Pular para o conteúdo

Mistério da ‘Cachoeira de Sangue’ é finalmente resolvido

sangue

Em um mundo pálido de gelo e neve, a última cor que você espera ver no horizonte é o vermelho sangue.

Em 1911, durante uma expedição britânica à Antártida, os pesquisadores ficaram chocados ao notar uma geleira ‘sangrando’ para um lago coberto de gelo.

A cachoeira vermelha é conhecida como Blood Falls, e os especialistas levaram mais de um século para descobrir o que realmente está causando a estranha coloração.

Quando uma equipe de cientistas americanos coletou amostras da língua envermelhada da geleira Taylor em novembro de 2006 e meados e final de novembro de 2018 e analisou o conteúdo usando poderosos microscópios eletrônicos, eles pegaram o verdadeiro culpado em flagrante.

Embora muitos estudos tenham sido conduzidos sobre a química e os micróbios que vivem vazando das Cataratas de Sangue da Antártica, uma análise completa de sua composição mineralógica ainda não havia sido realizada. Usando uma série de equipamentos analíticos, os pesquisadores descobriram algumas surpresas que ajudaram a explicar melhor a icônica tonalidade vermelha.

“Assim que olhei para as imagens do microscópio, notei que havia essas pequenas nanoesferas e elas eram ricas em ferro”, explica o cientista de materiais Ken Livi, da Universidade Johns Hopkins.

As partículas minúsculas vêm de micróbios antigos e têm um centésimo do tamanho dos glóbulos vermelhos humanos. Elas são altamente abundantes nas águas derretidas da Geleira Taylor, que recebeu o nome do cientista britânico Thomas Griffith Taylor, que notou pela primeira vez as Cataratas de Sangue na expedição de 1910 a 1913.

Juntamente com o ferro, as nanoesferas também contêm silício, cálcio, alumínio e sódio, e essa composição única faz parte do que torna a água salgada e subglacial vermelha ao deslizar da língua da geleira e encontrar um mundo de oxigênio, luz solar e calor pela primeira vez em muito tempo.

“Para ser um mineral, os átomos devem estar dispostos em uma estrutura cristalina muito específica”, explica Livi.

“Essas nanoesferas não são cristalinas, então os métodos usados ​​anteriormente para examinar os sólidos não as detectaram”.

sangue

O sangue cai na geleira Taylor. (Elizabeth Mockbee)

A geleira Taylor, na Antártida, abriga uma antiga comunidade microbiana centenas de metros sob seu gelo, que evoluiu isoladamente por milênios, ou possivelmente até milhões de anos.

Como tal, é um ‘playground’ útil para astrobiólogos, esperando descobrir formas de vida escondidas em outros planetas também.

Mas as novas descobertas sugerem que, se robôs como os Rovers em Marte não tiverem o equipamento certo a bordo, eles podem não ser capazes de detectar todas as formas de vida presentes sob os corpos gelados de um planeta.

O equipamento espectroscópico usado para identificar as nanoesferas no atual estudo, por exemplo, não pôde ser levado para a Antártica. Em vez disso, as amostras tiveram que ser enviadas para laboratórios no exterior.

sangue

Um esquema de Blood Falls e suas comunidades microbianas subglaciais. ( Zina Deretsky / US National Science Foundation / Domínio público / Wikimedia Commons )

As descobertas apóiam uma hipótese anterior, que sugere que a razão pela qual os cientistas ainda não detectaram vida em Marte é porque a tecnologia atual nem sempre consegue identificar as assinaturas da vida, mesmo quando um rover passa por cima delas.

Se um rover de Marte pousasse na Antártida agora, por exemplo, não seria capaz de detectar as nanoesferas microbianas que transformam o trecho final da Geleira Taylor em um riacho vermelho.

“Nosso trabalho revelou que a análise conduzida pelos veículos rover é incompleta na determinação da verdadeira natureza dos materiais ambientais nas superfícies do planeta”, disse Livi.

“Isto é especialmente verdadeiro para planetas mais frios como Marte, onde os materiais formados podem ser nanométricos e não cristalinos. Consequentemente, nossos métodos para identificar esses materiais são inadequados.”

Infelizmente, atualmente não é possível conectar um microscópio eletrônico a um veículo espacial de Marte. Esses dispositivos são simplesmente muito volumosos e famintos por energia, o que significa que amostras precisarão ser resgatadas de Marte para a Terra se realmente quisermos estudá-las em busca de evidências nanoscópicas de vida.

O estudo foi publicado na revista Astronomy and Space Science.

Por Carly Cassella
Publicado no ScienceAlert

Brendon Gonçalves

Brendon Gonçalves

Sou um nerd racionalista, e portanto, bastante curioso com o que a Ciência e a Filosofia nos ensinam sobre o Universo Natural... Como um autodidata e livre pensador responsável, busco sempre as melhores fontes de conhecimento, o ceticismo científico é meu guia em questões epistemológicas... Entusiasta da tecnologia e apreciador do gênero sci-fi na arte, considero que até mesmo as obras de ficção podem ser enriquecidas através das premissas e conhecimentos filosóficos, científicos e técnicos diversos... Vida Longa e Próspera!