Pessoas que acreditam em teorias da conspiração da COVID-19 tendem a ter sérias dificuldades com o raciocínio científico

0
258
Crédito: Pixabay.

Por Eric W. Dolan
Publicado na PsyPost

De acordo com uma nova pesquisa publicada no Journal of Health Psychology, indivíduos com uma melhor compreensão do raciocínio científico são menos propensos a cair em falsas teorias da conspiração sobre a pandemia de COVID-19.

“No início da pandemia de COVID-19 havia muita incerteza e confusão sobre as melhores medidas para se proteger contra o coronavírus”, disse a autora do estudo, Vladimira Cavojova, do Centro de Ciências Sociais e Psicológicas da Academia Eslovaca de Ciências.

“Os cientistas se tornaram o centro das atenções e formulamos a hipótese de que as pessoas que entendem melhor o funcionamento da ciência seriam mais capazes de navegar no mar de informações conflitantes e resistir a crenças pseudocientíficas e infundadas”.

No estudo, que foi conduzido cerca de uma semana após o primeiro caso confirmado de COVID-19 na Eslováquia, 783 participantes foram solicitados a indicar o quanto concordavam com várias crenças conspiratórias sobre o coronavírus, como “SARS-CoV-2 (coronavírus) é uma arma biológica criada para eliminar a superpopulação humana” e “a COVID-19 (coronavírus) é apenas uma invenção, é uma gripe comum que as empresas farmacêuticas renomearam para aumentar as vendas de medicamentos”.

Os participantes também completaram um teste de raciocínio científico no qual foram solicitados a responder a seis afirmações verdadeiras ou falsas, incluindo “os pesquisadores querem descobrir como aumentar a natalidade. Eles pedem informações estatísticas e veem que há mais crianças nascidas em cidades que têm mais hospitais. Essa descoberta implica que a construção de novos hospitais aumentará a taxa de natalidade da população”.

Além disso, os participantes completaram avaliações de conhecimento sobre coronavírus, crenças em alegações infundadas de saúde, pensamento analítico geral, atitudes antivacinação e comportamento preventivo.

Os pesquisadores descobriram que aqueles que endossavam fortemente as crenças conspiratórias sobre coronavírus tendiam a ter pontuação baixa no teste de raciocínio científico. A crença nas teorias de conspiração sobre o coronavírus, por sua vez, foi associada a uma disposição reduzida para receber uma vacina contra a COVID-19.

Os participantes com baixa pontuação no teste de raciocínio científico também eram mais propensos a endossar crenças gerais infundadas relacionadas à saúde e atitudes antivacinação. As descobertas estão de acordo com pesquisas anteriores, que descobriram que “pessoas que têm um tipo de crença epistemicamente suspeita tendem a ter outros tipos de crenças também”, disseram os pesquisadores.

“A descoberta mais importante é que, embora o raciocínio científico ajude as pessoas a distinguir entre suposições razoáveis ​​apoiadas por evidências e crenças infundadas, quando ocorrem crises, como pandemias, pode ser tarde demais para promover o raciocínio científico – as pessoas confiam em quaisquer crenças e atitudes antes da interpretação de novas evidências, e aqueles que são mais propensos a crenças infundadas estarão mais vulneráveis ​​a qualquer desinformação que apareça”, disse Cavojova ao PsyPost.

“O raciocínio científico é apenas uma peça de um quebra-cabeça na compreensão de como as pessoas entendem o mundo durante os tempos turbulentos”, acrescentou ela. “Quando os sentimentos das pessoas falam mais alto, elas respondem de forma intuitiva e emocional, o que torna o uso do raciocínio científico ainda mais difícil”.

“Portanto, é necessário procurar maneiras eficazes que ajudariam as pessoas a adiar as respostas intuitivas rápidas (por exemplo, a rápida disseminação de desinformação pseudocientífica) e se envolver em um esforço racional que lhes permitiria fazer julgamentos mais informados”.

Em seu estudo atual, os pesquisadores não encontraram evidências de que o raciocínio científico estava associado a comportamentos preventivos, como o distanciamento social. Mas pesquisas adicionais sugerem que isso pode ser devido a época do estudo.

“Este estudo foi realizado no início da pandemia de COVID-19 na Eslováquia. Em um estudo posterior que realizamos em novembro durante a segunda onda crescente (atualmente estamos no processo de redigir os resultados dessa pesquisa), descobrimos que um menor grau de raciocínio científico também estava relacionado à relutância em seguir as regulamentações recomendadas pelo governo”, explicou Cavojova.