Pular para o conteúdo

Inteligência Artifical pede desculpas por matar a maior parte da humanidade em exibição pós-apocalipse

Traduzido por Julio Batista
Original de Julie Jammot (AFP) para o ScienceAlert

Os avanços na inteligência artificial estão chegando com tanta força e rapidez que um museu em São Francisco, EUA, uma cidade-chave para a revolução tecnológica, imaginou um memorial para o fim da humanidade.

“Desculpe por ter matado a maior parte da humanidade pessoa com gorro e bigode”, disse um monitor dando as boas-vindas a um visitante do “Museu do Desalinhamento”, uma nova exposição sobre a polêmica tecnologia.

As peças nesta mostra temporária misturam o perturbador com o cômico, e esta pioneira exibição tem uma IA fazendo observações concisas aos visitantes que cruzam sua linha de visão.

A exposição. (Créditos: Museu do Desalinhamento/Instagram)

“O conceito do museu é que somos inseridos em um mundo pós-apocalíptico onde a inteligência artificial geral já destruiu a maior parte da humanidade”, disse Audrey Kim, curadora da mostra.

“Mas então a IA percebe que isso foi ruim e cria uma espécie de memorial para os humanos, então o slogan do nosso programa é ‘desculpe por matar a maior parte da humanidade'”, disse ela.

A Inteligência Artificial Geral é um conceito ainda mais nebuloso do que a simples IA que está a entrar cada vez mais na vida cotidiana, como se vê no rápido surgimento de aplicações como o ChatGPT ou o chatbot do Bing e todo o hype que as rodeia.

A IAG é “inteligência artificial capaz de fazer qualquer coisa que um humano seria capaz de fazer”, integrando capacidades cognitivas humanas em máquinas.

Ao redor de São Francisco e na península do Vale do Silício, as startups estão na trilha do santo graal da IAG.

Sam Altman, o fundador do OpenAI, criador do ChatGPT, disse que a IAG, bem feita, pode “elevar a humanidade” e mudar os “limites das possibilidades”.

IA como uma mão na roda e os clipes de papel

Mas Kim quer provocar uma reflexão sobre os perigos de ir longe demais, rápido demais.

“Houve muitas conversas sobre a segurança da IA ​​em círculos de tecnologia intelectual de nicho no Twitter e acho isso muito importante”, disse ela.

Mas essas conversas não são tão facilmente acessíveis ao público em geral quanto os conceitos que você pode ver ou sentir, acrescentou.

Kim gosta particularmente de uma escultura chamada “Abraço de Clipes“: dois bustos de humanos abraçados, feitos inteiramente de clipes de papel.

A obra remete a uma metáfora do filósofo Nick Bostrom, que nos anos 2000 imaginou o que aconteceria se a inteligência artificial fosse programada para criar clipes de papel.

“Ela pode se tornar cada vez mais poderosa e se otimizar constantemente para atingir seu único objetivo, a ponto de destruir toda a humanidade para inundar o mundo com clipes de papel”, disse Kim.

Pesar os prós e os contras da IA ​​é um assunto que se tornou importante para Kim em um trabalho anterior na Cruise, uma empresa de veículos autônomos.

Lá ela trabalhou em uma tecnologia “incrível”, que “poderia reduzir o número de acidentes por erro humano”, mas também apresentava riscos, disse ela.

A exposição ocupa um pequeno espaço em um prédio de esquina no moderno bairro de Mission, em São Francisco.

O piso inferior da exposição é dedicado à IA como uma distopia onde uma máquina alimentada por GPT-3, o modelo de linguagem por trás do ChatGPT, compõe caligramas maldosos contra a humanidade, em escrita cursiva.

Uma das exposições é um diálogo gerado por IA – e totalmente falso – entre o filósofo Slavoj Zizek e o cineasta Werner Herzog, dois dos intelectuais mais respeitados da Europa.

Esta “Conversa Infinita” é uma meditação sobre deep fakes: imagens, sons ou vídeos que pretendem manipular a opinião, fazendo-se passar por pessoas reais e que se tornaram a mais recente arma de desinformação online.

“Iniciamos este projeto há apenas cinco meses e, no entanto, muitas das tecnologias apresentadas aqui já parecem quase primitivas”, disse Kim, entusiasmado.

Ela espera tornar a exposição permanente, com mais espaço e mais eventos.