Poderosa tempestade geomagnética envia dezenas de satélites da SpaceX para uma destruição ardente

0
324
Imagem gerada por computador do vento solar que flui do Sol. Créditos: ESA / NASA / SOHO.

Por Ben Turner
Publicado na Live Science

Uma poderosa tempestade geomagnética condenou para a destruição 40 satélites Starlink lançados pela SpaceX na semana passada, anunciou a empresa.

A empresa de Elon Musk lançou um foguete Falcon 9 com os 49 satélites do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, na quinta-feira (3 de fevereiro), mas uma tempestade geomagnética que ocorreu um dia depois fez com que os satélites caíssem de volta à Terra, onde eles queimariam na atmosfera.

“Infelizmente, os satélites lançados na quinta-feira foram significativamente impactados por uma tempestade geomagnética na sexta-feira”, disse a SpaceX em comunicado. “A análise preliminar mostra que o aumento do arrasto nas baixas altitudes impediu que os satélites saíssem do modo de segurança para iniciar as manobras de elevação da órbita, e até 40 dos satélites voltarão ou já entraram na atmosfera da Terra”.

As tempestades geomagnéticas ocorrem quando uma onda de vento solar – partículas carregadas do Sol – colide com o campo magnético da Terra e gera partículas e correntes carregadas na atmosfera superior da Terra.

A onda aquece a atmosfera superior e aumenta sua densidade atmosférica de tal forma que o arrasto experimentado pelos satélites em órbita baixa da Terra pode ser suficiente para enviá-los de volta à Terra. A tempestade geomagnética experimentada pelos satélites veio do vento solar expelido por uma ejeção de massa coronal em 30 de janeiro – uma erupção do Sol.

Após o lançamento, os 49 satélites SpaceX começaram a orbitar a cerca de 210 quilômetros da Terra. Essa órbita baixa foi intencionalmente projetada para tornar os satélites facilmente descartáveis ​​no caso de uma falha pós-lançamento, mas a órbita baixa também os deixou vulneráveis ​​à tempestade geomagnética.

A SpaceX disse no comunicado que os sistemas de GPS dos satélites mostram que a tempestade fez com que o arrasto atmosférico “aumentasse até 50% mais do que durante os lançamentos anteriores”. Em resposta, os satélites foram ordenados a “proteger-se da tempestade” voando “na margem (como uma folha de papel)” da atmosfera.

Esse posicionamento “na margem”, ao diminuir a área de superfície do satélite que passa pela atmosfera, foi uma tentativa de deter a rápida desaceleração dos satélites.

Mas o arrasto era muito forte. Quarenta dos satélites estão agora prontos para cair de volta à Terra. A SpaceX garante ao público que, como os satélites da empresa são projetados para se desintegrar na reentrada da atmosfera, “nenhum detrito orbital é criado e nenhuma parte do satélite atinge o solo”.

Desde que os primeiros satélites Starlink foram lançados em 2019, a SpaceX colocou 2.000 deles na órbita da Terra, e a empresa planeja colocar até 42.000 satélites em uma megaconstelação em órbita da Terra.

O programa Starlink daria aos clientes serviço de internet de alta velocidade de qualquer lugar do mundo, mas tem sofrido críticas constantes dos astrônomos porque seus satélites brilhantes geralmente deixam rastros brilhantes no céu noturno, arruinando as observações astronômicas.

Um estudo de 2021 mostrou que as 8.440 toneladas de objetos espaciais atualmente orbitando a Terra, incluindo satélites inoperantes e pedaços de estágios de foguetes abandonados, aumentaram o brilho geral do céu noturno em mais de 10%, tornando grandes partes da Terra poluídas pela luz, relatou a Live Science anteriormente.

Os críticos também dizem que esses satélites da SpaceX entopem as faixas orbitais próximas à Terra que podem ser usadas ​​por outras empresas ou países.

Especialistas espaciais até alertaram que, uma vez que os primeiros 12.000 satélites da constelação de primeira geração da Starlink estejam em órbita, eles podem se tornar responsáveis ​​por até 90% dos quase acidentes entre duas espaçonaves em órbita baixa da Terra, informou o Space.

Em dezembro de 2021, o diretor-geral da Agência Espacial Europeia, Josef Aschbacher, disse que Musk estava “fazendo suas próprias regras” no espaço e pediu que a União Europeia e outros países se coordenassem para que os satélites da SpaceX não impedissem que outros lançassem seus próprios satélites.