Os insetos talvez sentem dor, então o que isso significa para as leis de bem-estar animal?

0
186
(Créditos: Raung Binaia/Moment/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Matilda Gibbons et. al. para o The Conversation

Pelo menos um trilhão de insetos são mortos anualmente para alimentação e ração animal. Os métodos rotineiros de abate incluem calor e frio extremos, muitas vezes precedidos de fome. Em comparação, ‘apenas’ cerca de 79 bilhões de mamíferos e aves são abatidos a cada ano.

Os estudiosos há muito tempo reconhecem que a valorização da dor para a sobrevivência significa que muitos animais a experimentam, supostamente com exceção dos insetos.

Mas pesquisamos mais de 300 estudos científicos e encontramos evidências de que pelo menos alguns insetos sentem dor.

Outros insetos, entretanto, ainda não foram estudados com detalhes suficientes.

Também realizamos nosso próprio estudo sobre a resposta das abelhas a estímulos potencialmente nocivos. A maneira como elas reagiram aos estímulos foi semelhante às respostas de dor em humanos e outros animais que vimos sentir dor.

Os pesticidas matam trilhões de insetos selvagens a cada ano. A verdadeira causa da morte costuma ser paralisia, asfixia ou dissolução dos órgãos internos, às vezes durante vários dias.

Se os insetos sentem dor, a criação de insetos e o controle de pragas causariam sofrimento em massa. No entanto, os debates e as leis de bem-estar animal ignoram quase universalmente os insetos. Uma razão é que, historicamente, os insetos eram frequentemente vistos como muito simples, com uma vida útil muito curta. Mas as evidências de que os insetos sentem dor estão se acumulando.

A questão de saber se os insetos sentem dor é difícil de responder. A dor é uma experiência inerentemente particular. A dificuldade de diagnosticar a dor quando o ser em questão não fala é ilustrada pelo tratamento relativamente recente de bebês durante cirurgias.

Ainda na década de 1980, muitos cirurgiões acreditavam que os bebês não sentiam dor e raramente usavam anestésicos porque pensavam que as respostas óbvias dos bebês, como gritar e se contorcer, eram “apenas reflexos”. Embora ainda não tenhamos provas de que os bebês sentem dor, a maioria agora aceita isso com quase certeza.

Para qualquer ser que não pode comunicar diretamente seu sofrimento, precisamos confiar no bom senso e na probabilidade. Quanto mais indicadores de dor encontrados, maior a probabilidade.

É importante usar critérios consistentes entre os animais e procurar os mesmos indicadores comportamentais de dor em insetos que usaríamos em uma vaca ou cão de estimação.

Dor percebida no cérebro

A maioria dos animais exibe nocicepção – o processamento de estímulos nocivos que podem resultar em respostas reflexas. Os cientistas sabem há muito tempo que os insetos exibem nocicepção.

No entanto, se um animal detecta estímulos potencialmente prejudiciais, não é necessariamente um indicador de dor semelhante àquela percebida em humanos e gerada no cérebro. Tanto a nocicepção quanto a dor podem acontecer, até certo ponto, independentemente uma da outra.

Em um estudo recente, descobrimos que as respostas das abelhas ao calor dependem de outras motivações. Disponibilizamos às abelhas quatro alimentadores: dois aquecidos e dois não aquecidos. Cada alimentador distribuía água com açúcar, que as abelhas adoram.

Quando todos os alimentadores tinham a mesma concentração de água com açúcar, as abelhas evitavam os dois alimentadores aquecidos.

Mas quando os alimentadores aquecidos forneciam água com açúcar mais doce do que os alimentadores não aquecidos, as abelhas geralmente escolhiam os alimentadores aquecidos. Seu apreço pelo açúcar superava seu ódio pelo calor.

Isso sugere que as abelhas sentem dor porque (como os humanos) suas respostas são mais do que apenas reflexos.

As abelhas também se lembravam dos alimentadores aquecidos e não aquecidos e usavam essa memória para decidir de qual alimentar-se. Então, o conflito de escolhas aconteceu no cérebro.

Os cérebros dos insetos mudam suas respostas comportamentais ao dano de outras maneiras. Por exemplo, moscas famintas são menos propensas a se livrar do calor extremo do que moscas saciadas.

Moscas decapitadas ainda podem se afastar, mas não apresentam essa diferença, demonstrando o envolvimento de seu cérebro na prevenção do calor. A comunicação entre o cérebro e a parte responsiva do corpo também é consistente com a dor.

Outros indicadores de dor

A estrutura que usamos para avaliar evidências de dor em diferentes insetos foi a que recentemente levou o governo do Reino Unido a reconhecer a dor em dois outros grandes grupos de invertebrados, crustáceos decápodes (incluindo caranguejos, lagostas e camarões) e cefalópodes (incluindo polvos e lulas), incluindo-os na Lei de Bem-Estar Animal (Senciência) de 2022.

A estrutura tem oito critérios, que avaliam se o sistema nervoso de um animal pode suportar a dor (como a comunicação cérebro-corpo) e se seu comportamento indica dor (como compensações motivacionais).

Moscas e baratas satisfazem seis dos critérios. De acordo com a estrutura, isso equivale a “forte evidência” de dor.

Apesar das evidências mais fracas em outros insetos, muitos ainda mostram “evidências substanciais” de dor. Abelhas, vespas e formigas preenchem quatro critérios, enquanto borboletas, mariposas, grilos e gafanhotos preenchem três.

Os besouros, o maior grupo de insetos, satisfazem apenas dois critérios. Mas, assim como outros insetos que receberam classificações baixas, há pouquíssimos estudos sobre besouros nesse contexto. Não encontramos nenhuma evidência de nenhum inseto falhando em todos os critérios.

Nossas descobertas são importantes porque a evidência de dor em insetos é aproximadamente equivalente à evidência de dor em outros animais, que já são protegidos pela lei do Reino Unido. Os polvos, por exemplo, apresentam evidências muito fortes de dor (sete critérios).

Em resposta, o governo do Reino Unido incluiu polvos e caranguejos na Lei de Bem-Estar Animal (Senciência) de 2022, reconhecendo legalmente sua capacidade de dor.

O governo do Reino Unido estabeleceu um precedente: fortes evidências de dor garantem proteção legal. Pelo menos alguns insetos atendem a esse padrão, então é hora de protegê-los.

Para começar, recomendamos a inclusão de insetos na Lei de Bem-Estar Animal (Senciência) de 2022, que reconheceria legalmente sua capacidade de sentir dor. Mas esta lei exige apenas que o governo considere seu bem-estar ao redigir legislação futura.

Se quisermos regular práticas como agricultura e pesquisa científica, o governo precisa estender as leis existentes.

Por exemplo, a Lei de Bem-Estar Animal de 2006, que torna crime causar “sofrimento desnecessário” aos animais abrangidos pela lei. Isso pode levar a fazendas de insetos, como fazendas convencionais, minimizando o sofrimento animal e usando métodos de abate humanitários.

A Lei de Animais (Procedimentos Científicos) de 1986 regula o uso de animais protegidos em qualquer procedimento experimental ou outro procedimento científico que possa causar dor, sofrimento, angústia ou danos permanentes ao animal.

Proteger os insetos sob esta lei, como os polvos já são, regularia a pesquisa de insetos, reduzindo o número de insetos testados e garantindo que os experimentos tenham uma forte fundamentação científica.

Finalmente, os pesticidas são uma grande preocupação para o bem-estar dos insetos selvagens. Recomendamos o desenvolvimento de pesticidas mais humanos, que matam os insetos mais rapidamente e minimizam seu sofrimento.