O número de antigos lagos marcianos pode ter sido dramaticamente subestimado pelos cientistas

0
32
Figura 1: Um exemplo de um grande lago hospedado por cratera de impacto em Marte (a) e um pequeno lago hospedado em pergelissolo em Marte. Ambas as imagens mostram dados de elevação dos instrumentos MOLA (Mars Orbiter Laser Altimeter, ou Altímetro a Laser do Orbitador de Marte, na tradução) e HRSC (High Resolution Stereo Camera, ou Câmera Estéreo de Alta Resolução, na tradução livre) sobrepostos em imagens do THEMIS (a) e CTX (b). (Créditos: ESA/JPL/NASA/ASU/MSSS)

Traduzido por Julio Batista
Original da Universidade de Hong Kong

Lagos são corpos de água alimentados por chuvas, neve derretida, rios e águas subterrâneas, através dos quais a Terra está repleta de vida. Os lagos também contêm registros geológicos críticos de climas passados. Embora Marte seja hoje um deserto congelado, os cientistas mostraram que Marte contém evidências de lagos antigos que existiram bilhões de anos atrás, o que poderia conter evidências de vida antiga e condições climáticas no planeta vermelho. Através de uma meta-análise de anos de dados de satélite que mostram evidências de lagos em Marte, Dr. Joseph Michalski, geólogo do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Hong Kong (UHK) propôs que os cientistas podem ter subestimado drasticamente o número de antigos lagos marcianos que já existiram.

Michalski e a equipe internacional publicaram recentemente seus resultados na Nature Astronomy, que descrevem uma análise global dos antigos lagos marcianos. “Conhecemos aproximadamente 500 lagos antigos depositados em Marte, mas quase todos os lagos que conhecemos têm mais de 100 km2“, explicou Michalski. “Mas na Terra, 70% dos lagos são menores que esse tamanho, ocorrendo em ambientes frios onde as geleiras recuaram. Esses lagos de tamanho pequeno são difíceis de identificar em Marte por sensoriamento remoto por satélite, mas muitos lagos pequenos provavelmente existiram. É provável que pelo menos 70% dos lagos marcianos ainda não tenham sido descobertos.” Os cientistas monitoram esses pequenos lagos na Terra para entender as mudanças climáticas. Os pequenos lagos desaparecidos em Marte também pode conter informações críticas sobre climas passados.

O paper recente também relata que os lagos marcianos mais conhecidos datam de um período de 3.500 a 4.000 milhões de anos atrás, mas cada um dos lagos pode ter durado apenas por um tempo geologicamente curto (10.000 a 100.000 anos) durante esse período. Isso significa que o antigo planeta Marte provavelmente também era frio e seco, mas aqueceu episodicamente por curtos períodos de tempo. Michalski acrescenta: “Por causa da gravidade mais baixa em Marte e do solo penetrante e de granulação fina, os lagos em Marte teriam sido muito escuros e poderiam não permitir que a luz penetrasse muito profundamente, o que poderia representar um desafio para a vida fotossintética, se existia.”

Figura 2: O lago da cratera Pingualuit no Canadá é um exemplo moderno de um lago frio hospedado por uma cratera de impacto na Terra, análogo aos antigos lagos de cratera em Marte. (Créditos: Google Earth)

Os lagos contêm água, nutrientes e fontes de energia para uma possível vida microbiana, incluindo luz para a fotossíntese. Portanto, os lagos são os principais alvos para exploração astrobiológica por rovers marcianos, como o rover Perseverance da NASA agora em Marte. Mas Michalski advertiu: “Nem todos os lagos são criados iguais. Em outras palavras, alguns lagos marcianos seriam mais interessantes para a vida microbiana do que outros porque alguns dos lagos eram grandes, profundos, duradouros e tinham uma ampla variedade de ambientes, como sistemas hidrotermais que poderiam ter sido propícios à formação de vida simples.” Deste ponto de vista, pode fazer sentido focar em lagos grandes, antigos e ambientalmente diversos para exploração futura.

“A Terra abriga muitos ambientes que podem servir como análogos a outros planetas. Do terreno acidentado de Svalbard às profundezas do Lago Mono – podemos determinar como projetar ferramentas para detectar vida em outros lugares aqui em casa. A maioria dessas ferramentas são destinado a detectar os restos e resíduos de vida microbiana.”

A China pousou com sucesso seu primeiro módulo de pouso, Zhurong, em Marte em maio deste ano. Zhurong está atualmente percorrendo as planícies de Utopia Planitia, explorando pistas mineralógicas e químicas das recentes mudanças climáticas. A China também está planejando uma missão de retorno de amostras que provavelmente ocorrerá no final desta década, que pode ter como alvo um dos interessantes depósitos do lago.