O que sabemos sobre o Zika

3
1178
Alice Vitoria Bezerra, uma bebê de 3 meses de idade que tem microcefalia, segurada por seu pai, João Batista Bezerra. Janeiro de 2016, Recife.(Mario Tama-Getty Images)

Post original por Beth Mole

No decorrer dos últimos meses, um vírus pouco conhecido partiu de murmúrios nervosos na comunidade de doenças infecciosas para as manchetes de primeira página de jornais ao redor do mundo. O vírus Zika entra despercebido na vítima através de uma picada de mosquito que, do contrário, seria inofensiva. Hoje, milhões são infectados enquanto o vírus invade novos territórios no hemisfério ocidental.

No seu início, pesquisadores reportaram uma estranha alta em uma condição que causa paralisia do corpo inteiro e, no Brasil, um aumento desalentador de 20% no número de crianças nascidas com cabeças encolhidas. As agências de saúde agora estão aconselhando viajantes a cancelarem suas visitas a mais de 20 países e territórios em estado de sítio. Nos locais mais afetados, especialistas estão dizendo para as mulheres que evitem a gravidez; e a comunidade de doenças infecciosas está clamando por esforços internacionais para sufocar o vírus, que vem “se espalhando exponencialmente”, segundo uma declaração dada nesta quinta (28/01) pelo diretor da Organização Mundial de Saúde.

Há menos de 10 anos, o Zika era um germe monótono. Pesquisadores colheram-no originalmente em uma floresta da Uganda no final dos anos 40 e rapidamente o arquivaram. Ele parecia raramente causar doenças em humanos, e, quando causava, produzia sintomas leves como febre moderada, dores e manchas. Naquela época, era uma doença prosaica que se misturava à paisagem viral africana, que já estava lotada com dengue, chikungunya e febre amarela.

Então, o que mudou? Por que Zika de repente se tornou uma praga invasiva que inflige danos sérios? Mais importante, como nós iremos pará-lo? Muito sobre este vírus ainda é um mistério, mas aqui está o que sabemos até agora:

 

Um início modesto

Em 18 de abril de 1947, um macaco rhesus em cativeiro na Floresta de Zika, na Uganda, apresentou uma febre. Embora os cientistas consideraram o macaco como sendo portador de febre amarela, testes futuros mais aprofundados mostraram que o primata, Rhesus 766, foi a primeira vítima do Zika. No ano seguinte, pesquisadores isolaram o vírus de um mosquito Aedes africanus – um dos vetores, como mostrou uma pesquisa realizada depois.

Fêmea do mosquito Aedes aegypti, processo de obtenção de sangue. (US Department of Health and Human Services)
Fêmea do mosquito Aedes aegypti, processo de obtenção de sangue.
(US Department of Health and Human Services)

Em 1956, pesquisadores reportaram que uma espécia próxima de mosquito – Ae. aegypti, o mosquito da febre amarela, dengue e chikungunya – conseguia transportar o vírus para ratos e macacos em laboratório. As evidências de que o mosquito Aedes estava transmitindo o vírus Zika para pessoas estavam se acumulando. Em 1968, pesquisadores encontraram o vírus em pessoas da Nigéria. E, entre 1951 e 1981, evidências serológicas – sobras de respostas imunológicas para o vírus no sangue – foram encontradas em pessoas da Uganda, Tanzânia, Egito, República Africana Central, Serra Leoa e Gabão. Também apareceram em partes da Ásia, incluindo a Índia, Malásia, Filipinas, Tailândia, Vietnã e Indonésia.

Apesar das pistas de sua presença difundida nos humanos, existiram poucos casos reportados de enfermidade por infecção de Zika. Os casos mais antigos das décadas de 60 e 70 descreviam sintomas como febre, manchas ocasionais, dores musculares e nas articulações, e cansaço que podia durar alguns dias ou uma semana – uma doença moderada, mas irritante. Em 1981, pesquisadores reportaram sete casos clinicamente verificados na Indonésia. A doença era marcada pelos mesmos sintomas, mas, desta vez, também tinha perda de apetite, diarreia, tontura, dores abdominais, e um caso de conjuntivite.

Assim como agora, não existia tratamento específico para a doença, e, claro, nenhuma vacina. Os médicos simplesmente tratavam os sintomas. Por décadas, esta descrição mansa do vírus era tudo o que tínhamos, mas tudo mudou em 2007.

 

Início dos surtos

Países que tiveram ou têm contato com o vírus Zika, até janeiro de 2016 (CDC)
Países que tiveram ou têm contato com o vírus Zika, até janeiro de 2016
(CDC)

Entre abril e agosto de 2007, uma doença viral parecida com a dengue abria caminho através da ilha-estado de Yap, o conjunto de ilhas no extremo ocidente dos Estados Federados da Micronésia, logo ao norte de Papua Nova Guiné. A ilha-estado e seus 7 mil residentes já tinham presenciado infecções de dengue no passado. Mas, enquanto a vaga combinação de febre, manchas, dores, distúrbios digestivos e conjuntivite se espalhava, autoridades em saúde locais suspeitavam de algo diferente.

Depois de mais testes e visitas clínicas, médicos relataram que 185 pessoas foram confirmadas ou eram suspeitas de infecção por Zika. Dados serológicos sugeriram que cerca de 73% da ilha tinha sido infectada, mas apenas 18% apresentava sintomas. Este foi o primeiro surto de Zika.

Pesquisadores capturaram os mosquitos de Yap com esperança de encontrar os culpados de transportar o vírus, mas eles acabaram de mãos vazias. Aedes hensilli, um parente de transportadores passados de Zika e o mosquito mais comum na ilha, se mantém como o principal suspeito.

Independente disto, o vírus não tinha terminado seu trabalho nas ilhas. Em outubro de 2013, ele chegou na Polinésia Francesa, leste de Fiji, iniciando seu segundo surto. Este foi maior e demonstrou novos sintomas.

A Polinésia Francesa é um conjunto de 5 arquipélagos formado por 119 ilhas, com uma população, na época, de um pouco mais de um quarto de milhão. Em fevereiro de 2014, cerca de 29 mil pessoas já tinham sido infectadas com Zika. O vírus atacou com seu conjunto já conhecido de sintomas, mas pelo menos 72 vítimas chegaram aos consultórios médicos com problemas neurológicos severos.

Entre estes casos severos, tiveram relatos de um distúrbio raro chamado síndrome de Guillain-Barré. A doença, tecnicamente autoimune, é causada quando o sistema de defesa do corpo passa a atacar os nervos periféricos, rapidamente levando a fraqueza muscular, formigamento, perda de tato, e, eventualmente, paralisia quase total. Durante o surto de 3 meses, a Polinésia Francesa apresentou 40 casos. Tipicamente, haveria cerca de 5 casos neste intervalo de tempo.

No meio de novos sintomas confusos, o vírus se espalhou através de pessoas que viajavam para a França, Japão, Noruega e Ilha de Páscoa. A ilha de Nova Caledônia, ao leste de Brisbane, Austrália, relatou 114 casos de Zika até março de 2014.

 

Camaleão viral

As culminações virais e as ligações assustadoras com a síndrome de Guillain-Barré prenderam a atenção da comunidade de doenças infecciosas. No início de 2014, pesquisadores examinaram o plano genético do vírus em busca de respostas quanto a sua rápida disseminação e sua relação com distúrbios neurológicos.

Zika, um membro da família dos flavivírus, é aparentado dos vírus da dengue, febre amarela, oeste do nilo e da encefalite japonesa. De muitos modos, é um primo banal. Seu genoma é codificado por uma única fita de RNA que tem 10,794 bases. Quando o vírus invade uma célula humana para criar cópias infecciosas de si mesmo, a máquina celular traduz a fita de código genético do Zika em uma longa proteína que é picada em 10 proteínas menores. Estas fazem de tudo, desde envelopar o RNA até formar o corpo físico do vírus. A saber, as proteínas são: capsídeo, precursor de membrana, envelope, e 7 proteínas não-estruturais. O envelope (proteína que envolve a partícula circular viral) é responsável por se prender e se infiltrar nas células humanas.

Já que foi ignorado por tantas décadas, pouco se sabe sobre o que o Zika faz depois que um mosquito o introduz na corrente sanguínea humana. Flavivírus tendem a, inicialmente, invadir e dominar certas células de imunidade, chamadas células dendríticas. Depois, o vírus vaga pelo corpo através do sangue e do sistema linfático.

Eletromicrografia do vírus Zika, que é um membro da família Flaviviridae. As partículas virulentas têm um diâmetro de 40nm, com um envelope externo e um centro denso. (CDC)
Eletromicrografia do vírus Zika, que é um membro da família Flaviviridae. As partículas virulentas têm um diâmetro de 40nm, com um envelope externo e um centro denso.
(CDC)

Em um estudo de 2014 liderado por Amadou Alpha Sall, do Instituto Pasteur de Dakar, em Senegal, pesquisadores juntaram 37 vírus isolados na África e Ásia e compararam cuidadosamente sua composição genética. Eles confirmaram relatos passados que sugeriram que existem três linhagens principais de Zika, duas africanas e uma asiática. Estas 3 linhagens provavelmente se originaram na Uganda por volta de 1920.

Mas, notando mudanças pequenas no código, os pesquisadores encontraram evidências de que o Zika passou por eventos de recombinação, onde partes de diferentes variedades virais trocaram material genético. Isto não é comum para flavivírus. Recombinação viral geralmente dá aos vírus uma vantagem adaptativa. Mas, o que estas vantagens são para o Zika e como elas impactam os sintomas de humanos infectados permanece um mistério. A partir de suas análises, os pesquisadores sugerem que certas modificações na proteína de envelope pode ter ajudado o vírus a invadir certos mosquitos.

Em geral, Zika ainda parece um vírus generalista, não especializado para mosquitos ou hospedeiros específicos. Enquanto houveram relatos de que Zika infecta e gera respostas imunológicas em roedores e primatas, cientistas não têm evidências de que o vírus esteja circulando em populações animais.

 

O novo mundo

Enquanto perguntas sobre Zika começaram a surgir, o vírus continuou se movendo. Em maio de 2015, a OMS confirmou que o Zika tinha se instalado no Brasil, sua primeira aparição na América do Sul. Alguns especialistas suspeitam que o vírus tenha sido levado durante a Copa do Mundo de 2014 e se espalhou através da picada de mosquitos Aedes, principalmente o Ae. aegypti. No fim de 2015, cerca de 1 milhão de pessoas tinham sido infectadas, segundo estimativas de especialistas em saúde.

Em meio à tempestade viral, houve um aumento nos casos de um defeito de nascença raro, chamado de microcefalia. Bebês nascidos com este distúrbio apresentavam o crânio e o cérebro muito pequenos e deformados, o que gera deficiências vitalícias e diminui a expectativa de vida. Desde que a epidemia se iniciou, em 2015, o país registrou em torno de 4 mil confirmações e suspeitas de casos de microcefalia. Em 2014, foram 147 casos.

Mesmo que Zika seja a principal suspeita, a ligação ainda não é definitiva. Pesquisadores estão coletando mais dados e iniciando estudos em animais. O vírus foi encontrado em líquido amniótico, tecido placentário, fetos abortados, e no cérebro de bebês que morreram de microcefalia pouco depois do nascimento.

“Eu acho que as evidências até então são muito fortes. É a hipótese principal.”, falou Ernesto Marques, pesquisador de doenças infecciosas da Universidade de Pittsburgh, para Ars, quando perguntado sobre a relação entre o vírus e a deformidade. Mas, segundo ele, pesquisadores estão trabalhando fervorosamente para investigar a transmissão da mãe para o bebê, a resposta imunológica gerada para combater o vírus, e como isto pode levar a má-formação.

Os cientistas podem apenas especular sobre por que estamos vendo uma ligação entre Zika e microcefalia agora, décadas depois de o vírus ser descoberto. Deve ser por que houveram apenas alguns pequenos surtos no passado, que não deram números suficientes para a ocorrência de casos tão raros. Ou, talvez, seja por que o vírus venha passando por mudanças genéticas, dando ao Zika novas capacidades.

As má-formações também podem estar ligadas à população de humanos que o vírus agora está atacando. Brasileiros, assim como os habitantes da Polinésia Francesa e de Yap, nunca haviam sido expostos ao vírus Zika, mas foram ao vírus da dengue, que gera respostas imunológicas e anticorpos que também podem responder ao Zika. Na verdade, uma das razões para que este vírus seja tão difícil de diagnosticar, é que os testes que procuram para as respostas imunológicas geradas por ele – que sugerem exposição ao vírus – também detectam, inadvertidamente, infecções presentes ou passadas de dengue.

“Eu suspeito que tem várias coisas acontecendo”, contou o biólogo de vetores da Universidade de Wisconsin, Matthew Aliota, para Ars. Essa semana, Aliota e alguns colegas publicaram dados acerca dos primeiros relatos de Zika se espalhando pela Colômbia, que começou em outubro. Até então, não houve nenhum relato de microcefalia ligada a Zika no país. Mas, ele diz, pode ser por que ainda não houveram casos suficientes ou por que o vírus não está no país há tempo suficiente. O que é lamentável, diz Aliota, é que sabemos muito pouco sobre o vírus.

Em adição ao Brasil e Colômbia, Zika continuou a se espalhar através das Américas do Sul e Central. Atualmente, são 24 países e territórios. Estes locais incluem Barbados, Bolívia, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guiana Francesa, Guadalupe, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Porto Rico, São Martin, Suriname, Ilhas Virgens, Venezuela, Samoa e Cabo Verde.

 

Um passo a frente

Em meio a preocupação sobre a ligação do vírus com a microcefalia, agências de saúde do mundo inteiro (Incluindo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) estão sugerindo que mulheres grávidas e mulheres que planejam engravidar evitem viajar para regiões afetadas. Alguns especialistas em saúde ainda sugerem que as mulheres dessas áreas adiem seus planos de gravidez. Em El Salvador, por exemplo, oficiais de saúde disseram para as mulheres que é melhor que elas evitem engravidar até, pelo menos, 2018.

Campanha com informações para prevenção de febre amarela e dengue no Paraguai (Pablo flores)
Campanha com informações para prevenção de febre amarela e dengue no Paraguai
(Pablo flores)

Nos EUA, tiveram alguns casos de pessoas que viajaram e trouxeram o vírus em si. O país, assim como o resto do hemisfério ocidental, é lar de muitas espécies do mosquito Aedes, incluindo o Aedes aegypti. Estas espécies podem pegar o vírus destes viajantes e espalhá-lo.

No momento, é improvável que isto cause um grave problema de saúde para os americanos, de acordo com Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas. Fauci observa que americanos têm telas de proteção nas janelas e aparelhos de ar-condicionado que que mantêm os mosquitos fora das casas e – nas áreas mais ao norte – o clima toma conta deste problema. Se o Zika entrar no país, ele disse, é provável que cause apenas alguns aglomerados pequenos e localizados da doença, e depois suma – e não um surto descontrolado por todo o país.

“Nós não vamos ser arrogantes quanto a isto”, ele disse. Mas “é altamente improvável”.

Houveram alguns casos circunstanciais onde o Zika se espalhou de pessoa para pessoa através do sexo, mas a porta-voz da CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), Candice Hoffmann, disse para Ars que, no momento, a transmissão sexual é apenas teorética. Picadas de mosquitos são, de longe, a maior preocupação, segundo ela.

Em uma coletiva de imprensa na quinta, Fauci e a vice-diretora da CDC, Anne Schuchat, relataram que a CDC e os Institutos Nacionais de Saúde estavam trabalhando para monitorar e conduzir mais pesquisas sobre Zika. Em particular, Fauci disse que pesquisadores nos INS já estão trabalhando em modelos de vacinas para animais com a doença.

Enquanto remédios melhores para tratar e prevenir a propagação do Zika estão, sem dúvida, poucos anos na nossa frente, especialistas em saúde da América do Sul estão aumentando os esforços para diminuir a população de mosquitos. E, na segunda, a OMS vai realizar uma reunião de emergência em Genebra para discutir e oferecer recomendações sobre as novas ligações entre Zika, microcefalia, e distúrbios neurológicos.

“O nível de preocupação é alto, assim como o nível de incerteza”, falou a diretora da OMS, Margaret Chan. “As perguntas são muitas. Precisamos de respostas o mais rápido possível.”

Depois de décadas de uma existência obscura e tediosa, o vírus despretensioso do Rhesus 766 ganhou nossa total atenção.

CONTINUAR LENDO