O que é o multiverso, e ele realmente existe?

0
306
Crédito: Marvel Studios.

Por Luke Barnes
Publicado no The Conversation

Se você precisa de um novo vilão ou de um velho Homem-Aranha, seu filme de ficção científica soará mais cientificamente respeitável se você usar a palavra “multiverso”. O multiverso da Marvel coloca diferentes versões do nosso Universo “por aí”, em algum lugar. Nesses filmes, com a mistura certa de tecnologia, magia e imaginação, é possível viajar entre esses universos.

Por exemplo (spoilers!), em “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa“, descobrimos que existem outros universos e outras Terras, algumas das quais têm seu próprio Homem-Aranha. No Universo do filme, a magia é possível.

Essa magia, graças a um feitiço falho do super-herói Dr. Estranho, faz com que alguns dos outros Homens-Aranha sejam transportados para o nosso Universo, junto com alguns supervilões.

Em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” (que estreou nos cinemas este mês), uma bagunça de universo-a-universo ameaça uma “profanação da realidade”.

Então, quais dessas ideias a Marvel emprestou da ciência e quais são pura ficção?

Multiverso: um Universo realmente grande

Poderia haver outras Terras? Poderia haver outras pessoas lá fora, que se parecem muito conosco, em um planeta que se parece com o nosso? Cientificamente, é possível, porque não sabemos o quão grande é o nosso Universo.

Podemos ver bilhões de anos-luz no espaço, mas não sabemos quanto mais espaço existe lá fora, além do que podemos ver.

Se houver mais espaço lá fora, cheio de galáxias, estrelas e planetas, então há cada vez mais chances de uma Outra-Terra existir. Em algum lugar. Com espaço suficiente e planetas suficientes, qualquer possibilidade se torna provável.

A ficção do multiverso da Marvel decorre da capacidade de viajar entre essas outras terras. Há uma boa razão pela qual o Dr. Estranho precisa usar magia para isso.

De acordo com Albert Einstein, não podemos viajar pelo espaço mais rápido que a luz. E enquanto formas mais exóticas de viajar pelo Universo são cientificamente possíveis – buracos de minhoca, por exemplo – nós não sabemos como fazer isso, o Universo não parece fazer isso naturalmente, e não há razão para pensar que isso nos conectaria a Outra-Terra em vez de uma parte aleatória do espaço vazio.

Então, quase certamente, se Outra-Terra está lá fora em algum lugar, é inimaginavelmente distante, mesmo para um astrônomo.

Mudando as leis da natureza

O multiverso da Marvel pode parecer doido, mas do ponto de vista científico é realmente muito habitual. Muito normal. Muito familiar. Aqui está o porquê.

Os blocos de construção básicos do nosso Universo – prótons e nêutrons (e seus quarks), elétrons, luz, etc. – são capazes de fazer coisas incríveis, como a vida humana. Nossos corpos são surpreendentes: coleta de energia, processamento de informações, construção de minimáquinas, autorreparação.

Os físicos descobriram que a capacidade dos blocos de construção do nosso Universo de criar formas de vida é extremamente rara. Qualquer bloco antigo não serve.

Se os elétrons fossem muito pesados, ou a força que mantém os núcleos atômicos juntos fosse muito fraca, as coisas do Universo nem mesmo se uniriam, muito menos fariam algo tão maravilhoso quanto uma célula viva. Ou, na verdade, qualquer coisa que pudesse ser chamada de viva.

Como nosso Universo conseguiu a mistura certa de ingredientes? Talvez tenhamos ganhado na loteria cósmica. Talvez, em escalas muito maiores do que nossos telescópios podem ver, outras partes do Universo tenham diferentes blocos de construção.

Nosso Universo é apenas uma das opções – particularmente afortunada – entre um multiverso de universos com ingressos perdidos.

Este é o multiverso do contexto científico: não apenas mais do nosso Universo, mas universos com diferentes ingredientes fundamentais. A maioria das coisas estão “mortas”, mas muito raramente surge a combinação certa para formas de vida.

O multiverso da Marvel, por outro lado, apenas reorganiza os átomos e forças familiares do nosso Universo (além de um pouco de magia). Isto não é suficiente.

Inflação cósmica e o Big Bang

Como era o nosso Universo no passado? As evidências sugerem que o Universo era mais quente e mais denso. Isso é chamado de Teoria do Big Bang.

Em Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, três diferentes Peter Parkers de universos alternativos (e franquias de filmes alternativos do Homem-Aranha) se unem para combater vilões de todo o Multiverso. Créditos: Marvel Studios / Sony Pictures / Columbia Pictures.

Mas houve um Big Bang? Houve um momento em que o Universo foi infinitamente quente, infinitamente denso e contido em um único ponto? Bem, quase certamente. Mas não temos certeza dos seus limites, então os cientistas exploraram várias outras opções.

Uma ideia, chamada inflação cósmica, diz que na primeira fração de segundo do Universo, ele se expandiu extremamente rapidamente. Se for verdade, explicaria algumas coisas sobre por que nosso Universo se expande exatamente da maneira que faz.

Mas, como você faz um Universo se expandir tão rapidamente? A resposta é um novo tipo de campo de energia. Ele tem o controle dos primeiros momentos do Universo, provoca uma rápida expansão e depois passa as rédeas para as formas mais familiares de matéria e energia: prótons, nêutrons, elétrons, luz etc.

A inflação cósmica pode fazer um Multiverso. Aqui está como. De acordo com essa ideia, a maior parte do espaço está se expandindo, inflando, dobrando de tamanho, momento a momento. Espontânea e aleatoriamente, em pequenas ilhas, o novo campo de energia converte sua energia em matéria comum com energias extremamente altas, liberando o que agora vemos como um Big Bang.

Se essas altas energias embaralham e redefinem as propriedades básicas da matéria, então cada ilha pode ser pensada como um novo Universo com propriedades diferentes. Fizemos um Multiverso.

Então, existe um multiverso?

No ciclo do método científico, o multiverso está em fase exploratória. Temos uma ideia que pode explicar algumas coisas, se for verdade. Isso o torna digno de nossa atenção, mas ainda não é ciência em si. Precisamos encontrar evidências mais diretas, mais decisivas.

Algo que sobrou das consequências do gerador de multiversos pode ajudar. Segundo a ficção, uma ideia de multiverso também poderia prever os números vencedores em nosso bilhete de loteria.

No entanto, como explica o Doutor Estranho, “o multiverso é um conceito sobre o qual sabemos assustadoramente pouco”.