Medicina Nuclear: PET/CT no combate ao câncer

2
944

Quinhentos e noventa e seis mil novos casos de câncer é a estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) para o número de pessoas que serão acometidas pela doença entre 2016 e 2017. Independentemente do tipo de tumor, o diagnóstico preciso é fundamental para indicar a melhor intervenção e consequentemente aumentar as chances de cura, algo que é vital em um cenário com aumento de casos como o estimado.

Uma das ferramentas disponíveis hoje para isso é o PET/CT (sigla em inglês para tomografia por emissão de pósitrons), um dos principais avanços da medicina nuclear. A tecnologia utiliza substâncias radioativas (radiofármacos) e assume um papel essencial no combate ao câncer, obtendo maior resolução anatômica dos órgãos e tecidos humanos.

“Trata-se de um equipamento que produz imagens metabólicas e anatômicas, obtidas quase simultaneamente. Assim, essa ferramenta proporciona a imediata correlação anatômica dos achados, facilitando a identificação de doenças, bem como a diferenciação entre alterações benignas e malignas, definindo com precisão, por exemplo, o melhor local para uma biópsia”, conta o médico nuclear e diretor da clínica especializada MND Campinas, Celso Dario Ramos.

O método está entre o que há de mais avançado na medicina nuclear, sendo utilizado em especialidades como neurologia, cardiologia, oncologia e endocrinologia, entre outras.

O diagnóstico tem impacto na conduta terapêutica, de acordo com o modo como os médicos lidam com as doenças. Sendo assim, uma média de um terço dos tratamentos de casos oncológicos é alterado após a realização do exame, já que um dos benefícios do PET/CT é definir de forma precisa o estágio da doença no organismo. Isso ajuda no direcionamento do tratamento e, consequentemente, no alcance de melhores resultados e aumento da sobrevida.

“O PET/CT funde a imagem anatômica com a funcional e temos o local exato onde o tumor está, possibilitando a escolha do melhor tratamento, seja quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. À luz do conhecimento atual, não é mais possível praticar oncologia com elevada qualidade sem dispor dessa tecnologia”, conta o especialista.

Acesso da população

Atualmente, na saúde suplementar (planos de saúde), há a indicação para o exame PET, prevista em portaria, para oito casos: detecção de nódulo pulmonar solitário, câncer de mama metastático, câncer de cabeça e pescoço, melanoma, câncer de esôfago, tumor pulmonar para células não pequenas, linfoma e câncer colorretal.

“Muitas indicações importantes estão de fora. A lista não foi estendida para câncer de tireoide, colo do útero, testículo e ovário, entre outros, uma prática que já é comum em diversos países em todo o mundo. O Uruguai, nosso vizinho de América Latina, é um exemplo que contempla também outros tipos de câncer na saúde suplementar”, comenta.

Na saúde pública, porém, a realidade é outra. Apenas três indicações são ressarcidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS): câncer de pulmão de células não pequenas, câncer colorretal com metástase exclusivamente hepática com potencial ressecável e linfomas de Hodgkin e não Hodgkin.

“Seria necessário que essa lista de indicações fosse ampliada. Até o presente momento, não houve a decisão final do Ministério da Saúde (MS) de oferecer PET/CT aos pacientes mais carentes, como ocorre em diversos países, inclusive da América Latina”, finaliza o diretor da MND Campinas.

CONTINUAR LENDO

2
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
CaioThiago Julião Paiva Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Thiago Julião Paiva
Visitante
Thiago Julião Paiva

Triste é ter esse tipo de tecnologia e estar disponível para uma parcela diminuta da humanidade. Com a mercantilização da saúde, os convênios vetam – na maioria dos casos – tratamentos como esse. O que adianta o mundo evoluir, tecnologias surgirem e a humanidade não poder, em sua maioria, excetuando uma aristocracia, desfrutá-las? A Ciência precisa abandonar o seu status elitista.

Caio
Visitante
Caio

Isso não tem a ver com a ciência, ela cria e descobre coisas e o capitalismo impede que boa parte da população desfrute do que a ciência dá.