Por que o bipedalismo não apareceu mais vezes na evolução?

A evolução não é direcionada. As mutações vão ocorrendo em organismos e vão se somando umas às outras e a partir delas podem surgir mudanças.

0
185
Sala dos hominídeos do Museu da Evolução Humana, em Burgos, Espanha. Créditos: Agence France-Presse / Cesar Manso.

Por Judit Marigó
Publicado no El País

Para responder essa pergunta, temos que dizer que, sim, o bipedalismo apareceu mais vezes na evolução. Existem outros animais bípedes, não apenas humanos. Certos lagartos, muitos pássaros e até mesmo, como mostrado em gravações de câmera-rápida, algumas baratas foram vistas como capazes de correr de forma bípede. Mas esses animais não andam como nós: eles jogam a cabeça para a frente e dobram um pouco as pernas. Não é exatamente o mesmo bipedalismo que os humanos usam.

Se sua pergunta se refere a primatas, também existem outros primatas que andam  de forma bípede, por exemplo, alguns chimpanzés quando carregam alimentos ou objetos que consideram valiosos em suas mãos, eles podem utilizar o bipedalismo. E alguns macacos também podem andar sobre os dois pés. Mas eles também não andam como nós. O bipedalismo dos humanos é único e, portanto, apareceu exclusivamente em nossa linhagem.

Mas a resposta do porquê algo aconteceu ou não aconteceu na evolução é muito complexa. A evolução não é direcionada. As mutações vão ocorrendo em organismos e vão se somando umas às outras e a partir delas podem surgir mudanças. Por exemplo, em nossa linhagem sabemos que existem fósseis bastante antigos que já poderiam ter posturas eretas. Na Catalunha, encontramos um macaco do Mioceno, Pierolapithecus, que tem entre 12 e 13 milhões de anos e embora não pudesse andar como nós, seus traços indicam que ele tinha uma postura bastante ereta. O orifício na base do crânio que serve para passar a medula espinhal e é chamado de forame magno já estava posicionado de forma bastante semelhante a nós e não como em um cachorro que o tem na parte de trás do crânio. Isso indica um tipo de postura mais ereta do que a de um animal quadrúpede.

Mas é verdade que um bipedalismo mais parecido com o nosso não aparece no registro fóssil até o crânio de Taung, que foi encontrado na África do Sul, e no qual o orifício em sua base já é visível. Pela posição do forame magno e outras partes de seu esqueleto, sabe-se que ele poderia andar de maneira semelhante a nós. E aí, a Lucy foi encontrada, os restos de um hominídeo de 3,2 a 3,5 milhões de anos atrás, e neste fóssil pode-se observar um tipo de anatomia bípede. Não só por causa da cavidade do crânio, mas também por causa do formato da pelve e dos ossos das pernas, por exemplo, a maneira como os joelhos estão posicionados. Graças aos fósseis, sabemos quando ocorreu o bipedalismo, mas não sabemos o porquê.

Mas existem diferentes teorias. Darwin argumentou que o bidepalismo certamente apareceu em nossa linhagem porque liberamos nossas mãos e fomos capazes de fazer ferramentas com elas e isso aumentou o tamanho de nosso cérebro. Mas isso é muito debatido, há outros pesquisadores, inclusive eu (Judit Marigó), que acreditam que é porque andar é muito mais eficiente do que caminhar de forma quadrúpede. Estudos de 2007 confirmaram, observando chimpanzés que podem andar de forma bípede por curtos períodos de tempo, que eles precisam de 75% mais energia do que nós para se locomover. Portanto, é lógico pensar que o bipedalismo foi uma grande economia de energia para nossa linhagem.

Você pode pensar que a evolução deveria ter dado prioridade à economia de energia, mas também o ambiente em que você vive é muito importante. Por exemplo, os primeiros primatas que encontramos no registro fóssil que têm entre 55 e 45 milhões de anos viviam em áreas de selva tropical e nesse ambiente é mais vantajoso subir em árvores do que andar no solo. O bipedalismo certamente apareceu na África numa época em que já há mudança de estações, ambientes muito mais áridos e muito menos comida disponíveis nas árvores. Então, aqueles animais tiveram que descer ao solo e se adaptar a isso. Até então, os primatas não enfrentam esse dilema. A partir daí, as coisas começam a mudar, como a posição do forame magno – que é muito importante para processo –, visto que até que ele seja reposicionado e o animal possa adotar uma postura mais ereta, eles não podem realmente se tornar bípedes e começar a economizar energia.

Muitos são os fatores que desempenharam um papel importante: o meio ambiente, a capacidade de obter recursos, etc. Além disso, a evolução funciona por tentativa e erro, há mutações contínuas, há algumas que não surtem efeito, há outras que causam danos e outras que são vantajosas, mas todas elas ocorrem de forma aleatória.