‘Pinóquio rex’: novo tiranossauro descoberto na China

0
3570
Concepção artística do crânio alongado do Qianzhousaurus sinensis. Créditos pelo autor presentes na imagem.

Uma nova espécie de tiranossauro foi descoberta recentemente na China, por cientistas da Universidade de Edimburgo, Escócia. Os fósseis encontrados estimam-se em torno de 66 milhões de anos (Cretáceo Tardio). Acredita-se que a espécie tenha vivido na Ásia.

O dinossauro terópode tinha em torno de 9 m de comprimento e pesava quase 1 tonelada! A espécie foi batizada como Qianzhousaurus sinensis, mas foi apelidado como ‘Pinocchio rex’, pelo motivo de seu focinho ser longo, porém, fino… lembrando o famoso personagem fictício dos contos de fadas.

Qianzhousaurus sinensis à direita. Créditos pela Ilustração à Chuang  Zhao.
Qianzhousaurus sinensis à direita. Créditos pela Ilustração à Chuang Zhao.

Segundo os pesquisadores, pelo formato dos dentes e do crânio do ‘Pinóquio rex’, este poderia ter se restringido a caçar animais rebeldes ou do seu tamanho, se alimentando provavelmente de animais menores como, lagartos ou pequenos dinossauros com penas. Porém, os cientistas não sabem explicar o motivo de seu focinho ter ficado longo, mas fino! Seus parente próximo como o Tarbosaurus da Ásia, não possuía tal característica. Esta é uma das pergunta que os pesquisadores querem responder.

Steve Brusatte, da Universidade de Edimburgo disse: “A imagem icônica dos tiranossauros é o ‘tiranossauro rex’, o maior, o mais sanguinário de todos. Mas esta nova espécie era mais leve, menos musculosa. Rompe os moldes. Talvez tivesse uma mordida mais rápida e caçava de outra maneira”, afirma o pesquisador. Além desta afirmação, os pesquisadores também acreditam que diversas espécies de tiranossauros podem ter habitado a Ásia durante o período Cretáceo, o último período que os dinossauros dominaram a Terra.

Crânio fóssil do 'Pinocchio rex' descoberto no sul da China.
Crânio fóssil do ‘Pinocchio rex’ descoberto no sul da China.

Os ossos do ‘Pinóquio rex’ estavam tão bem preservados, e isso graças ao rápido soterramento que o manteve protegido de agentes erosivos e destrutivos durante milhares de anos… até a atualidade!

Os pesquisadores agora querem descobrir a funcionalidade do longo focinho deste carnívoro. Mas eles já possuem um palpite! Provavelmente o focinho longo e fino poderia ajudar a captar melhor a movimentação das presas, assim como os crocodilos modernos utilizam seus longos focinhos para capturar peixes. É como um SENSOR DE MOVIMENTO PRIMITIVO. Apenas novas pesquisas poderão responder tal perguntas.

FONTE: National Geographic (link aqui)

CONTINUAR LENDO