Pular para o conteúdo

Nova tecnologia pode explorar um suprimento virtualmente ilimitado de água doce

Traduzido por Julio Batista
Original de David Nield para o ScienceAlert

Não há água doce suficiente circulando no planeta Terra, e é um problema que deve piorar nos próximos anos.

Para atender à demanda crescente, reciclar e restringir nossa água só nos levará até certo ponto. Os cientistas precisarão encontrar novas fontes desse líquido que sustenta a vida para atender às nossas necessidades.

Uma fonte atualmente inexplorada é o vapor de água acima dos oceanos, que é quase ilimitado no que diz respeito aos suprimentos. Um novo estudo descreve como as estruturas de coleta de água podem ser usadas para converter esse vapor em água potável.

“Eventualmente, precisaremos encontrar uma maneira de aumentar a oferta de água doce, pois a conservação e a água reciclada de fontes existentes, embora essenciais, não serão suficientes para atender às necessidades humanas”, disse o engenheiro civil e ambiental Praveen Kumar, da Universidade de Illinois de Urbana-Champaign, EUA.

“Achamos que nosso método recém-proposto pode fazer isso em larga escala”.

Ilustração de como um sistema de extração de vapor de água do oceano se pareceria. (Créditos: Praveen Kumar/Rahman et al., Scientific Reports. 2022)

Medindo cerca de 210 metros de largura por 100 metros de altura – aproximadamente a altura de um grande navio de cruzeiro – a estrutura proposta imita o ciclo natural da água na forma como transporta, condensa e coleta água.

O ar úmido seria transportado logo acima da superfície do oceano para uma costa próxima, onde os sistemas de resfriamento poderiam condensar o vapor d’água em um líquido. Tudo isso funcionaria com energia eólica ou solar renovável, disse a equipe.

Embora os pesquisadores não tenham fornecido detalhes de seu projeto, eles analisaram os números da quantidade de umidade extraível em 14 locais de estudo em todo o mundo. Apenas uma dessas instalações poderia atender às necessidades diárias médias de água potável para cerca de 500.000 pessoas.

Isso poderia ser um grande acréscimo às usinas de dessalinização que já operam em muitos lugares do mundo, para remover os sais dissolvidos da água do mar.

“Isso não foi feito antes, e acho que é porque os pesquisadores estão tão focados em soluções baseadas no nível do mar – mas nosso estudo mostra que outras opções existem, de fato”, disse a cientista atmosférica Francina Dominguez, da Universidade de Illinois de Urbana-Champaign.

A água doce – necessária para beber, tomar banho e regar plantas – representa apenas 3% da água do mundo, a maior parte da qual é muito poluída ou inacessível para uso conveniente. Embora tenhamos visto vários projetos promissores que podem aumentar nosso acesso a fontes de água doce, ainda estamos esperando por uma tecnologia que possa realmente fazer a diferença em escala.

A escassez de água segura e potável muitas vezes atinge mais duramente as pessoas mais pobres do mundo, com repercussões que se estendem à saúde, segurança e renda. Algo como o sistema proposto aqui tem o potencial de fazer uma grande diferença sem danificar os ecossistemas ou o ambiente ao redor.

Como parte de seu estudo, os pesquisadores também consideraram as possíveis consequências das mudanças climáticas e áreas secas ficando mais secas – mas concluíram que seu sistema ainda seria sustentável mesmo com o aquecimento global.

“As projeções climáticas mostram que o fluxo de vapor oceânico só aumentará com o tempo, proporcionando ainda mais abastecimento de água doce”, disse Rahman. “Portanto, a ideia que estamos propondo será viável sob as mudanças climáticas.”

“Isso fornece uma abordagem muito necessária e eficaz para a adaptação às mudanças climáticas, particularmente para populações vulneráveis ​​que vivem em regiões áridas e semiáridas do mundo”.

A pesquisa foi publicada na revista Scientific Reports.