O Megalodonte era tão grande que poderia ter devorado uma orca em apenas algumas mordidas

0
207
Reconstrução artística de uma caçada do megalodonte. (Créditos: JJ Giraldo)

Traduzido por Julio Batista
Original de Michelle Starr para o ScienceAlert

O temível megalodonte (Otodus megalodon) era um tubarão gigante que já dominou os oceanos do mundo, milhões de anos atrás. Reputação temível à parte, o famoso predador deixou muito pouco rastro de sua existência.

Novas pesquisas sobre um fóssil excepcionalmente bem preservado nos forneceram o primeiro modelo 3D do peixe extinto, que nos diz que ele poderia navegar a velocidades mais rápidas do que qualquer tubarão no oceano hoje.

Além disso, era tão grande, descobriram os cientistas, que poderia devorar em apenas cinco mordidas presas inteiras do tamanho dos principais predadores de hoje: as grandes orcas de 8 metros que aterrorizam nossos tubarões mais temidos hoje, o grande tubarão-branco.

Na verdade, o megalodonte poderia facilmente ter engolido um tubarão-branco inteiro.

Essas descobertas sugerem que o megalodonte era O Cara da pré-história… e, mais importante, eles poderiam nos dar uma ideia melhor do papel que desempenhava nos ecossistemas oceânicos que dominava.

“Juntos, nossos resultados sugerem que O. megalodon desempenhou um importante papel ecológico como um superpredador transoceânico”, escreveu uma equipe de pesquisadores liderada pelo paleobiólogo Jack Cooper, da Universidade de Swansea, no Reino Unido, em seu paper.

“Portanto, sua extinção provavelmente teve grandes impactos na transferência global de nutrientes e nas teias alimentares tróficas”.

Juntar o megalodonte com o registro fóssil tem sido um quebra-cabeça contínuo. Ele apareceu em cena há cerca de 23 milhões de anos e foi extinto há cerca de 3,6 milhões de anos, por razões desconhecidas.

Nós só o conhecemos e podemos estimar seu tamanho colossal, com base nas partes robustas o suficiente para sobreviver aos rigores do tempo – principalmente dentes, até o tamanho de uma mão humana.

Mas os dentes não são as únicas partes de um tubarão que podem fossilizar. As partes mais densas de seu esqueleto cartilaginoso – em particular, suas vértebras – podem, nas condições certas, também ser preservadas. Na década de 1860, descobrimos algo incrível: uma coluna de megalodonte excepcionalmente bem preservada e praticamente intacta.

“Dentes de tubarão são fósseis comuns por causa de sua composição dura, o que permite que eles permaneçam bem preservados”, disse Cooper.

“No entanto, seus esqueletos são feitos de cartilagem, então eles raramente se fossilizam. A coluna vertebral do megalodonte do Instituto Real Belga de Ciências Naturais é, portanto, um fóssil único.”

Agora, os tubarões podem vir em uma variedade de formas e tamanhos. Acredita-se que o Megalodonte seja bastante semelhante aos tubarões-brancos (Carcharodon carcharias), embora as duas espécies não pertençam à mesma família de tubarões.

O fato é que não sabemos inteiramente como era o megalodonte… mas, usando essa coluna vertebral como base, Cooper e sua equipe construíram o que acreditam ser o modelo de megalodonte mais preciso até hoje.

Eles começaram com medições e varreduras de cada uma das vértebras da coluna. Essas varreduras formaram a base de uma reconstrução de toda a coluna do megalodonte.

Em seguida, uma boca cheia de dentes mordedores foi adicionada, a partir de uma varredura de dentes de megalodonte nos EUA. Finalmente, uma varredura 3D de um tubarão-branco da África do Sul foi usada para preencher o corpo ao redor da coluna e mandíbula reconstruídas.

“O peso é uma das características mais importantes de qualquer animal”, disse o biomecânico evolutivo John Hutchinson, do Colégio Veterinário Real, no Reino Unido.

“Para animais extintos, podemos estimar a massa corporal com métodos modernos de modelagem digital 3D e, em seguida, estabelecer a relação entre massa e outras propriedades biológicas, como velocidade e uso de energia”.

Sabemos que o megalodonte estava por toda a parte; seus restos foram encontrados em todos os continentes, com exceção da Antártida, sugerindo que o tubarão realmente dominou o oceano global. A pesquisa da equipe mostra como esse pode ter sido o caso.

A velocidade de natação do Megalodonte, descobriu a equipe, era de mais de 5 quilômetros por hora, em comparação com 3 quilômetros por hora para os tubarões brancos. O megalodonte belga, aquele cuja espinha formava a espinha dorsal do modelo, provavelmente tinha cerca de 16 metros de comprimento; outras vértebras sugerem que pode crescer até 20 metros de comprimento.

A boca do megalodonte belga poderia abrir até 1,8 metros, com base no modelo da equipe, e tinha uma área estomacal de cerca de 9,6 metros cúbicos. A partir dessas métricas, a equipe inferiu que uma presa com cerca de 8 metros de comprimento – o tamanho de uma orca adulta – poderia ser totalmente consumida pelo megalodonte em apenas cinco mordidas.

A carga calórica de tal refeição seria suficiente para sustentar o megalodonte por dois meses enquanto nadava nos oceanos da Terra. Isso é semelhante aos tubarões-brancos, que podem passar um mês ou dois sem comer se tiverem uma refeição grande o suficiente.

Isso significa que o desaparecimento do megalodonte dos oceanos da Terra pode ter mudado a ecologia submarina de forma mais significativa do que percebemos.

“Esses resultados sugerem que esse tubarão gigante era um superpredador transoceânico”, disse a paleobióloga Catalina Pimiento, da Universidade de Zurique, na Suíça.

“A extinção deste icônico tubarão gigante provavelmente impactou o transporte global de nutrientes e liberou grandes cetáceos de uma forte pressão predatória”.

A pesquisa foi publicada na Science Advances.