PETA – A pseudociência e a negligência emocional em favor dos animais

Campanha contra o consumo de carne.

Publicado na Doubtful News

A PETA (em português, Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais) nunca foi conhecida por discursos racionais sobre os direitos dos animais. Em vez disso, eles usam uma propaganda incluindo pseudociência para reforçar seus objetivos. Eles estão de volta com uma falsa ligação entre laticínios e autismo.

“A PETA têm (como diz o velho ditado) utilizado a ciência como um bêbado que usa um poste de luz para apoio ao invés de iluminação. Desta forma, eles são típicos grupos ideológicos. Eles têm um objetivo, são muito abertos sobre suas crenças e utilizam qualquer tipo de argumento a fim de promover o seu ponto de vista.

A PETA agora nos oferece um novo exemplo de como ter um objetivo ideológico para motivar um indivíduo ou um grupo para abraçar a “ciência” duvidosa. Em um artigo recente do grupo, eles advertem: Você tem autismo? Saiba mais sobre a ligação entre a doença e os produtos lácteos. Eles afirmam:

A razão pela qual os alimentos lácteos podem agravar ou até mesmo causar autismo está sendo debatida. Alguns suspeitam que a caseína prejudica o cérebro, enquanto outros sugerem que os problemas gastrointestinais, muitas vezes causados por produtos lácteos, causam desconforto e, assim, agravar o comportamento de crianças autistas.[1]

Isto é apenas bullshit! Eles não se preocupam com os fatos, ao invés disso, utilizam truques emocionais para causar pânico.

A ignorância vinda do PETA não é nova. Na verdade, esta mesma campanha de autismo-laticínios foi lançada em 2008: PETA: Even More Impossible To Parody Than Ever! – Respectful Insolence.

Comer asa de frango pode afetar o tamanho do pênis do “feto” (o grupo de direitos dos animais afirma que consumir aves durante a gravidez pode levar a defeitos congênitos, como pênis mais curtos).
• Carnes e laticínios causam muitas outras doenças.
• Carne aumenta a agressividade humana.
• Comer carne causa impotência.
• Cães e gatos podem ficar bem em uma dieta vegetariana.

Além disso, suas opiniões sobre a experimentação animal, a violência contra as pessoas que usam peles ou que comem carne, e suas campanhas pornográficas são insanas. Só podemos esperar que a nova campanha estúpida não conquiste mais pessoas através de argumentos emocionais e pseudociência. Os animais merecem mais do que isso.

Outros blogs que se manifestaram: PETA Embraces Autism Pseudoscience [1] , PETA is a Stupid Organization, PETA Hypocrisy e PO’d at PETA.

CONTINUAR LENDO
Artigo anterior“Arqueologia, Antropologia e Comunicação Interestelar”
Próximo artigoPodem haver 100 milhões de planetas na galáxia com vida complexa
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.