Mais da metade dos pacientes com COVID-19 em um novo estudo estão sofrendo de fadiga prolongada

0
260
Créditos: Jonathan Rados / Unsplash.

Publicado na ScienceAlert

Mais da metade dos pacientes e funcionários da saúde com COVID-19 monitorados por um hospital irlandês sofreram fadiga persistente após o início da doença, de acordo com um novo estudo na sexta-feira, destacando a “sobrecarga significativa” dos sintomas persistentes.

O estudo surge enquanto grupos de pacientes e médicos pedem mais pesquisas sobre os efeitos de médio e longo prazo do novo coronavírus, SARS-CoV-2, que adoeceu mais de 30 milhões de pessoas em todo o mundo e matou pelo menos 943.000.

“Embora as características que temos atualmente da infecção por SARS-CoV-2 tenham sido bem caracterizadas, as consequências de médio e longo prazo da infecção permanecem inexploradas”, disse Liam Townsend, do St James’s Hospital e Trinity Translational Medicine Institute do Trinity College Dublin.

O estudo, que rastreou 128 participantes no St James’s Hospital, descobriu que 52 por cento relataram fadiga persistente quando foram avaliados em média 10 semanas após a “recuperação clínica” da infecção, independentemente da gravidade do início da infecção.

O estudo preliminar, que ainda não foi revisado por pares, incluiu 71 pessoas que haviam sido admitidas no hospital e 57 funcionários do hospital que apresentavam a doença de forma leve. A idade média das pessoas era de 50 anos e todos os participantes tinham o teste positivo para COVID-19.

Os pesquisadores analisaram uma variedade de fatores potenciais, incluindo a gravidade da doença em seu início e condições preexistentes, incluindo a depressão.

Eles descobriram que não fazia diferença se um paciente havia sido hospitalizado ou não.

No entanto, eles descobriram que as mulheres, apesar de constituírem pouco mais da metade dos participantes (54 por cento), foram registradas como dois terços daqueles com fadiga persistente (67 por cento).

Aqueles com histórico anterior de ansiedade ou depressão também apresentaram maior probabilidade de fadiga.

Os autores disseram que as descobertas mostram que mais trabalho é necessário para avaliar o impacto da COVID-19 em pacientes a longo prazo.

“Nossos resultados demonstram uma sobrecarga significativa de fadiga pós-viral em indivíduos anteriormente infectados por SARS-CoV-2, após a fase aguda da doença COVID-19”, concluíram.

COVID duradoura

O estudo, que será apresentado na Conferência sobre Doenças do Coronavírus da Sociedade Europeia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas (ECCVID, do inglês EESCMID Conference on Coronavirus Disease) no final deste mês, sugere que as pessoas afetadas são “dignas de um estudo mais aprofundado e de intervenção precoce”.

À medida que a pandemia se alastrava por todo o planeta, a maior parte das atenções se voltava para o impacto imediato, medido por internações e mortes em hospitais.

Mas está cada vez mais claro que o vírus pode fazer estragos muito depois de o paciente se “recuperar”.

Grupos de apoio online em todo o mundo atraíram milhares de membros em busca de ajuda e aconselhamento sobre doenças em curso.

Em julho, um estudo com pacientes recuperados de hospitais na Itália descobriu que 87% ainda apresentavam pelo menos um sintoma 60 dias depois de adoecer. Fadiga e dificuldades respiratórias foram as mais comuns.

Pesquisadores do Colégio do Rei de Londres, que está por trás de um projeto de rastreamento de sintomas em grande escala, estimam que uma em cada 10 pessoas que usam o aplicativo ainda apresenta sintomas após 30 dias e algumas permanecem indispostas por meses.

“Estamos vendo cada vez mais evidências de uma ‘COVID duradoura’, e a fadiga é um dos efeitos colaterais comumente relatados. Este estudo destaca que a fadiga foi sentida tanto em pacientes hospitalizados quanto naqueles com manifestações iniciais mais brandas”, disse Michael Head, da Universidade de Southampton, comentando sobre as pesquisas mais recentes.

“A extensão que surge da COVID duradoura é a razão pela qual é importante reduzir a transmissão na comunidade, mesmo entre grupos mais jovens de pessoas que não estão gravemente doentes no início da manifestação”.