Níveis de radiação de Chernobyl aumentam 20 vezes após intensos conflitos ao redor da instalação

A radiação gama aumentou 20 vezes seus níveis habituais na área.

0
307
A instalação de Chernobyl foi palco de intensos conflitos na quinta-feira (24 de fevereiro). Créditos: Sherbak Photo / Shutterstock.

Por Ben Turner
Publicado na Live Science

A usina nuclear de Chernobyl e seus arredores estão mostrando níveis de radiação elevados após intensos conflitos entre tropas ucranianas e russas na região, disseram autoridades ucranianas na sexta-feira (25 de fevereiro).

Dados do sistema automatizado de monitoramento de radiação da zona de exclusão de Chernobyl mostram que a radiação gama aumentou vinte vezes acima dos níveis usuais em vários pontos de observação, que funcionários da agência nuclear ucraniana atribuíram à poeira radioativa lançada pelo movimento de equipamentos militares pesados ​​na região. área.

A extinta usina nuclear de Chernobyl está sob ocupação de soldados russos desde quinta-feira (24 de fevereiro), depois que o presidente russo Vladimir Putin lançou uma invasão em larga escala da Ucrânia. Trabalhadores da instalação, estacionados lá para monitorar e manter os níveis de radiação dentro de limites seguros, foram feitos reféns pelas tropas russas, de acordo com Anna Kovalenko, especialista militar ucraniana.

“Os funcionários da estação estão sendo mantidos como reféns. Isso ameaça a segurança não apenas da Ucrânia, mas também de uma parte significativa da Europa”, escreveu Kovalenko no Facebook.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse em uma coletiva de imprensa na quinta-feira (24 de fevereiro) que o governo Biden estava “indignado” com relatos de tropas russas mantendo como reféns funcionários da usina de Chernobyl e exigiu a libertação destes. Ela alertou que a ação “poderia derrubar os esforços rotineiros do serviço civil necessários para manter e proteger as instalações de resíduos nucleares”.

Como um dos lugares mais radioativos do mundo, grandes partes da zona de exclusão de Chernobyl foram fechadas desde o colapso desastroso da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Naquele ano, duas enormes explosões dentro do reator da usina estouraram suas 1.800 toneladas como se fosse nada, cobrindo os cerca de 2.600 quilômetros quadrados com poeira radioativa e pedaços de reator. Após a evacuação e a extinção do incêndio nuclear – que custou a vida de muitos bombeiros – o reator foi selado e a área considerada inabitável por humanos pelos próximos 24.000 anos.

Os intensos conflitos ao redor da usina na quinta-feira (24 de fevereiro) levaram a preocupações de que munições perdidas pudessem acidentalmente perfurar as duas camadas de proteção do reator explodido – consistindo em uma nova estrutura externa de confinamento seguro e um “sarcófago” de concreto interno – e liberar o material radioativo mortal confinado.

Em uma declaração contraditória, Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa russo, disse que a radiação ao redor da usina estava dentro dos níveis normais e que as forças russas estavam trabalhando com o pessoal das instalações para garantir a segurança da área.

Oleksiy Arestovych, conselheiro do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, acredita que á area de Chernobyl foi ocupada como parte de uma tática de “possível chantagem” contra o Ocidente.

“Chernobyl foi tomada e acho que eles vão chantagear o Ocidente. O Gabinete do Presidente está preparando uma resposta a uma possível chantagem por meio de Chernobyl”, disse Arestovych em comunicado.

O local, que fica a apenas 97 quilômetros ao norte da capital ucraniana Kiev, fica em uma rota de invasão direta entre Kiev e o ponto de entrada norte das forças russas para a Ucrânia na fronteira bielorrussa.

Claire Corkhill, professora de degradação de material nuclear da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, escreveu no Twitter que a radiação gama ao redor da usina de Chernoybl “parece ter aumentado cerca de 20 vezes em comparação com alguns dias atrás”. No entanto, deve-se ter cuidado “para não interpretar isso de forma exagerada nesta fase”, disse ela.

“Isso parece ser baseado em um único ponto de dados”, acrescentou Corkhill em um tweet separado. “O que é intrigante é que o nível de radiação aumentou principalmente em torno das principais rotas de entrada e saída da zona de exclusão de Chernobyl, bem como do reator. Isso tenderia a sugerir que o aumento do movimento de pessoas ou veículos pode ter perturbado a poeira radioativa”.

O combustível altamente radioativo dentro do reator de Chernobyl está enterrado nas profundezas da usina extinta e é improvável que seja liberado a menos que o reator seja diretamente visto como alvo, disse Corkhill.

Os conflitos em torno da usina foram apenas uma pequena parte de uma invasão russa muito mais ampla da Ucrânia, a maior em uma nação europeia desde a Segunda Guerra Mundial. À medida que as forças russas se aproximam de Kiev, o Ministério da Defesa ucraniano escreveu em sua página no Twitter, pedindo aos cidadãos que fiquem em casa, informem os militares ucranianos sobre os movimentos do equipamento militar russo e preparem coquetéis molotov em preparação para a guerra urbana.