Mapa estelar completo mais antigo do mundo, perdido há milênios, é encontrado dentro de manuscrito medieval

Evidências apontam para o mapa sendo de autoria de Hiparco, o "pai da astronomia científica".

0
218
Traços opacos do texto oculto foram revelados por imagens multiespectrais. (Créditos: Museu da Bíblia/Biblioteca Eletrônica de Manuscritos Primitivos/Projeto Lazarus/Universidade de Rochester/Processamento Multiespectral por Keith T. Knox/Traceamento por Emanuel Zingg)

Traduzido por Julio Batista
Original de

Estudiosos podem ter descoberto um fragmento do mapa estelar completo mais antigo do mundo.

Acredita-se que o segmento do mapa, que foi encontrado abaixo do texto em uma folha de pergaminho medieval, seja uma cópia do catálogo de estrelas há muito tempo perdido do século II a.C. de autoria do astrônomo grego Hiparco, que fez a primeira tentativa conhecida de mapear todo o céu noturno. O fragmento estava escondido sob nove folhas, ou fólios, do códice religoso Climaci Rescriptus no Mosteiro de Santa Catarina, na Península do Sinai, no Egito.

O códice é um palimpsesto, o que significa que os escritos originais foram raspados de seu pergaminho para dar lugar a uma coleção de textos aramaicos palestinos cristãos contando histórias do Antigo e do Novo Testamento. Os pesquisadores pensaram que textos cristãos ainda mais antigos estavam enterrados sob as páginas, mas imagens multiespectrais revelaram algo mais surpreendente: números informando, em graus, o comprimento e a largura da constelação Corona Borealis e as coordenadas das estrelas localizadas em seus cantos mais distantes. Os pesquisadores publicaram suas descobertas em 18 de outubro no Journal for the History of Astronomy.

“Fiquei muito empolgado desde o início”, disse o pesquisador líder do estudo, Victor Gysembergh, historiador da ciência do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS) em Paris, disse à Nature. “Ficou imediatamente claro que tínhamos coordenadas estelares.”

A empolgação dos pesquisadores cresceu quando as coordenadas precisas permitiram que eles estimassem a data em que as coordenadas foram escritas – aproximadamente 129 a.C., quando Hiparco era um astrônomo veterano investigando os céus noturnos.

Historicamente referido como o “pai da astronomia científica”, Hiparco (que viveu entre cerca de 190 a.C. a 120 a.C.) passou grande parte de seus últimos anos fazendo observações astronômicas da ilha de Rodes. Não resta muita documentação de sua vida, mas textos históricos o creditam com uma série de avanços científicos impressionantes, como modelar com precisão os movimentos do Sol e da Lua; inventar uma escala de brilho para medir as estrelas; o desenvolvimento posterior da trigonometria; e possivelmente inventando o astrolábio, um dispositivo portátil em forma de disco que pode calcular as posições precisas dos corpos celestes.

Em 134 a.C., Hiparco viu algo surpreendente no céu noturno: em um pedaço de espaço anteriormente vazio, uma nova estrela havia surgido.

O “movimento dessa estrela em sua linha de radiância o levou a se perguntar se isso era uma ocorrência frequente, se as estrelas que pensamos serem fixas também estão em movimento”, escreveu Plínio, o Velho, famoso naturalista e comandante militar dos primeiros tempos Império Romano, em seu livro “História Natural”. “E, consequentemente, ele fez uma coisa ousada, que seria repreensível até mesmo para Deus – ele ousou catalogar as estrelas para a posteridade e marcar os corpos celestes por nome em uma lista, inventando mecanismos por meio dos quais indicar suas várias posições e grandezas…”

Mosteiro de Santa Catarina no Sinai, o mosteiro do século VI onde o fragmento do mapa foi encontrado. (Créditos: Jon Sellers/Alamy Stock Photo)

Hiparco passou a catalogar cerca de 850 estrelas no céu noturno, observando suas localizações e brilhos precisos. Ao comparar seu mapa estelar completo com medições mais fragmentárias de estrelas individuais feitas por astrônomos anteriores, Hiparco percebeu que as estrelas distantes pareciam se mover 2 graus de suas posições originais.

Ele concluiu corretamente o motivo da mudança nas posições aparentes das estrelas: a Terra estava em precessão lenta, oscilando em seu eixo como um pião, a uma taxa de 1 grau a cada 72 anos. Embora as referências ao famoso catálogo de Hiparco sobrevivam – notavelmente gravadas no globo segurada sobre os ombros de uma escultura de mármore italiana do século II chamada Farnese Atlas – ela e suas cópias estavam perdidas até agora.

Os pesquisadores tiraram 42 fotografias de cada uma das nove páginas em uma ampla gama de comprimentos de onda antes de digitalizar as fotos com algoritmos de computador que captaram o texto escondido embaixo. Então, depois de ler as coordenadas dos fragmentos do mapa, os estudiosos usaram a mesma ideia da precessão planetária da Terra que surgiu do mapa para identificá-la. Invertendo o tempo, eles retrocederam a posição das estrelas da Corona Borealis de volta ao ano em que as luzes brilharam no céu no local exato descrito pela escrita oculta.

A data da posição original das estrelas foi em 129 a.C., em seguida os pesquisadores tiveram que descobrir quando a escrita foi feita. Ao datar os nove fólios de acordo com a paleografia – o estudo da identificação de pontos na história por seus distintos estilos de escrita – os estudiosos os situaram no século V ou VI d.C., sendo então cópias do catálogo de Hiparco que ainda estavam sendo usados ​​mais de 700 anos depois.

Ao comparar seu céu noturno com um manuscrito em latim medieval separado chamado Aratus Latinus, que há muito tempo se acredita conter uma cópia parcial do catálogo original de Hiparco, os pesquisadores confirmaram que as coordenadas do manuscrito de Aratus para as constelações do Dragão, Ursa Maior e Ursa Menor também foram catalogadas em 129 a.C., fornecendo evidências indiretas convincentes de que o fragmento recém-descoberto se originou da mesma fonte que o manuscrito.

“O novo fragmento deixa isso muito, muito mais claro”, disse Mathieu Ossendrijver, historiador de astronomia da Universidade Livre de Berlim, à Nature. “Este catálogo de estrelas que paira na literatura como uma coisa quase hipotética tornou-se muito concreto.”

Para continuar a investigação, os pesquisadores esperam melhorar suas técnicas de imagem e escanear mais o códice. A maioria dos 146 fólios do manuscrito são atualmente de propriedade do bilionário americano e fundador do Hobby Lobby, Steve Green, e estão exibidos em seu Museu da Bíblia em Washington, DC. Em 2021, o Hobby Lobby foi forçado a entregar 17.000 artefatos contrabandeados, originalmente saqueados do Iraque durante a Guerra do Iraque, às autoridades federais.

Além do próprio códice, os pesquisadores acreditam que páginas adicionais do catálogo de estrelas podem estar escondidas dentro dos mais de 160 palimpsestos do Mosteiro de Santa Catarina. Esforços anteriores já levaram à descoberta de textos médicos gregos anteriormente desconhecidos, que incluem instruções cirúrgicas, receitas de medicamentos e guias de plantas medicinais.