Os pets podem ser um alívio para a saúde mental durante o estresse do isolamento, mostra estudo

0
201
Créditos: Catherine Falls Commercial / Getty Images.

Por Clare Watson
Publicado na ScienceAlert

Boas notícias para os donos de animais de estimação, e não apenas para os amantes de cães e gatos.

Ter um animal de estimação ou doméstico – seja nossos amigos peludos ou um animal de fazenda – parece ajudar a saúde mental das pessoas a lidar com o estresse causado pela vida pandêmica e pela solidão durante o confinamento.

De acordo com um estudo realizado no Reino Unido, os animais de estimação foram uma importante fonte de apoio emocional para muitas pessoas durante o confinamento, reduzindo a solidão que supostamente sentiam e melhorando sua saúde mental geral.

“Este trabalho é particularmente importante para o momento, pois indica como ter um animal de estimação em sua casa pode aliviar parte do estresse psicológico associado ao isolamento”, disse o pesquisador de comportamento animal Daniel Mills, da Universidade de Lincoln, no Reino Unido.

Sabemos que a solidão está associada a um maior risco de desenvolver outros problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade.

E a partir de pesquisas anteriores, estamos começando a reconhecer que os animais de estimação podem servir de apoio verdadeiro para as pessoas que vivem com doenças mentais graves, como transtorno bipolar e esquizofrenia.

Este estudo, no entanto, envolveu uma pesquisa de pessoas de todas as idades e classes e em uma circunstância sem precedentes – um isolamento pandêmico.

Entre meados de abril e o final de maio, cerca de 6.000 pessoas que viviam no Reino Unido durante o confinamento foram entrevistadas sobre sua saúde mental e seus animais de estimação.

A maioria dos participantes do estudo tinha pelo menos um animal de estimação, portanto, embora os pesquisadores estivessem pesquisando milhares de pessoas, apenas uma pequena fração das pessoas envolvidas não possuía nenhum animal de estimação, o que significa que as descobertas são direcionadas aos amantes dos animais.

“Os resultados devem ser interpretados com esta ressalva em mente”, explicam os autores em seu artigo. “No entanto, em nossa amostra de ‘amantes dos animais’, ter um animal foi associado a efeitos um tanto atenuados da experiência do isolamento sobre a saúde mental e a solidão”.

As pessoas que responderam à pesquisa foram questionadas sobre o quão próximas elas se sentiam de seu animal de estimação e o conforto que seu amigo animal proporcionava, bem como as diferentes maneiras pelas quais seus animais de estimação podem ter afetado positivamente seu bem-estar durante o isolamento. Isso pode ajudar seus donos a se manterem ativos ou se sentirem socialmente conectados a outras pessoas.

Os participantes também avaliaram sua própria saúde mental, bem-estar e sentimentos de solidão, respondendo a questionários sobre como se sentiam antes e durante o isolamento no Reino Unido.

Analisando os dados, os pesquisadores abordaram outras coisas que podem afetar a saúde mental de uma pessoa: como o quão solitária a pessoa estava antes do isolamento; a idade deles; se moravam sozinhos ou com outras pessoas; e quantos contatos sociais (com amigos humanos) eles tinham a cada semana.

A grande maioria dos donos de animais de estimação (incluindo mais de 90% dos donos de cães, cavalos e gatos) disse que seus animais os ajudaram a lidar emocionalmente com o confinamento e também tiveram efeitos positivos em suas famílias.

Pessoas com animais de estimação ainda foram afetadas pelo isolamento, mas possuir um animal foi associado a menores declínios na saúde mental e menores aumentos do sentimento de solidão do que o relatado por pessoas que não possuíam animais de estimação.

Os resultados são semelhantes às descobertas anteriores à pandemia, incluindo, por exemplo, que os animais de estimação podem evitar a solidão encorajando mais interações sociais.

A maioria dos estudos como este até agora se concentrou em cães e gatos, mas não é surpreendente que as pessoas possam formar fortes conexões emocionais com qualquer tipo de animal de estimação; não depende de qual espécie escolhemos como nossa companheira.

Depois que os pesquisadores avaliaram se os animais de estimação das pessoas tinham um papel especial em suas vidas, como um cão-guia ou animal usado em terapia (que podem melhorar drasticamente a saúde mental de alguém), não houve diferença significativa em relação aos laços emocionais que as pessoas formaram com seus animais de estimação.

“As pessoas em nossa amostra se sentiram, em média, tão próximas emocionalmente de, por exemplo, seus porquinhos da índia quanto se sentiram de seu cachorro”, disse a autora e pesquisadora de saúde mental Elena Ratschen, da Universidade de York (Reino Unido).

Portanto, não ignore animais de estimação incomuns: lembre-se de que as cabras podem ser tão amorosas quanto os cães.

O estudo também encontrou ligações potenciais entre a saúde mental das pessoas e os laços emocionais que elas formam com seus animais de estimação.

Pessoas que relataram um vínculo mais forte com seu animal de estimação no estudo tenderam a relatar problemas de saúde mental antes de adotá-los ou comprá-los, o que pode significar que essas pessoas são um pouco vulneráveis ​​a oscilações em sua saúde mental e possivelmente dependem de seu animal de estimação para apoio.

“Curiosamente, laços entre humanos e animais mais fortes relatados foram associados a uma pior saúde mental pré-isolamento, destacando que laços fortes com animais podem indicar vulnerabilidade psicológica nos proprietários”, disseram os autores.

Mas ter um animal de estimação às vezes também aumenta o estresse durante o confinamento, descobriu o estudo, além de atenuar o estresse.

Mais de dois terços dos donos de animais relataram preocupação com seus animais de estimação durante o confinamento. Algumas pessoas na pesquisa se preocuparam com quem cuidaria de seu animal de estimação se elas adoecessem. Outros donos temiam que seu amigo animal não soubesse lidar com a volta ao trabalho após o confinamento.

Também é importante observar que, embora o isolamento possa ter sido um pouco menos solitário para os donos de animais de estimação, as diferenças gerais na saúde mental relatadas por donos de animais e pessoas que não tinham animais de estimação eram pequenas. Isso significa que não podemos ter grandes conclusões como a de que conseguir um animal de estimação necessariamente resolveria todas as nossas preocupações.

“Embora nosso estudo mostrou que ter um animal de estimação pode mitigar alguns dos efeitos psicológicos negativos do isolamento contra a COVID-19, é importante compreender que esta conclusão é improvável que seja de relevância clínica”, observaram Ratschen e seus colegas.

Isso significa que as mudanças na saúde mental das pessoas registradas no estudo não foram tão profundas a ponto de recomendarmos esse método como um cura definitiva para outras pessoas.

“[Isso] não garante nenhuma indicação de que as pessoas devam adquirir animais de estimação para proteger sua saúde mental durante a pandemia”, disse Ratschen.

No entanto, tem havido um grande aumento na demanda para adotar animais de estimação durante a pandemia, de Nova York a Sydney, e há preocupações de que muitos desses animais possam ser abandonados quando as pessoas retornarem à escola ou ao trabalho, ou se a crise apertar e essas pessoas não poderem mais pagar para cuidar deles.

Portanto, lembre-se de cuidar de seus amigos animais, assim como eles cuidam de nós.

O estudo foi publicado na PLOS One.