Moléculas orgânicas foram confirmadas na cratera Jezero em Marte

0
296
A cratera Jezero vista de cima pelo Mars Express Orbiter. Créditos: ESA / DLR / FU-Berlin.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

Nem sequer passou um ano inteiro em Marte, e o robô Perseverance da NASA está fazendo descobertas surpreendentes excelentes.

Em meio a uma série de descobertas anunciadas esta semana na Reunião de Outono da União de Geofísica dos Estados Unidos, cientistas revelaram que a cratera Jezero se formou de magma vulcânico derretido – e que moléculas orgânicas foram descobertas em rochas e poeira no chão da cratera.

Isso não é de forma alguma evidência de vida em Marte. Os compostos orgânicos são simplesmente aqueles que contêm ligações de carbono-hidrogênio e podem ser formados por uma série de processos não biológicos. De fato, compostos orgânicos já foram descobertos em Marte antes, tanto pelo rover Curiosity quanto pelo orbitador Mars Express.

Porém, a descoberta sugere que as rochas de Marte podem preservar bem esses compostos, o que, por sua vez, sugere que o material orgânico biológico também pode ser preservado. E isso é muito emocionante.

“O Curiosity também descobriu substâncias orgânicas em seu local de pouso dentro da cratera Gale”, disse o cientista planetário Luther Beegle do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, no sul da Califórnia. A detecção foi feita usando um novo instrumento no Perseverance chamado Scanning Habitable Environments with Raman & Luminescence for Organics & Chemicals (na tradução livre: Escaneamento de Ambientes Habitáveis com Raman e Luminescência para Orgânicos e Químicos), ou SHERLOC para abreviar.

“O que o SHERLOC adiciona à história é sua capacidade de mapear a distribuição espacial de orgânicos dentro das rochas e relacionar esses orgânicos aos minerais encontrados lá”, explicou Beegle. “Isso nos ajuda a entender o ambiente em que os orgânicos se formaram. Mais análises precisam ser feitas para determinar o método de produção dos orgânicos identificados”.

O Perseverance pousou no planeta vermelho em fevereiro, em uma região chamada Cratera Jezero. Acredita-se que este lugar tenha sido inundado com água e é rico em minerais de argila – características de vital importância para a missão do Perseverance. Isso porque, pela primeira vez em uma expedição a Marte, o rover foi encarregado de procurar por sinais de vida antiga; em nossa experiência terrestre, é provável que ocorra perto da água.

Em pela primeira vez também, o rover está equipado com 43 tubos nos quais irá depositar amostras geológicas de Marte, para serem recuperadas e devolvidas à Terra em uma missão futura chamada Mars Sample Return. Claro, essas amostras serão limitadas, então o Perseverance também está equipado com um conjunto de instrumentos científicos para realizar análises in situ.

O instrumento SHERLOC, por exemplo, foi capaz de detectar uma combinação de minerais orgânicos na cratera Jezero. Não estavam apenas nas rochas que o rover raspou com o propósito de estudar seu conteúdo interno, mas na poeira que cobriu o fundo da cratera.

Outro dos instrumentos do Perseverance, o Instrumento Planetário para Litoquímica de Raios-X (PIXL), também permitiu aos cientistas aqui na Terra aprender a proveniência do chão rochoso na Cratera Jezero. Após coletar uma amostra de núcleo em uma região apelidada de “Brac”, os dados do PIXL mostraram claramente a presença de cristais de olivina embutidos em cristais de piroxênio.

Aqui na Terra, essa configuração mineral é de origem ígnea, sugerindo que o fundo da cratera Jezero se formou de magma quente.

“Um bom estudante de geologia dirá que essa textura indica a rocha formada quando os cristais cresceram e se assentaram em um magma passando por resfriamento lento – por exemplo, um fluxo de lava espesso, lago de lava ou câmara de magma”, disse o geoquímico Ken Farley do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“A rocha foi então alterada várias vezes pela água, tornando-se um verdadeiro tesouro que permitirá aos futuros cientistas datar os acontecimentos em Jezero, compreender melhor o período em que a água era mais comum na sua superfície e revelar o início da história do planeta. O Mars Sample Return terá muita coisa para escolhermos analisar primeiro!”

Podemos ter de esperar um pouco por isso; nenhuma data de lançamento foi definida atualmente para Mars Sample Return, e é pelo menos uma viagem de ida e volta de um ano a Marte, assumindo que tudo corra bem, sem contar o tempo gasto em Marte pegando os tubos de amostra do Perseverance.

Mesmo com instrumentação limitada, no entanto, os dados que o Perseverance está enviando para casa são inestimáveis ​​para os cientistas de Marte, tanto agora quanto para o planejamento de missões futuras. E os cientistas estão ansiosos para colocar as mãos em uma rocha verdadeira de Marte, relativamente recém colhida, para complementar os estudos dos meteoritos marcianos que podem ter sido alterados em sua jornada à Terra.

“Quando essas amostras forem devolvidas à Terra, serão uma fonte de investigação e descoberta científica por muitos anos”, disse Beegle.