Não são apenas os humanos. Pardais foram vistos usando medicina preventiva

0
85
Um pardal vermelho (Créditos: ePhotocorp/Getty Images)

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

É justo dizer que a medicina é uma das maiores conquistas da humanidade. De encontrar plantas que podem diminuir a dor ou uma infecção até a produção de várias vacinas altamente eficazes em menos de 12 meses para um vírus totalmente novo, podemos estar muito orgulhosos de nossas conquistas como espécie.

Mas podemos não ser a única espécie que sabe certas coisas da natureza que pode ajudar a tratar nossos males.

Um novo estudo apresentou a ideia de que os pardais vermelhos (Passer cinnamomeus) na China estão usando folhas de absinto (Artemisia verlotorum) em seus ninhos como um medicamento preventivo, para reduzir parasitas e ajudar seus bebês a crescerem.

A conclusão de que os animais podem usar plantas medicinais em seu benefício não é necessariamente nova, elefantes grávidas no Quênia comem uma folha específica para induzir o nascimento, enquanto muitos outros mamíferos usam plantas medicinais para se automedicar – às vezes para prevenir doenças ou simplesmente para se sentir melhor uma doença.

Mas ainda é bastante surpreendente que um pequeno pardal saiba que algumas plantas são mais importantes do que outras para a proteção contra doenças.

“Na China, os pardais vermelhos incorporam folhas de absinto em seus ninhos na mesma época em que a população local pendura absinto em suas portas como um costume tradicional durante o Festival do Barco do Dragão”, escreveram os pesquisadores em seu novo estudo, liderado pelo ecologista Canchao Yang da Universidade Normal de Hainan.

“A crença de que esse comportamento confere proteção contra problemas de saúde é apoiada pela descrição de compostos antiparasitários no absinto. Foi sugerido que a incorporação de folhas frescas de absinto em ninhos pode ter uma função semelhante para pardais.”

Um ninho de pardal vermelho com absinto. (Crédito: Yang et al., Current Biology, 2020)

Para tentar provar isso, a equipe montou 48 pares de caixas-ninho, um par com 5 gramas de absinto e outro com 5 gramas de bambu.

Assim que os ninhos começaram a serem ocupados por pardais vermelhos, os pesquisadores também adicionaram mais absinto, mais bambu ou não colocaram nada a cada dia, e pesaram quanta absinto os próprios pardais traziam para o ninho.

“Usando uma série de experimentos comportamentais, mostramos que os pássaros procuram ativamente locais de nidificação próximos ao absinto disponível e reabastecem os ninhos com folhas de absinto frescas colhidas com base apenas no cheiro das folhas”, diz o ecologista William Feeney, da Universidade Griffith na Austrália.

“Os ninhos contendo folhas de absinto tinham menor carga de parasitas. Ao diminuir o número de parasitas, como ácaros, os pardais que adicionam mais folhas de absinto ao ninho produzem filhotes mais pesados ​​e saudáveis.”

Agora, é importante notar que não podemos realmente dizer se os próprios pardais sabem que o absinto é bom para seus bebês. Não é como se pudéssemos pedir a eles, e pode haver algum outro motivo para eles coletarem.

Talvez mais pardais que gostaram do cheiro, usaram as folhas e, portanto, sobreviveram para transmitir seus genes semelhantes ao cheiro de absinto.

Mas a pesquisa é uma evidência mais sólida de que não somos os únicos que usam plantas (e outras coisas) para fins medicinais.

“Nossos resultados indicam que os pardais vermelhos, como os humanos, usam o absinto como um remédio fitoterápico preventivo para proteger seus filhos contra problemas de saúde”, disse Feeney.

“É preciso saber agora quem está imitando quem”.

O artigo foi publicado na Current Biology.