Pular para o conteúdo

Médicos descobrem agulha alojada no cérebro de mulher de 80 anos

Médicos descobrem agulha alojada no cérebro de mulher de 80 anos

Foi revelado na quarta-feira que uma mulher idosa no Extremo Oriente da Rússia viveu durante 80 anos com uma agulha de 2,5 centímetros de comprimento no cérebro, depois que os médicos fizeram a descoberta inesperada durante uma tomografia computadorizada.

Leia também Pacientes com COVID longa têm mais probabilidade de apresentar anormalidades em múltiplos órgãos

Os médicos acreditam que a mulher foi vítima de um infanticídio fracassado cometido por seus pais e disseram que não tentariam retirar a agulha por medo de piorar seu estado.

“Esses casos durante anos de fome não eram incomuns”, disse o departamento de saúde local na remota região russa de Sakhalin.

​Ele disse que seus pais provavelmente decidiram matar seu filho durante a Segunda Guerra Mundial, já que ela vivia com a agulha de três centímetros “desde o nascimento”.

Esse método era frequentemente usado para ocultar evidências do crime, disse.

A escassez de alimentos prevaleceu em toda a União Soviética durante a guerra e muitas pessoas viviam em extrema pobreza.

“A agulha penetrou no lobo parietal esquerdo, mas não teve o efeito pretendido – a menina sobreviveu”, disse o departamento de saúde local.

​Afirmou que o paciente nunca se queixou de dores de cabeça devido à lesão e não corria nenhum perigo.

“Sua condição está sendo monitorada pelo médico assistente”, disse.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de ScienceAlert