Por que há seis milhões de esqueletos enfiados em túneis sob Paris

0
662
Créditos: Observe / Shutterstock.

Por Tom Hale
Publicado na
IFLS

Paris pode ser a cidade das luzes e do amor, mas sob suas ruas chiques existe um labirinto escuro preenchido com os ossos de 6 milhões de parisienses.

Assim como muitas outras cidades em expansão no início da era industrial, Paris estava sofrendo de problemas, especificamente morte e doenças. A promessa de vida digna na cidade grande trouxe diversas pessoas migrando do campo. No final do século 18, depois que a natureza seguiu seu curso, essa situação acabou resultando em cemitérios lotados.

Les Innocents, um dos maiores cemitérios parisienses em 1700, supostamente exalava o fedor de corpos apodrecendo. Seus terrenos eram incapazes de lidar com a demanda provocada pela superlotação da cidade. O cheiro era tão ruim que os perfumistas locais teriam dificuldade para vender seus produtos. Em maio de 1780, o cemitério estava literalmente vazando corpos. A parede do porão de uma propriedade na fronteira com Les Innocents se abriu sob a pressão de sepultamentos em excesso e chuvas de primavera, causando um jorramento de corpos semi-decompostos e de doenças que inundaram o porão.

Impressão artística do cemitério Les Innocents na década de 1550 por Theodor Josef Hubert Hoffbauer. Crédito: Wikimedia Commons.

Em poucos meses, as autoridades ordenaram o fechamento do Les Innocents e de outros cemitérios da cidade. Nenhum outro corpo poderia ser enterrado na cidade. Com a ameaça à saúde pública ainda iminente, a cidade também decidiu remover o conteúdo dos atuais cemitérios da cidade.

Felizmente, havia um plano. Paris já foi o lar de uma série de antigas minas e pedreiras, perfeitas para um ossário subterrâneo para armazenar os mortos da cidade. Principalmente entre 1787 e 1814, os ossos foram transferidos para as profundezas das minas. A entrada foi construída do lado de fora do antigo portão da cidade, o apropriadamente chamado Barrière d’Enfer, que se traduz vagamente como “Portão do Inferno”. Embora os esqueletos fossem inicialmente empilhados em pedreiras de forma aleatória, eles foram finalmente organizados de forma organizada no posicionamento que você vê hoje.

Créditos: Kelli Hayden / Shutterstock.

Entre os 6 milhões de restos de esqueletos no ossário, você pode encontrar dezenas de personagens da história francesa, incluindo inúmeras figuras decapitadas da Revolução Francesa, como Georges Danton e Maximilien de Robespierre, além de artistas consagrados, como Charles Perrault, conhecido para escrever contos de fadas como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Bela Adormecida.

Hoje, as Catacumbas de Paris se escondem 20 metros abaixo das ruas e você ainda pode visitar cerca de 1,5 km do ossário como turista. Aventurar-se nas galerias proibidas é ilegal desde 1955, mas aventureiros costumam mergulhar mais fundo no labirinto através de entradas ocultas. No entanto, isso certamente não é algo recomendado. Em 2017, três adolescentes foram resgatados das profundezas das catacumbas após terem ficado três dias perdidos em seu labirinto.