Os humanos bebiam leite antes mesmo de poderem digeri-lo

0
388
Os criadores de gado no Sudão do Sul fazem parte de uma tradição leiteira que remonta a pelo menos 6.000 anos, de acordo com um novo estudo. Créditos: Eric Lafforgue / Art in All of Us / Corbis / Getty Images.

Por Andrew Curry
Publicado na Science

Nossa história com o leite apresenta um enigma do ovo ou da galinha: os humanos não conseguiam digerir a bebida antes de desenvolver mutações que os ajudaram a fazer isso, mas eles teriam que ter consumido leite para ter alterado seu DNA. “Sempre houve a questão de quem veio primeiro”, disse a geneticista Sarah Tishkoff da Universidade da Pensilvânia (EUA). “A prática cultural ou a mutação”.

Agora, os cientistas encontraram a evidência mais antiga de consumo de laticínios: as pessoas no atual Quênia e Sudão começaram a ingerir produtos lácteos há pelo menos 6.000 anos. Isso foi antes de os humanos desenvolverem o “gene do leite”, sugerindo que estávamos bebendo o líquido antes de termos as ferramentas genéticas para digeri-lo adequadamente.

Todos os humanos podem digerir o leite na infância. Mas a capacidade de fazer isso quando adulto se desenvolveu bem recentemente, provavelmente nos últimos 6.000 anos. Diversas mutações permitiram que os adultos produzissem a enzima lactase, que pode separar a lactose do açúcar do leite. Os genes que permitem o que é chamado de persistência da lactase são amplamente difundidos na África moderna, que tem quatro mutações conhecidas de persistência da lactase. (As populações europeias dependem de apenas um.)

Quando essas mutações da lactase evoluíram, elas se espalharam rapidamente – evidência de que as pessoas que as carregavam tinham uma grande vantagem. “É um dos sinais mais fortes de seleção natural já observados”, disse Tishkoff, que não participou do estudo.

Para examinar nosso passado de consumo de leite, os pesquisadores voltaram suas atenções para a África, onde as sociedades pastorearam vacas, ovelhas e cabras domesticadas por pelo menos 8.000 anos. Os cientistas examinaram oito esqueletos escavados no Sudão e no Quênia, que tinham entre 2.000 e 6.000 anos. Eles rasparam cálculos dentais endurecidos de seus dentes e procuraram proteínas específicas do leite presas dentro deles.

As descobertas revelaram que essas pessoas consumiam algum tipo de produto lácteo há pelo menos 6.000 anos, relata a equipe na Nature Communications. Isso torna esta a evidência direta mais antiga conhecida do consumo de laticínios na África, e talvez no mundo.

A pesquisa também mostra que os laticínios na África são tão antigos quanto na Europa – talvez ainda mais. Isso acaba com um mito, propagado pelos defensores da supremacia branca, de que a persistência da lactase e o consumo de leite estão de alguma forma associados aos europeus brancos.

Além do mais, os antigos africanos não parecem ter desenvolvido nenhum gene de digestão do leite, de acordo com um estudo de parte do DNA esquelético publicado em 2020. “Parece que a comunidade bebia leite antes de apresentar persistência de lactase”, disse Madeleine Bleasdale, coautora do novo trabalho e especialista em proteínas antigas do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana.

As proteínas podem ter vindo do leite, queijo ou produtos lácteos fermentados como o iogurte, que são comuns na África hoje. A fermentação é uma estratégia que algumas culturas usam para separar os açúcares do leite antes de consumi-los, o que pode tornar mais fácil para pessoas que não tinham essas adaptações consumir laticínios sem beber leite puro.

As mutações podem ter surgido porque ajudaram as pessoas a obter mais nutrientes de seu leite, dando-lhes uma vantagem sobre seus companheiros, disse Fiona Marshall, arqueóloga da Universidade de Washington em St. Louis (EUA) que não esteve envolvida no estudo. “Entre essas pessoas, qualquer indivíduo com persistência de lactase viveria mais e teria mais filhos”.

A pressão de seleção para a persistência da lactase também pode ter sido ambiental. A ordenha é uma forma sustentável de manejar rebanhos em condições difíceis, permitindo que os pastores obtenham nutrição de seus animais sem matá-los. Durante as secas, por exemplo, os pastores com persistência da lactase poderiam fazer melhor uso do gado e das cabras como filtros de água e recipientes de armazenamento de quatro patas. “Se você tem vacas, tem uma fonte de líquido, proteínas e nutrição”, disse Tishkoff. “Contanto que você consiga manter seu gado vivo, é claro”.