Humanos podem aprender ecolocalização em apenas 10 semanas, revelam experimentos

0
365
Créditos: Merve Betül Karakus / Getty Images.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

Com treinamento suficiente, a maioria dos humanos pode aprender a ecolocalizar, usando a língua para fazer sons de cliques e interpretando os sons dos ecos que voltam, refletidos no ambiente ao redor.

Em apenas 10 semanas, os pesquisadores foram capazes de ensinar aos participantes como navegar pelos obstáculos e reconhecer o tamanho e a orientação dos objetos usando os sons repetidos de seus cliques. O experimento envolveu 12 participantes que foram diagnosticados como legalmente cegos durante a infância e 14 pessoas com visão.

A ecolocalização é uma habilidade que normalmente associamos a animais como morcegos e baleias, mas alguns humanos cegos também usam os ecos de seus próprios sons para detectar obstáculos e seus contornos. Alguns usam o bater de uma bengala ou estalar os dedos para fazer o barulho necessário, enquanto outros usam a boca para fazer um som de clique.

Apesar do quão útil possa ser essa habilidade, muito poucos cegos são ensinados a fazê-la. Especialistas em ecolocalização vêm tentando difundir a prática há anos e este novo estudo sugere que um cronograma de treinamento simples é tudo o que é necessário.

“Não consigo pensar em nenhum outro trabalho com participantes cegos que tenha recebido um feedback tão entusiasmado”, disse a psicóloga Lore Thaler, da Universidade de  Durham, no Reino Unido.

Ao longo de 20 sessões de treinamento, que duraram cerca de 2 a 3 horas, os pesquisadores descobriram que os participantes cegos e os que enxergam, tanto idosos quanto jovens, melhoraram consideravelmente na ecolocalização baseada em cliques.

Durante semanas, os participantes foram treinados para navegar em labirintos virtuais – corredores dispostos em interseções em T, curvas em U e zigue-zagues – e identificar o tamanho e a orientação dos objetos usando cliques da boca.

Nas duas sessões finais, os participantes tiveram suas novas habilidades de navegação testadas em um labirinto virtual que eles nunca haviam percorrido antes. Mesmo estando cego neste ambiente desconhecido, as colisões foram menores do que no início do programa.

Claramente, os ecos de seus próprios cliques estavam ajudando as pessoas a navegar pelo percurso com mais facilidade do que antes.

Na verdade, os autores descobriram que esses ecolocalizadores recém-treinados tiveram um desempenho quase tão bom no labirinto quanto sete ecolocalizadores especialistas, que usavam essa habilidade há anos.

Em testes adicionais para determinar a forma e a orientação de certas superfícies, os participantes do estudo tiveram um desempenho igual ao dos especialistas.

Estudos anteriores também descobriram que indivíduos que enxergam podem aprender a ecolocalização baseada em cliques em uma série de sessões de treinamento, mas este é o primeiro estudo a testar se os resultados se estendem a pessoas cegas e também a pessoas de várias idades.

As partes visuais do cérebro são o que permitem que os ecolocalizadores “vejam” o mundo ao seu redor, e não estava claro até agora se aqueles que crescem sem visão podem usar as mesmas redes neurais no mesmo grau.

Além do mais, muitas pessoas perdem a visão e a audição à medida que envelhecem e, quanto mais velha uma pessoa, menos plasticidade tem seu cérebro.

Isso pode tornar o aprendizado de novas habilidades mais difícil à medida que você envelhece, mas a nova pesquisa sugere que esse não é um fator limitante no aprendizado da ecolocalização. No estudo, indivíduos cegos de 79 anos foram capazes de adquirir a habilidade com o treinamento correto.

Quando os autores analisaram seus resultados (de seu experimento reconhecidamente pequeno), descobriram que a idade avançada em si não estava ligada a mais colisões na tarefa do labirinto.

“É importante ressaltar que quando quantificamos o grau em que os participantes melhoraram da sessão 1 à sessão 20 em suas habilidades em cada uma das tarefas, não houve evidência de uma associação entre idade e desempenho nas tarefas práticas”, escrevem os autores.

A idade mais jovem permitiu que alguns participantes terminassem os labirintos mais rápido, mas na prática, dizem os autores, “o treinamento levou a mudanças comportamentais notáveis ​​para todos os participantes”, independentemente da idade.

Três meses após o término das sessões de treinamento, participantes cegos disseram que experimentaram uma melhora na mobilidade usando a ecolocalização. Em uma pesquisa de acompanhamento, 10 entre 12 participantes disseram que a habilidade havia beneficiado sua independência e bem-estar.

“Estamos muito entusiasmados com isso”, disse Thaler. “Sentimos que faria sentido fornecer informações e treinamento em ecolocalização baseada em cliques para pessoas que ainda podem ter uma boa visão funcional, mas que podem perder a visão no futuro por causa de doenças oculares degenerativas progressivas”.

O estudo foi publicado na PLOS One.