Os restos mais antigos de misteriosos ancestrais humanos extintos são descobertos em caverna da Sibéria

0
74
Caverna Denisova. Créditos: IAET / Ramo Siberiano da Academia Russa de Ciências.

Por Charles Q. Choi
Publicado na Live Science

Cientistas descobriram os fósseis mais antigos até hoje da misteriosa linhagem humana conhecida como Denisovanos. Com esses ossos de 200.000 anos, pesquisadores também descobriram pela primeira vez artefatos de pedra ligados a esses parentes extintos dos humanos modernos, descobriu um novo estudo.

Identificados pela primeira vez há pouco mais de uma década, os denisovanos – um ramo extinto da árvore genealógica humana – são os parentes mais próximos conhecidos dos humanos modernos, junto com os neandertais.

A análise do DNA extraído de fósseis denisovanos sugere que eles podem ter sido difundidos na Ásia continental, nas ilhas do sudeste da Ásia e na Oceania, e revelaram que pelo menos dois grupos distintos de denisovanos cruzaram com ancestrais dos humanos modernos.

Até agora, os cientistas haviam descoberto apenas meia dúzia de fósseis denisovanos. Cinco foram descobertos na caverna Denisova na Sibéria, e um foi encontrado em um local sagrado na China, relatou a Live Science anteriormente.

Agora, os pesquisadores descobriram outros três fósseis denisovanos na caverna Denisova. Os cientistas estimam que tenham cerca de 200.000 anos, o que os torna os denisovanos mais antigos já encontrados. Anteriormente, os primeiros espécimes denisovanos conhecidos tinham cerca de 122.000 a 194.000 anos.

No novo estudo, os pesquisadores examinaram 3.791 restos de ossos da caverna Denisova. Eles procuraram por proteínas que sabiam ser de denisovanos com base em pesquisas anteriores de DNA da linhagem extinta.

Fragmentos de ossos usados ​​para análise molecular. Crédito: S. Brown.

Entre esses restos, os cientistas identificaram cinco ossos humanos. Quatro deles continham DNA suficiente para revelar sua identidade – um era Neandertal e os outros três eram Denisovanos. Com base nas semelhanças genéticas, dois desses fósseis podem vir de uma pessoa ou de indivíduos aparentados.

“Ficamos extremamente entusiasmados em identificar três novos ossos denisovanos entre as camadas mais antigas da caverna Denisova”, disse ao Live Science a autora sênior do estudo Katerina Douka, cientista arqueológica da Universidade de Viena, na Áustria. “Nós visamos especificamente essas camadas onde nenhum outro fóssil humano foi encontrado antes, e nossa estratégia funcionou”.

Os pesquisadores estimaram a idade desses fósseis denisovanos com base na camada de terra em que foram descobertos. Essa camada também continha uma série de artefatos de pedra e restos de animais, que podem servir como pistas arqueológicas vitais sobre a vida e o comportamento dos Denisovanos.

Escavações na câmara oriental da Caverna Denisova. Créditos: IAET / Ramo Siberiano da Academia Russa de Ciências.

Anteriormente, os fósseis denisovanos eram encontrados apenas em camadas sem esse material arqueológico, ou em camadas que também poderiam conter material de Neandertal.

“Esta é a primeira vez que podemos ter certeza de que os denisovanos foram os criadores dos vestígios arqueológicos que encontramos associados a seus fragmentos de ossos”, disse Douka.

As novas descobertas sugerem que esses denisovanos recém-descobertos viveram em uma época em que, de acordo com pesquisas anteriores, o clima era quente e comparável ao de hoje, em um local favorável à vida humana que incluía florestas de folhas largas e estepes abertas.

Restos de animais mortos e queimados encontrados na caverna sugerem que os denisovanos podem ter se alimentado de veados, gazelas, cavalos, bisões e rinocerontes-lanudos.

“Podemos determinar que os denisovanos se adaptaram bem a seus ambientes, utilizando todos os recursos disponíveis”, disse Douka.

Os artefatos de pedra encontrados na mesma camada que esses fósseis denisovanos são, em sua maioria, ferramentas de corte, que talvez tenham sido usadas para trabalhar com peles de animais. A matéria-prima para esses itens provavelmente veio dos sedimentos do rio do lado de fora da entrada da caverna, e o rio provavelmente ajudou os denisovanos quando eles caçavam, observaram os cientistas.

“O ponto estratégico do local em frente a uma fonte de água e à entrada de um vale teria servido como um ótimo local para a caça”, disse Douka.

As ferramentas de pedra associadas a esses novos fósseis não têm contrapartes diretas no norte ou centro da Ásia. No entanto, eles têm alguma semelhança com itens encontrados em Israel entre 250.000 e 400.000 anos atrás – um período ligado a grandes mudanças na tecnologia humana, como o uso rotineiro do fogo, observaram os pesquisadores.

O novo estudo descobriu que os denisovanos podem não ter sido os únicos ocupantes da caverna neste momento. Ossos de carnívoros, como lobos e cães selvagens, sugerem que os denisovanos podem ter competido ativamente com esses predadores pelas presas e talvez pela própria caverna.

“No momento, nossa equipe continua a trabalhar na Caverna Denisova e em vários outros sítios arqueológicos asiáticos e espera relatar algumas novidades interessantes muito em breve”, disse Douka.

Os cientistas detalharam suas descobertas online em 25 de novembro na revista Nature Ecology & Evolution.