Novas evidências sugerem que o oceano da lua Europa entra em “contato” com a superfície

Por Phil Plait
Publicado na Bad Astronomy

O astrônomo Mike Brown , encontrou fortes indícios de que o oceano na lua de Júpiter, Europa, entra em contato com a superfície. A água do oceano, pode ter se misturado com a superfície gelada, tornando possível compreender a sua composição, sem ter que cavar através de dezenas de quilômetros de gelo sólido.

O oceano de Europa é tido como um habitat ideal para a vida por décadas. Esta notícia não é sobre evidência de vida, porém, prova que a superfície de gelo e o oceano estão em contato “íntimo”

Mas, primeiro, você precisa entender Europa. É uma bola de gelo de 3120 km (1940 milhas) de diâmetro, cerca de um quarto do tamanho da Terra, aproximadamente o mesmo tamanho que a nossa Lua. Há muitas evidências de que tem um oceano global de cerca de 100 quilômetros de profundidade sob a sua superfície gelada: Por um lado, as fotos tiradas por sondas mostram que a superfície é dividida como blocos de gelo. Há também muito poucas crateras, ou seja, a superfície é jovem, constantemente ressurgiram por algum tipo de erosão – provavelmente mudando, moagem de blocos de gelo que flutuam no oceano. Há razões mais técnicas para pensar que grandes quantidades de água existe sob a superfície, bem como, para a maioria dos astrônomos estão muito certo sobre isso.

A espaçonave Galileo viu rachaduras e fissuras na região "caótica" de Europa, a evidência de um oceano líquido sob a superfície. Créditos da imagem: NASA / JPL / Galileo.
A espaçonave Galileo viu rachaduras e fissuras na região “caótica” de Europa, uma evidência de um oceano líquido sob a superfície.
Créditos da imagem: NASA / JPL / Galileo.

A água é mantida em estado líquido por aquecimento através da força da maré, e dos efeitos gravitacionais de  Júpiter. Mas que tipo de água é? Salgado, ácido ou puro? Uma dica é que a densidade de Europa é mais do que uma rocha, indicando que ela tem um núcleo denso. Se você colocar alguma pedra na água, ela vai se dissolver, dando origem a alguns produtos químicos. Isso faz com que seja improvável que o oceano seja de água doce.

Os cientistas detectaram substâncias químicas na superfície congelada de Europa que só poderia vir do oceano abaixo, implicando que os dois estão em contato e potencialmente abrindo uma janela em um ambiente que pode ser capaz de suportar a vida como a conhecemos.

“Agora temos provas de que o oceano na Europa não é isolado — que o oceano e a superfície ‘falam’ uns aos outros e trocam produtos químicos,” Mike Brown, pesquisador da Caltech em Pasadena, disse em um comunicado.

“Isso significa que a energia pode estar indo para o oceano, o que é importante em termos de possibilidades de vida lá,” acrescentou Brown. “Também significa que se você gostaria de saber o que está no oceano, pode apenas ir à superfície e raspar alguns fragmentos.”

Estudando o escudo de gelo em Europa

Brown e o co-autor Kevin Hand, do laboratório de propulsão a jato da NASA (JPL) em Pasadena, examinaram a superfície de Europa com o poderoso Keck II Telescope no Havaí, que ostenta um sistema de óptica adaptativa para compensar o desfoque causado pela atmosfera da Terra.

Europa está preso com Júpiter, ou seja, um hemisfério da lua sempre leva em sua órbita, enquanto o outro sempre trilha. Keck detectou um misterioso sinal no lado direito de Europa que nenhum outro instrumento tinha visto antes, disseram os pesquisadores.

“Agora temos o melhor espectro desta coisa no mundo”, disse Brown. “Ninguém sabia que havia este pequeno ‘mergulho’ no espectro, porque ninguém tinha uma boa resolução para ampliar antes.”

Depois de muita experimentação no laboratório, Brown e Hand determinaram que o sinal espectroscópico foi causado por um sal de sulfato de magnésio chamado epsomite.

“Magnésio não deve ser na superfície de Europa a menos que ele esteja vindo do oceano,” disse Brown. “Então isso significa que a água do oceano entra em contato com a superfície, e o material na superfície presumivelmente entra a água do oceano.

Um oceano de terra, como?

Mas os astrônomos não acham que o oceano de Europa, que se acredita ter cerca de 62 milhas (100 quilômetros) de profundidade, seja rico em sulfato de magnésio.

Isso é porque o sinal epsomite vem apenas do lado à direita de Europa, que é soprado com enxofre expelido pela Lua vulcânica de Júpiter Io. Se o sulfato de magnésio estava borbulhando diretamente da superfície até o oceano, seu sinal já ter sido visto de frente.

Sobre o oceano de Europa, Brown e Hand dizem, que pode ser apenas um dos dois tipos — ricos em sulfato ou ricos em cloro. Com o sulfato (rico) fora da mesa, a fonte de magnésio oceânica é provável que seja de cloreto de magnésio (que é quebrado em pedaços na superfície pela radiação, levando à formação de sulfato de magnésio do lado direito (traseiro) da lua após exposição a enxôfre de Io).

Outros sais de cloreto, provavelmente, na água, bem como, o cloreto de sódio e o cloreto de potássio – acrescentaram os cientistas. Na verdade, o trabalho anterior de Brown mostrou que o potássio, e o sódio atômico estão presentes na fina atmosfera de Europa.

A composição do oceano de Europa, portanto, pode ser semelhante dos mares da Terra, disseram os pesquisadores.

“Se você puder nadar para baixo, no oceano de Europa, e prová-la (o gosto da água), ela teria apenas um gosto de sal velho (normal),” disse Brown.

Se for esse o caso, Europa tornaria ainda mais intrigante para os cientistas, para a busca por sinais de vida fora de nosso planeta.

“Se nós aprendemos alguma coisa sobre a vida na Terra, é que há água líquida, é geralmente vida,” disse Hand. “E é claro o nosso oceano é um oceano salgado agradável. Talvez, o salgado oceano de Europa também é um lugar maravilhoso para a vida. “

O novo estudo foi aceito para publicação no Astronomical Journal.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorIdade do Universo
Próximo artigoNASA e Rovio Criam Exposição Interativa Para Atrair Jovens
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista, especialista em Segurança da Informação e Hacker Ético | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificado em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificado em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
  Subscribe  
Notify of