Onde está o túmulo de Gengis Khan?

Os mongóis de hoje querem que ela seja encontrada?

0
97
Aqui vemos um close na Estátua Equestre da Gengis Khan encontrada em Erdene, província de Tov, Mongólia. (Créditos: Francesco Vaninetti via Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Gengis Khan unificou os mongóis e criou um enorme império que se estendia do Oceano Pacífico à Ucrânia na época de sua morte em 1227; e seus sucessores continuariam a conquistar ainda mais território.

Então, onde está enterrado esse líder carismático? Ele tem uma tumba monumental como as pirâmides construídas para os antigos faraós egípcios, ou um mausoléu com guerreiros de terracota, como o construído para o primeiro imperador Qin da China?

A resposta é que a localização da tumba de Gengis Khan é desconhecida e improvável de ser encontrada tão cedo. Além disso, algumas pessoas na Mongólia podem preferir que nunca seja encontrada, já que Gengis é considerado por alguns hoje com uma reverência quase religiosa, disseram os especialistas à Live Science.

A tumba, onde quer que esteja, “é muito importante para o povo da Mongólia com conotações quase religiosas”, disse William Honeychurch, professor associado de antropologia da Universidade de Yale, à Live Science por e-mail. Ele se recusou a especular sobre onde o túmulo pode estar localizado.

Uma possibilidade é que Gengis Khan tenha sido enterrado na província oriental de Khentii, na Mongólia, onde nasceu. “Acho que a tumba está nas montanhas da província de Khentii”, disse Nancy Steinhardt, professora de arte do leste asiático no Museu da Pensilvânia da Universidade da Pensilvânia, à Live Science por e-mail. “Acho que não será encontrada tão cedo”, acrescentou.

Império Mongol de Gengis Khan em 1227 e em sua maior extensão em 1279. (Créditos: Shutterstock)

Fontes contemporâneas não dizem muito sobre onde fica o túmulo de Gengis Khan ou como era. “Não existe nenhum registro histórico ou arqueológico que descreva a aparência física desta tumba”, escreveu uma equipe de pesquisadores em um estudo publicado em 2014 na revista PLOS One. Os pesquisadores usaram imagens de satélite para procurar a tumba, e a pesquisa de satélite identificou uma variedade de restos arqueológicos, mas não a tumba de Gengis Khan.

A História Secreta dos Mongóis“, um registro mongol anonimamente escrito que data de algum tempo após a morte de Gengis Khan, não faz menção ao seu túmulo. Diz apenas que no ano de 1227, ele “ascendeu ao céu”.

No entanto, o texto afirma que Gengis Khan tinha fortes ligações com Burkhan Khaldun, uma montanha sagrada na província de Khentii. O texto diz que em um ponto de sua juventude, Gengis usou a topografia da montanha para escapar dos inimigos que o perseguiam. O texto cita Gengis Khan dizendo que “todas as manhãs sacrificarei a Burkhan Khaldun, todos os dias orarei por ela: a descendência da minha descendência deve estar atenta a isso e fazer o mesmo!” A afinidade que Genghis Khan tinha por esta montanha levou a questões sobre se ele foi enterrado lá, mas até agora nenhum túmulo foi encontrado.

Quando ele morreu por volta dos 67 anos, Gengis Khan e seu exército estavam em campanha contra um grupo chamado Tangutes no que hoje é o noroeste da China, e isso pode ter dificultado a devolução de seu corpo à Mongólia, escreveu Frank McLynn, historiador, em seu livro “Genghis Khan: The Man Who Conquered the World” (Bodley Head, 2015). Ele poderia ter estado cerca de 500 quilômetros da fronteira da Mongólia moderna. Os mongóis neste momento podem não ter conhecimento de técnicas de embalsamamento e podem ter sido forçados a enterrar Gengis Khan em outro lugar porque eles não conseguiram levar seu corpo para a Mongólia antes de se decompor, escreveu McLynn. É possível que os restos e o túmulo de Genghis Khan estejam localizados na região de Ordos, no noroeste da China, escreveu McLynn.

Alegações de Marco Polo

O explorador veneziano Marco Polo, que viveu de 1254 a 1324 e passou cerca de 17 anos na China, disse no livro “As Viagens de Marco Polo” que 20.000 pessoas que sabiam da localização do túmulo foram mortas em um esforço para manter sua localização em segredo. As histórias de Polo foram registradas no livro por um escritor chamado Rusticiano da Pisa, e o livro foi publicado por volta de 1300.

Embora as afirmações de Polo tenham sido repetidas em histórias sobre Gengis Khan, Polo estava escrevendo décadas após a morte de Gengis Khan. Além disso, a precisão de muitas outras alegações de Polo – como que Kublai Khan, neto de Genghis Khan, nomeou Polo como oficial – é debatida por historiadores modernos. Portanto, não se sabe se o relato de Polo sobre o túmulo de Genghis Khan é verdadeiro.