Microdoses de psicodélicos fazem você se sentir bem, mas o mesmo acontece com o placebo

0
336
Cogumelos Psilocybe cubensi, uma espécie de cogumelos psicodélicos usados ​​por alguns “microdosadores”. Créditos: Jahi Chikwendiu / The Washington Post via Getty Images.

Por Cathleen O’Grady
Publicado na Science

Pessoas que tomam pequenas quantidades de LSD, “cogumelos mágicos” e drogas semelhantes relatam uma série de benefícios, como maior criatividade e melhor bem-estar psicológico. Mas essas microdoses – normalmente menos de 10% da quantidade que causa uma verdadeira experiência psicodélica – realmente beneficiam a mente?

Essa é uma pergunta difícil de responder. Testes controlados por placebo são difíceis de realizar porque os psicodélicos são rigidamente regulamentados. Agora, os pesquisadores criaram uma solução alternativa criativa: eles recrutaram entusiastas da microdosagem para esconder seus medicamentos em cápsulas de gel e misturá-los com cápsulas vazias.

Resultado deste estudo “autocego”: a microdosagem levou a melhorias no bem-estar psicológico – mas o mesmo aconteceu com as cápsulas de placebo. “Os benefícios são reais”, disse o autor principal Balázs Szigeti, neurocientista do Imperial College London. “Mas eles não são causados ​​pelos efeitos farmacológicos da microdosagem”.

As descobertas, no entanto, são “as coisas menos interessantes sobre este estudo”, disse Noah Haber, um especialista em desenho de pesquisa da Universidade de Stanford. O método “muito, muito inteligente” de estudo autocego ultrapassa os limites do que pode ser investigado usando controles de placebo randomizados, disse ele.

Tirar o novo estudo do papel não foi fácil. Obter aprovação ética para inscrever voluntários que tomam psicodélicos foi um “processo longo e difícil”, disse Szigeti. E então ele teve que sair e encontrar esses voluntários, o que ele fez se aproximando de comunidades de microdosagem, dando palestras em sociedades psicodélicas e mantendo uma discussão do tipo “pergunte-me qualquer coisa” no Reddit. Szigeti finalmente conseguiu mais de 1.600 inscrições, mas quando os participantes em potencial perceberam que teriam que adquirir seus próprios psicodélicos, o interesse diminuiu e apenas 246 foram parar no experimento.

Também houve contratempos no procedimento de autocegueira. A abordagem incomum exigia que os participantes preparassem conjuntos de doses semanais de psicodélicos e cápsulas de placebo, agrupando-os em envelopes em branco marcados com códigos QR impressos do site do estudo e, em seguida, embaralhando os envelopes para disfarçar o conteúdo; os voluntários escanearam os códigos para obter instruções sobre quais envelopes escolher a cada semana.

Para garantir que as pílulas tenham a mesma sensação, os participantes do estudo que usaram cogumelos com psilocibina encheram suas cápsulas de placebo com substâncias como açúcar, por exemplo. Ainda assim, Szigeti disse que os arrotos provocados por “cogumelos” tornaram mais fácil para os participantes adivinharem quando eles pegaram cogumelos reais. Depois de descartar alguns dados, ele e seus colegas pediram aos voluntários que preparassem cápsulas de placebo com um cogumelo não psicodélico.

Mesmo depois de tudo isso, os participantes do estudo – especialmente aqueles que tomaram doses mais altas – às vezes ainda eram capazes de adivinhar se haviam tomado um placebo. Os cientistas puderam rastrear isso porque os voluntários relataram seu palpite após cada dose. (Alguns relataram sensações como problemas digestivos, formigamento muscular e ver cores diferentes como razões para suas suposições.)

Embora isso significasse que a autocegueira não era à prova de balas, o relatório teve a vantagem de fornecer aos pesquisadores outra verificação sobre se os supostos benefícios da microdosagem correspondiam às expectativas das pessoas.

No geral, Szigeti e seus colegas descobriram que as pessoas que pensaram ter tomado psicodélicos sentiram maior bem-estar e menor ansiedade do que aquelas que pensaram que haviam tomado placebo, independentemente do que realmente tomaram, como relatado esta semana na eLife.

Os resultados refletem as descobertas de um conjunto de pequenos estudos controlados por placebo, disse o pesquisador de psicodélicos da Universidade Johns Hopkins (EUA), Albert Garcia-Romeu, que não esteve envolvido com o trabalho. Mas o novo estudo era muito maior e tinha mais observações de longo prazo, disse ele. Ainda assim, ele acha que os resultados provavelmente serão controversos, porque os entusiastas da microdosagem podem não ser convencidos por descobertas que vão contra suas próprias experiências.

Haber também disse que o novo estudo vem com ressalvas. Os participantes eram livres para definir seu próprio regime de microdosagem, observa ele, o que significa que as doses e substâncias variavam. Os voluntários também podem não ter seguido perfeitamente as regras, disse ele, e os resultados de um grupo autosselecionado de defensores da microdosagem podem não generalizar para outros grupos de pessoas.

Szigeti e seus colegas estão planejando outro ensaio autocego aprimorado de microdosagem psicodélica que dará às pessoas ainda mais flexibilidade em seu esquema de dosagem, mas elas vão ser perguntadas sobre suas experiências com mais frequência ao longo do dia. Eles também esperam levar o método mais longe, estudando outras tendências, como o uso do óleo de canabidiol, e juntando-se a pesquisadores de nutrição para estudar o verdadeiro valor dos suplementos.

Este primeiro estudo é como uma pontuação de dois a zero no intervalo de um jogo de futebol, disse Szigeti: não é impossível que a microdosagem psicodélica possa voltar contra as probabilidades e mostrar que tem efeitos, mas “pelo que temos, o cenário pra ela não parece muito bom”.