele também tem “sentidos”. As câmeras, antenas e outras tecnologias do rover permitem que ele esteja ciente de seu ambiente, para que possa manobrar e documentar adequadamente seu ambiente. Ele também será capaz de se comunicar com o controle da Terra através de suas antenas.

No geral, o Mars Rover de 2020 trará grandes ganhos na missão a Marte.

Europa Clipper

O objetivo da missão Europa Clipper é ajudar a fornecer respostas para uma das maiores perguntas de todos os tempos: a vida existe em outro lugar do Universo? Em algum momento da década de 2020, esta sonda irá à caça de vida extraterrestre em Europa, uma das luas de Júpiter.

Recentemente, foi descoberto que Europa tem um oceano sob sua crosta, e os cientistas querem saber se esse oceano é capaz de abrigar vida. Eles procurarão os principais ingredientes: água líquida, o ambiente químico certo e uma fonte de energia.

Para obter essas informações, a Clipper voará pela Europa e coletará o máximo de dados possível. Ela repetirá esse processo 40 a 45 vezes antes de fazer a viagem de um ano de volta para a Terra.

JUICE

A JUpiter ICy Moons Explorer, conhecida como JUICE, é uma missão liderada pela Agência Espacial Europeia (ESA). A ESA está em parceria com a NASA, que ajudará a fornecer instrumentação, entre outros ativos, para esta missão.

A missão está programada para ser lançada em 2022. Explorará Europa, Calisto e Ganimedes, que são três das quatro luas galileanas de Júpiter. O objetivo da missão é desenvolver uma melhor compreensão da composição, ambiente e evolução das luas, incluindo se são ou não habitáveis. De certa forma, é muito semelhante a Europa Clipper, mas será mais ampla nos dados que coleta.

Como a Clipper, porém, será uma missão longa. Ela não será lançada até 2022 e levará mais do que 7 anos e meio para chegar a Júpiter. Depois, há a missão em si e a jornada de quase oito anos de volta à Terra. Obviamente, para um astrônomo acostumado a lidar com essas grandes distâncias, isso não é nada!

Orion

A espaçonave Orion é a próxima grande missão da NASA para colocar os humanos de volta no espaço e nos levar mais longe do que nunca, esperançosamente para Marte. A Orion foi projetada para suportar grandes temperaturas, velocidades, radiação e outros ambientes extremos. Um ônibus espacial normal não seria capaz de lidar com o que Orion será capaz de lidar, o que é um feito notável na astronáutica.

A Orion será lançada em um enorme foguete chamado Space Launch System (SLS). Este foguete pode levar Orion além da Lua! O SLS ainda está sendo construído, mas o Orion já fez um teste. O primeiro foi em 2014.

O próximo grande passo para Orion é ir a um asteroide próximo para ajudar na missão de asteroides na década de 2020. O objetivo final de Orion, no entanto, é alcançar Marte na década de 2030.

Pysche

Em 2022, a espaçonave Psyche será lançada em direção a um asteroide, também chamado Psyche, que orbita entre Marte e Júpiter. Em vez de ser apenas um pedaço de rocha, este asteroide único é composto principalmente de níquel e ferro. Os cientistas acreditam que é um núcleo metálico restante de um planeta desde os primeiros dias da formação do sistema solar.

As informações coletadas deste asteroide podem fornecer uma grande quantidade de informações sobre a estrutura dos núcleos dos planetas terrestres, como a Terra. Também poderia esclarecer como o sistema solar se formou, especificamente o caos e as colisões que ocorreram.

Euclid

Euclid é outra missão da ESA à qual a NASA se juntou em 2013. A missão deve coletar dados sobre energia escura e matéria escura. A energia escura é uma força desconhecida que desafia a gravidade e alimenta a expansão do Universo. Compõe cerca de 68% do Universo, mas os cientistas realmente não sabem muito sobre isso.

A matéria escura não tem nenhuma relação com a energia escura, apesar de nomes semelhantes. A matéria escura compõe cerca de 27% do Universo. No entanto, não importa da maneira que conhecemos. Por exemplo, somos feitos de matéria: prótons, nêutrons e elétrons. A matéria escura não é. Isso é tudo o que os cientistas sabem sobre isso.

O telescópio Euclid será lançado no espaço em 2020 e acabará coletando informações cosmológicas de duas bilhões de galáxias para tentar entender melhor a composição e a evolução do nosso Universo.

WFIRST

O Telescópio de Rastreio Infravermelho de Largo Campo de Visão (WFIRST) mata dois coelhos com uma cajadada. Sua missão é coletar dados sobre exoplanetas e energia escura.

Quando se trata de exoplanetas (planetas fora do nosso sistema solar), o WFIRST tem alguns objetivos. Um é simplesmente continuar contando-os. A missão original dos exoplanetas – Kepler – começou a registrar o número de exoplanetas e o WFIRST continuará a acompanhar.

O próximo trabalho do WFIRST é trabalhar em novas tecnologias para caracterizar exoplanetas e detectá-los através de imagens diretas, que é uma das maneiras mais difíceis de fazer isso. Esse método basicamente captura uma imagem do exoplaneta e a vê diretamente. Embora pareça fácil, a estrela-mãe geralmente supera o exoplaneta e torna impossível vê-lo. O WFIRST está sendo construído para mudar isso.

Para energia escura, o WFIRST apenas tentará descobrir o que é. O telescópio também olhará para a expansão acelerada do Universo, que de alguma forma está relacionada à energia escura. Com o WFIRST e o Euclid, os cientistas podem obter algumas respostas. A NASA planeja lançar o telescópio no início dos anos 2020, e permanecer com ele em voo por seis anos.