Pistas de vulcões ocultos nas profundezas de Europa aumentam chances de hospedar vida alienígena

0
299
Créditos: NASA / JPL-Caltech / SETI Institute.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

A lua incrustada de gelo Europa de Júpiter está cada vez mais parecendo o melhor lugar no Sistema Solar para procurar vida extraterrestre.

A nova modelagem sugere que o manto rochoso, bem abaixo do gelo espesso e do oceano salgado, pode realmente ser quente o suficiente para atividade vulcânica. Além disso, poderia ter sido quente assim durante a maior parte de sua existência de 4,5 bilhões de anos.

A descoberta tem implicações diretas para a possibilidade de vida à espreita no fundo do mar de Europa.

“Nossas descobertas fornecem evidências adicionais de que o oceano subterrâneo de Europa pode ser um ambiente adequado para o surgimento de vida”, disse a geofísica Marie Běhounková, da Universidade Carolina de Praga, na República Tcheca.

“Europa é um dos raros corpos planetários que pode ter mantido atividade vulcânica ao longo de bilhões de anos, e possivelmente o único além da Terra que possui grandes reservatórios de água e uma fonte de energia de longa vida”.

Você pode pensar que um mundo gelado longe do calor do Sol que sustenta a vida – onde as temperaturas da superfície tendem a atingir o pico em torno de -140 graus Celsius – seria um lugar improvável para encontrar organismos vivos, mas na verdade há precedentes bem aqui na Terra.

É verdade que a maior parte da vida aqui depende de uma teia alimentar baseada na fotossíntese… mas em alguns ambientes extremos, onde o Sol nunca brilha, a vida encontrou outro caminho.

Nas profundezas escuras do oceano, profundas demais para a luz do sol penetrar, as aberturas vulcânicas infiltram calor nas águas ao seu redor. Lá, a vida prospera com base na quimiossíntese, bactérias que aproveitam a energia da geoquímica em vez da energia solar para produzir alimentos.

Com as bactérias vêm outros organismos que podem comê-las, criando assim um ecossistema inteiro lá embaixo, na escuridão.

Sabemos que Europa, sob sua espessa camada de gelo, abriga um oceano global – vimos água líquida jorrando de rachaduras no gelo na forma de gêiseres. Também detectamos o que muito provavelmente é sal. Isso condiz com algumas das condições para a vida hidrotérmica quimiossintética como a conhecemos.

O que não sabemos é se Europa tem atividade vulcânica abaixo do fundo do mar, emergindo de aberturas como acontece aqui na Terra.

É possível; a lua de Júpiter, Io, é o mundo mais vulcânico do Sistema Solar, devido às tensões constantes colocadas pelo puxão gravitacional de Júpiter (e possivelmente o puxão gravitacional das outras luas jupiterianas) que aquecem o interior.

Dado que Europa está mais longe de Júpiter do que Io, entretanto, a dúvida permanece – então Běhounková e seus colegas decidiram tentar descobrir.

Eles usaram modelagem detalhada para simular a evolução e o aquecimento do interior do Europa desde a sua formação. Eles encontraram vários mecanismos em jogo que podem estar funcionando para impedir que o planeta congele completamente.

Em primeiro lugar, o calor liberado pela decaimento radioativo de elementos no manto provavelmente contribuiu com uma fração significativa do calor interno da lua, especialmente no início da história de Europa.

Com o tempo, porém, as mudanças de tensão geradas pelas forças de maré exercidas pela órbita elíptica da lua ao redor de Júpiter deveriam ter produzido flexão contínua no interior de Europa.

Essa flexão, por sua vez, produz calor – e deve ser calor suficiente para derreter a rocha em magma, resultando em atividade vulcânica que pode estar em andamento hoje, especialmente nas latitudes mais altas perto das regiões polares.

Essas simulações deram aos cientistas pistas dessa atividade a serem verificadas quando sondas como a da missão Europa Clipper da NASA e a da missão JUpiter ICy moons Explorer (JUICE) da Agência Espacial Europeia (com lançamento previsto para 2024 e no próximo ano, respectivamente) se aproximarem de Europa.

Anomalias gravitacionais podem sugerir a presença de atividade magmática profunda, e a presença anômala de hidrogênio e metano na fina atmosfera de Europa pode ser o resultado de reações químicas que ocorrem em fontes hidrotermais. Depósitos de materiais oceânicos frescos na superfície de Europa também podem indicar atividade subterrânea.

“A perspectiva de um interior quente e rochoso e de vulcões no fundo do mar de Europa aumenta a chance de que o oceano de Europa seja um ambiente habitável”, disse o cientista do projeto Europa Clipper Robert Pappalardo, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, que não esteve envolvido na pesquisa.

“Podemos testar isso com as medidas composicionais e gravitacionais planejadas para a Europa Clipper, o que é uma perspectiva empolgante”.

Antes, porém, teremos que esperar mais alguns anos para que a espaçonave chegue lá. Culpe a maldita da distância!

A pesquisa da equipe foi publicada na Geophysical Research Letters.