O Pentágono está testando uma IA que pode prever eventos com dias de antecedência

0
80
Crédito: Rawpixel.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Se você está se perguntando o quão avançados os sistemas de inteligência artificial (IA) estão ficando, então saiba disso: os militares dos EUA estão testando uma rede experimental de IA com a tarefa de identificar prováveis ​​eventos futuros dignos de atenção mais detalhada, e dias antes que ocorram.

A série de testes é chamada de Global Information Dominance Experiments (GIDE; Experimentos de Domínio da Informação Global, na tradução livre) e combina dados de uma grande variedade de fontes, incluindo imagens de satélite, relatórios de inteligência, sensores terrestres, radar e muito mais.

A computação em nuvem também desempenha um papel importante nessa configuração, garantindo que grandes conjuntos de dados coletados em todo o mundo possam ser processados ​​com eficiência e, em seguida, acessados ​​por quaisquer oficiais militares e agências que precisem deles.

“GIDE, o Global Information Dominance Experiments, incorpora uma mudança fundamental na forma como usamos as informações e dados para aumentar o espaço de decisão dos nossos líderes do nível tático ao estratégico – não apenas líderes militares, mas também dá oportunidade para nossos líderes civis”, explicou o general da Força Aérea dos Estados Unidos, Glen D. VanHerck, em uma coletiva de imprensa na semana passada.

A ideia é antecipar os movimentos de outras nações com bastante antecedência, o que significa que medidas de dissuasão e precauções podem ser postas em prática antes do início dos combates ou antes que as hostilidades tenham a chance de se intensificar.

Na verdade, os saltos lógicos não são tão grandes quanto você possa imaginar – se os preparativos estão sendo feitos para um submarino deixar o porto, por exemplo, então é bastante óbvio que ele está a caminho do mar. A IA realmente ajuda a usar o aprendizado de máquina para localizar e agrupar todas essas informações muito mais rapidamente do que os operadores humanos.

Outro exemplo é o número de carros em um estacionamento, em uma base militar ou estação de pesquisa, talvez. Se a IA perceber um aumento na atividade, ele pode sinalizar para outras partes do sistema, onde é então analisado como parte de um grande conjunto de dados.

“Os dados existem”, disse VanHerck. “O que estamos fazendo é disponibilizar esses dados e compartilhá-los em uma nuvem onde o aprendizado de máquina e a inteligência artificial os analisam. E eles os processam muito rapidamente e os fornecem aos decisores públicos, o que eu chamo de superioridade na decisão”.

“Isso nos dá dias de alerta avançado e capacidade de reação. Onde, no passado, não podíamos ter obtido a análise de uma imagem de satélite de GEOINT, agora estamos fazendo isso em minutos ou quase em tempo real”.

Compreensivelmente, os EUA não estão revelando muito sobre como exatamente esses novos sistemas de IA funcionam, ou como eles processam as informações que estão coletando, mas o resultado final é mais dados processados ​​em um tempo mais rápido. Este terceiro conjunto de testes GIDE foi concluído recentemente e um quarto está planejado.

Embora os experimentos pareçam um pouco Minority Report – A Nova Lei no momento – pessoas sendo presas por crimes antes de serem cometidas – as autoridades estão encarando eles como uma forma de coleta de informações sobrecarregadas, ao invés de maneiras de realmente ver o futuro.

VanHerck enfatiza que os humanos ainda estão tomando todas as decisões com base nos dados que os sistemas de aprendizado de máquina produzem – e diz que a IA em desenvolvimento provavelmente acabará diminuindo esses cenários, ao invés do contrário.

“A capacidade de ver dias de antecedência cria espaço de decisão”, disse VanHerck. “Espaço de decisão para mim, como comandante operacional, para potencialmente posicionar forças para criar opções de dissuasão a fim de fornecer isso ao secretário ou mesmo ao presidente”.