O maior organismo do mundo está sendo devorado lentamente

0
29
Contorno aéreo de Pando. Créditos: Lance Oditt / Friends of Pando.

Por Richard Elton Walton
Publicado no The Conversation

Nas montanhas Wasatch, no oeste dos Estados Unidos, em encostas acima de um lago alimentado por nascentes, habita um único organismo gigante que fornece todo um ecossistema do qual as plantas e os animais dependem há milhares de anos.

Encontrado em meu estado natal, Utah, “Pando” é uma área de 106 acres de clones de álamos-trêmulos.

Embora pareça uma floresta de árvores individuais com troncos brancos maravilhosos e pequenas folhas que tremulam à mais leve brisa, Pando (latim para “Eu me espalhei”) é na verdade 47.000 hastes geneticamente idênticas que surgem de uma rede de raízes interconectadas.

Esse único indivíduo genético pesa cerca de 6 milhões de toneladas. Em massa, é o maior organismo individual da Terra.

Contorno aéreo de Pando, com o Fish Lake em primeiro plano. Créditos: Lance Oditt / Friends of Pando.

Os álamos, também conhecidos como árvores de Aspen, tendem a formar colônias clonais em outros lugares, mas o que torna Pando interessante é seu tamanho enorme. A maioria das colônias clonais de álamos-trêmulos na América do Norte são muito menores, com os do oeste dos Estados Unidos tendo em média apenas 3 acres.

Pando existe há milhares de anos, potencialmente até 14.000 anos, apesar da maioria dos caules viver apenas por cerca de 130 anos. Sua longevidade e isolamento significam todo um ecossistema de 68 espécies de plantas e muitos animais evoluíram e foram mantidos sob sua sombra.

Todo este ecossistema depende do álamo permanecer saudável e ereto. Mas, embora Pando seja protegido pelo Serviço Florestal Nacional dos Estados Unidos e não corra o risco de ser derrubado, ele corre o risco de desaparecer devido a vários outros fatores.

Os veados estão comendo as ‘árvores’ mais novas

O sobrepastoreio de veados e alces é uma das maiores preocupações. Lobos e pumas costumavam controlar seu número, mas os rebanhos agora são muito maiores devido à perda desses predadores.

Veados e alces também tendem a se reunir em Pando, pois a proteção que a floresta recebe significa que eles não correm o risco de serem caçados ali.

Veados comendo brotos de Pando. Créditos: Lance Oditt / Friends of Pando.

Conforme as árvores mais velhas morrem ou caem, a luz atinge o solo da floresta, o que estimula o crescimento de novos troncos clonais, mas quando esses animais comem os topos dos troncos recém-formados, eles morrem. Isso significa que em grandes porções de Pando há pouco crescimento novo.

A exceção é uma área que foi cercada algumas décadas atrás para remover árvores mortas. Esta área cercada excluiu alces e veados e viu a regeneração bem-sucedida de novos caules clonais, com crescimento denso conhecido como “jardim de bambu”.

Doenças e mudanças climáticas

Os caules mais velhos em Pando também estão sendo afetados por pelo menos três doenças: cancro da casca de fuligem, mancha foliar e doença fúngica dos poliporos.

Embora doenças de plantas tenham se desenvolvido e prosperado em álamos-trêmulos por milênios, não se sabe qual pode ser o efeito de longo prazo sobre o ecossistema, dado que há uma falta de novo crescimento e uma lista cada vez maior de outras pressões sobre o gigante clonal.

O que ameaça crescimento mais rápido são as mudanças climáticas. Pando surgiu após a última era glacial ter passado e tem enfrentado um clima bastante estável desde então.

Pando sobreviveu a doenças, caça e colonização. Créditos: Lance Oditt / Friends of Pando.

De fato, ele habita uma região alpina cercada por deserto, o que significa que não é estranho às altas temperaturas ou à seca. Mas as mudanças climáticas ameaçam o tamanho e a vida útil da árvore, bem como de todo o ecossistema que ela hospeda.

Embora nenhum estudo científico tenha se concentrado especificamente em Pando, as colônias de álamos têm lutado com as pressões relacionadas às mudanças climáticas, como a redução do fornecimento de água e um clima mais quente no início do ano, tornando mais difícil para as árvores formarem novas folhas, o que levou ao declínio na cobertura.

Com mais competição por recursos hídricos cada vez menores (o Fish Lake nas proximidades está fora do alcance do sistema radicular da árvore), as temperaturas devem continuar subindo para níveis recordes no verão e, na ameaça de incêndios florestais mais intensos, Pando certamente terá dificuldade para ajustar-se a essas condições de mudança rápida enquanto mantém seu tamanho.

Os próximos 14.000 anos

Ainda assim, Pando é resiliente e já sobreviveu às rápidas mudanças ambientais, especialmente quando os colonos europeus começaram a habitar a área no século 19 ou após o surgimento das atividades recreativas no século 20. Já lidou com doenças, incêndios florestais e pastagem antes e continua sendo o maior organismo cientificamente documentado do mundo.

Apesar de todos os motivos de preocupação, há esperança, pois os cientistas estão nos ajudando a desvendar os segredos da resiliência de Pando, enquanto grupos conservacionistas e o serviço florestal dos EUA estão trabalhando para proteger esta árvore e seu ecossistema associado. E um novo grupo chamado Friends of Pando tem como objetivo tornar a árvore acessível a praticamente todos por meio de gravações de vídeo em 360 graus.

No verão passado, quando estava visitando minha família em Utah, aproveitei a oportunidade para visitar Pando. Passei dois dias incríveis caminhando sob enormes talos maduros balançando e “tremendo” com a brisa suave, entre o novo crescimento espesso no “jardim de bambu” e até mesmo em charmosos prados que penetram partes do centro fechado.

Fiquei maravilhado com as flores silvestres e outras plantas que prosperam sob a sombra da copa manchada e pude me maravilhar em observar insetos polinizadores, pássaros, raposas, castores e veados, todos usando alguma parte do ecossistema criado por Pando.

São esses momentos que nos lembram que temos plantas, animais e ecossistemas que vale a pena proteger. Em Pando, temos a rara chance de proteger os três.