Missão Kepler da NASA anuncia a descoberta de 715 novos mundos orbitando 305 estrelas

Concepção artística retrata sistemas planetários em trânsitos múltiplos, que são estrelas com mais de um planeta. Créditos: NASA.

A missão Kepler da NASA anunciou nesta quarta-feira a descoberta de 715 novos planetas. Esses mundos recentemente verificados, orbitam 305 estrelas, revelando sistemas de múltiplos planetas muito parecidos com nosso próprio Sistema Solar.

Quase 95% destes planetas são menores que Netuno, que é quase quatro vezes o tamanho da Terra. Esta descoberta marca um aumento significativo no número de planetas conhecidos de pequeno porte mais parecidos com a Terra dos exoplanetas previamente identificados – que são planetas fora do nosso Sistema Solar.

“A equipe de Kepler continua a surpreender e entusiasmar-nos com os seus resultados na caça de planetas”, disse John Grunsfeld, administrador associado da NASA’s Science Mission Directorate em Washington. “Os novos planetas e sistemas solares que foram identificados, prenunciam um grande futuro quando temos o James Webb Space Telescope no espaço para caracterizar os novos mundos”.

Desde a descoberta dos primeiros planetas fora do nosso Sistema Solar, cerca de duas décadas atrás, a verificação de planeta-a-planeta tem sido um processo trabalhoso. Agora, os cientistas possuem uma técnica (estatística) que pode ser aplicado a muitos planetas de uma só vez quando são encontrados em sistemas que abrigam mais de um planeta em torno da mesma estrela.

Para verificar esses planetas, uma equipe de pesquisa co-liderada por Jack Lissauer, cientista planetário na NASA’s Ames Research Center em Moffett Field, Califórnia, analisaram as estrelas com mais de um planeta em potencial, todos os quais foram detectados nos dois primeiros anos de observações de Kepler – maio de 2009 a março de 2011.

A equipe de pesquisa usou uma técnica chamada verificação pela multiplicidade, que se baseia, em parte, na lógica da probabilidade. Kepler observou 150.000 estrelas, e encontrou alguns milhares daqueles que são candidatos a planetas. Se os candidatos foram distribuídos aleatoriamente entre as estrelas de Kepler, apenas um punhado teria mais de um candidato a planeta. No entanto, Kepler observou centenas de estrelas que possuem vários candidatos a planetas. Através de um estudo cuidadoso da amostra, estes 715 novos planetas foram verificadas.

Esse método pode ser comparado ao comportamento que sabemos de leões e leoas. Em nosso imaginário, na savana os leões são as estrelas Kepler e as leoas são os candidatos a planetas. As leoas, às vezes, podem ser observadas agrupadas, enquanto os leões tendem a vaguear por conta própria. Se você ver dois leões, podem ser um leão e uma leoa ou podem ser dois leões. Mas se mais de dois grandes felinos estão reunidos, então é muito provável que seja um leão. Assim, através de multiplicidade a leoa pode ser fiavelmente identificada em grande parte da mesma forma que vários candidatos a planetas podem ser encontrados em torno da mesma estrela.

“Há quatro anos, Kepler começou uma série de anúncios das primeiras centenas, depois milhares de candidatos a planetas – mas eles eram apenas candidatos”, disse Lissauer. “Nós desenvolvemos um processo para verificar vários candidatos a planetas de uma só vez, deste modo foi relevado uma verdadeira mina de ouro de novos mundos”.

Estes sistemas de múltiplos planetas são um terreno fértil para o estudo de planetas individuais e a configuração chave para compreender os bairros planetários. Isto fornece pistas sobre a formação de planetas.

Quatro desses novos planetas são menos do que 2,5 vezes o tamanho da Terra e da órbita na zona habitável de seu sol, definido como o intervalo de distância de uma estrela onde a temperatura da superfície de um planeta em órbita pode ser adequada para a água líquida que dá vida.

Um desses novos planetas zona habitável, chamado Kepler-296f, orbita uma estrela da metade do tamanho e 5% mais brilhante que o nosso Sol. Kepler-296f é duas vezes o tamanho da Terra, mas os cientistas não sabem se o planeta é um mundo gasoso, com uma espessura de hidrogênio em hélio, ou se é um mundo de água cercada por um oceano profundo.

“A partir deste estudo, aprendemos que os planetas nestes sistemas múltiplos são pequenos e suas órbitas são planas e circulares – assemelhando-se panquecas – não a sua visão clássica de um átomo”, disse Jason Rowe, pesquisador do Instituto SETI em Mountain View, Califórnia, e co-líder da pesquisa. “Quanto mais exploramos mais descobrimos traços familiares de nós mesmos entre as estrelas que nos fazem lembrar de casa”.

Esta última descoberta traz a contagem confirmada de planetas fora do nosso Sistema Solar – quase 1.700. Enquanto nós continuamos a chegar em direção as estrelas, cada descoberta nos leva a um passo mais perto de uma compreensão mais precisa do nosso lugar na galáxia. [1]

Lançado em março de 2009, Kepler é a primeira missão da NASA para encontrar planetas do tamanho da Terra potencialmente habitáveis. As descobertas incluem mais de 3.600 candidatos a planetas, dos quais 961 foram confirmados como mundos de “boa-fé”.

Os papers serão publicados no dia 10 de março na The Astrophysical Journal e estarão disponíveis aqui. [2] [3]

Referências

[1] NASA’s Kepler Mission Announces a Planet Bonanza, 715 New Worlds
[2] Validation of Kepler’s Multiple Planet Candidates. II: Refined Statistical Framework and Descriptions of Systems of Special Interest
[3] Validation of Kepler’s Multiple Planet Candidates. III: Light Curve Analysis & Announcement of Hundreds of New Multi-planet Systems

CONTINUAR LENDO