LHCb anuncia descoberta de nova partícula

A imagem representa a nova partícula observada no LHCb, contendo dois quarks charm e um quark up.Créditos: CERN | Daniel Dominguez.

Publicado no CERN

Hoje, na conferência EPS sobre a Física de Altas Energias em Veneza, na Itália, o experimento LHCb do Large Hadron Collider (LHC) reportou a observação de Ξcc++(Xicc++), uma nova partícula que contém dois quarks charm e um quark up. A existência desta partícula da família do bárion era esperada pelas teorias atuais, mas os físicos têm procurado esses bárions com dois quarks pesados durante anos. A massa da partícula recém-descoberta tem cerca 3621 MeV, que é quase quatro vezes mais pesada do que um bárion familiar, o próton, uma propriedade que decorre do conteúdo de seu duplo quark charm.

Quase toda a matéria observada é feita de bárions, que são partículas comuns compostas de três quarks, os mais conhecidos são prótons e nêutrons. Mas existem seis tipos de quarks, e, teoricamente, muitas combinações potenciais diferentes podem formar outros tipos de bárions. Os bárions observados até o momento possuem, no máximo, um quark pesado.

A medição da propriedade do Ξcc++ ajudará a estabelecer como um sistema de dois quarks pesados e um leve se comporta. Podem ser obtidas conjecturas importantes ao medir precisamente a produção e o decaimento dos mecanismos, e a vida útil desta nova partícula.

A observação deste novo bárion, que provou ser bastante desafiadora, foi possível devido à alta taxa de produção de quarks pesados no LHC e às capacidades únicas do experimento LHCb, que pode identificar o decaimento dos produtos com excelente eficiência. O bárion Ξcc++  foi identificado através do decaimento do bárion Λc+ e dos três mésons K, π+ e π+.

A observação de Ξcc++ no LHCb levanta expectativas para detectar outros representantes da família duplamente pesada de bárions. Eles serão buscados no LHC.

A descoberta foi publicada em um paper na Physical Review Letters.

Artigo anterior10 coisas que você talvez não saiba sobre antimatéria
Próximo artigoPor que o paracetamol pode agredir o fígado?
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Fundador do projeto de divulgação científica e filosófica Universo Racionalista. Pós-graduação em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz. Pós-graduação em andamento em Filosofia pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Especialização em Epidemiology in Public Health Practice pela Johns Hopkins University (Coursera Specialization). Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization). Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization). Especialização em andamento em Computational Social Science pela University of California, Davis (Coursera Specialization). Graduação em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca (UNIFRAN). Graduação em andamento em Tecnologia em Radiologia pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Editor-chefe do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade. Colaborador da revista cética argentina Pensar, uma publicação da organização internacional Center for Inquiry. Endereço do Currículo Lattes e do Catarse.