Quando os cientistas adaptam a realidade às suas teorias

Trecho do livro 'La naturaleza del tiempo', de Gustavo Romero, no qual critica a crise que parte da física teórica vêm passando.

0
463
O CERN têm proporcionados grandes êxitos à física teórica na descrição da realidade.

Tradução de Julio Batista | Original postado
no site El País, por Gustavo Esteban Romero,
no dia 16 de fevereiro de 2020

Em dezembro de 2014, dois dos principais cosmólogos do mundo, George Ellis e Joe Silk, publicaram um artigo intitulado Defend the Integrity of Physics na revista Nature. Se tratava de um artigo bastante corajoso onde eles se preocupavam pelo fato de muitos físicos que trabalham na área da teoria das cordas estarem defendendo uma mudança nos critérios de avaliação das teorias científicas. Em particular, esses físicos estão argumentando que critérios como a capacidade de fazer previsões sobre o mundo real, ou o de uma teoria ter o dever de ser confrontada com experimentos, devem ser abandonados e substituídos por outros menos rigorosos, com base em considerações estéticas ou não-empíricas, como a consideração de consensos específicos de uma determinada comunidade. No momento em que a cosmologia, uma disciplina geralmente considerada especulativa, entrou em um estágio de grande precisão devido à existência de dados de grande qualidade obtidos por satélites e telescópios, não é de surpreender que esse clamor por uma especulação sem controle experimental seja visto por cientistas como um retrocesso e uma ameaça. Ainda mais se considerarmos que a ciência, há algum tempo, é objeto de ataques permanentes de filósofos pós-modernos, fundamentalistas religiosos e outros elementos fanáticos.

Os cientistas que argumentam que seu trabalho não deve ser avaliado pelo fato de preverem ou não coisas constatáveis, mas por sua beleza interna e por consenso na comunidade onde essas obras foram realizadas, adotaram o que na filosofia é chamado de posição pós-moderna: a ciência é um discurso entre muitos outros que formam a narrativa social. Para esses pós-modernos, uma teoria, considerada como discurso, é válida se for aceita pela comunidade que lança esse discurso. O sentimento deixado por essa posição é que essas pessoas estão querendo garantir seu trabalho e não buscar uma representação da realidade o mais verdadeira possível. De fato, abandonaram o ideal de buscar a verdade, de expressar-se claramente e de compreender a realidade, que caracteriza a atitude científica desde o tempo dos filósofos pré-socráticos e do nascimento do pensamento racional e crítico. Se o que eles estão produzindo não atende aos padrões do que até recentemente era chamado de ciência, esse grupo de pessoas exerce grande pressão para alterar os padrões de avaliação, em vez deles se adequarem aos padrões e avançarem para outro tópico de pesquisa que possa permitir uma saída para o beco onde eles estão. É uma situação muito séria, porque, se essas tendências predominarem, elas podem levar o sistema científico a uma enorme crise, especialmente no momento em que outras áreas da ciência estão em alta e nos trazendo grandes contribuições.

Os recentes avanços nas neurociências, por exemplo, são surpreendentes. Nos últimos 20 anos, as experiências gerais sobre o cérebro revolucionaram o conhecimento que temos sobre como funcionam as habilidades cognitivas do ser humano. Se fosse propagada para essas jovens disciplinas os critérios anti-empíricos e anti-experimentais que alguns físicos de cordas promovem, poderá gerar uma situação que interromperia o crescimento dessas disciplinas que se desenvolvem vigorosamente. De certa forma, alguns negligentes estão tentando exportar e universalizar seu fracasso, em vez de admiti-lo.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, essencialmente, nenhuma nova física fundamental comparável à encontrada na primeira metade do século XX foi descoberta.

Capa do livro.

A situação da física teórica é difícil devido a múltiplos fatores. O fator sociológico está na organização comercial do sistema científico, no estilo americano. Essa organização serviu para fabricar uma bomba atômica ou para criar os aceleradores de partículas que levaram ao grande boom da física de partículas no final da década de 1950, mas não serviu para encontrar uma nova física. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, praticamente nenhuma nova física fundamental comparável à encontrada na primeira metade do século XX foi descoberta. No sistema científico americano, o pesquisador não tem tempo para se dedicar aos fundamentos de suas teorias ou a questões substantivas: há uma enorme pressão para publicar artigos que servirão para obter subsídios ou subvenções, que é o que, basicamente, vale para o pesquisador. Por quê? Porque a universidade norte-americana escolhe os professores que contratará de acordo com suas habilidades para obter subsídios, uma vez que capta uma parcela da produção acadêmica, o que significa para eles uma importante fonte de renda. Assim, a universidade prioriza os pesquisadores que publicam muito nas áreas da moda e, portanto, podem obter subsídios frutíferos.

O mundo acadêmico foi monetizado, comercializado às custas da opção pela busca de solucionar os principais problemas científicos. As pessoas não apresentam problemas fundamentais, porque grandes problemas exigem muito tempo e maturidade e isso afeta as taxas de publicação. A publish or perish (“publicar ou perecer”, em inglês) tem levado a um reductio ad absurdum que produz um fluxo permanente de artigos supérfluos que, em sua grande maioria, nunca serão lidos ou compreendidos. Tudo isso faz a originalidade desaparecer, porque é sempre mais confiável adotar uma técnica comprovada e replicá-la do que expôr do zero um novo problema. O mercado acadêmico pressiona para que cargos estáveis sejam atribuídos a cientistas que têm capacidade para obter grandes subsídios e são reconhecidos por seus pares. Esses cientistas poderão então escolher as novas pessoas que ingressam no sistema – pessoas cujos empregos geralmente estarão alinhados com aqueles que os selecionam. Depois, há uma espécie de reprodução dos temas: os discípulos são formados à imagem e semelhança dos professores, e então os professores decidem quem são aqueles que os substituem nas cadeiras. O sistema acadêmico monotematiza a pesquisa através de um círculo vicioso, cujo resultado é um pesquisador hiperespecializado, com pouca versatilidade e originalidade.

Ao invés de optarem por estudar o universo observável, o que eles fazem, para resolver o problema da degeneração, é postular universos infinitos.

Isso aconteceu em grande parte com o boom das publicações sobre a teoria das cordas no final dos anos 90 nos Estados Unidos. O resultado é que hoje existem muitos físicos ocupando muitas cadeiras importantes nas melhores universidades e cuja especialização é algo basicamente inútil, e não há esperança de que ela sirva a qualquer momento. Isso leva à atual crise da física: são pessoas sem formação para se dedicar a outra coisa e, portanto, pressionam para que as condições externas se adaptem ao que podem fazer. Diante de uma situação como a teoria das cordas, […], os novos defensores da teoria, em vez de dizer “esse é um beco sem saída e nunca poderei prever nada”, o que eles dizem é: “Para cada uma dessas representações topológicas da teoria das cordas há um universo em que a teoria é válida.” Isso os leva a postular algo incrível: universos infinitos.

Ao invés de optarem por estudar o universo observável, o que eles fazem, para resolver o problema da degeneração, é postular universos infinitos. É o paroxismo da inflação ontológica. Um caminho metodológico oposto ao que, tradicionalmente, levou às grandes descobertas da ciência. Quando uma teoria não é compatível com a realidade, a teoria é alterada, não a realidade que é alterada agregando universos infinitos. Alguns cosmólogos estão aterrorizados com o fato de que, em breve, o trabalho sobre múltiplos universos proliferará e sua disciplina retornará à antiga especulação sem amarras. Por esse motivo, Ellis e Silk publicaram esse artigo corajoso para atrair a atenção da comunidade científica e propor uma reunião, na qual também participariam filósofos, para mostrar que são necessários padrões rígidos na avaliação de teorias científicas. O problema de lidar com essas questões com os filósofos é que muitos deles discordam do uso de critérios rígidos para avaliar teorias. A filosofia acadêmica no mundo anglo-saxão passou por um processo semelhante ao da física teórica após os grandes desenvolvimentos na lógica das décadas de 1930 e 1940, quando a semântica formal foi estabelecida.

É um movimento perigoso: os pesquisadores se afastam da realidade e dos problemas reais e passam a considerar como atividade científica legítima algo que é apenas um discurso ou um monólogo pós-moderno. Um relato. A realidade é gerada no escritório do físico.

A partir dos anos cinquenta, os lógicos de orientação filosófica se dedicaram, mais do que tudo, a criar lógicas alternativas. A maioria das aplicações da lógica é de lógica de primeira ordem, que é chamada de lógica de predicado e, em alguns aspectos, de lógica de segunda ordem. Existem muitas outras lógicas, lógicas infinitas possíveis, mas em geral elas não têm aplicação à realidade. Uma dessas lógicas é chamada lógica modal ou lógica de possibilidade, que sempre foi considerada como um mero jogo formal que não tem aplicação na ciência. O filósofo americano Saul Kripke postulou que a lógica modal poderia resolver seu problema fundamental, que é como estabelecer o verdadeiro valor de suas afirmações, postulando mundos infinitos: uma afirmação modal é verdadeira se, e somente se, houver um mundo em que essa afirmação seja verdadeira. Muitos lógicos e filósofos analíticos se dedicaram a reformular a lógica modal em termos da pluralidade de mundos ou de universos infinitos. Isso é consistente com a postura de alguns físicos radicais das cordas e seus multiuniversos. Esses supostos universos não interagem entre si e são totalmente desconectados um do outro. Você nunca pode, mesmo em princípio, planejar um experimento que permita estabelecer a realidade desses outros universos.

Isso apresenta uma situação peculiar e potencialmente muito perigosa: tanto os lógicos quanto os filósofos que não lidam com problemas relevantes, como físicos teóricos presos no beco da teoria das cordas, de repente se veem tendo interesses comuns e começam a se apoiar mutuamente. Isso termina em cientistas como Stephen Hawking, que falou da morte da filosofia se referindo à filosofia tradicional, e filósofos que dizem que “devemos basear a filosofia nas teorias modernas da física”, referindo-se à teoria das supercordas e o do multiuniverso ou multiverso. É um movimento perigoso: os pesquisadores se afastam da realidade e dos problemas reais e passam a considerar como atividade científica legítima algo que é apenas um discurso ou um monólogo pós-moderno. Um relato. A realidade é gerada no escritório do físico.

Esse movimento teve outra consequência prejudicial: o surgimento de cientistas midiáticos e gurus da ciência. O oposto da imagem tradicional do cientista, que se preocupa em fazer observações extravagantes e é uma referência para impedir o charlatanismo. Muitos desses negligentes consideram Ed Witten um tipo de guru. Uma única opinião de Witten expressa em uma conferência pode fazer com que centenas de jovens cientistas trabalhem em uma direção sem questionar os motivos. Outros cientistas, mais preocupados com sua popularidade do que com a ciência, passam o tempo fazendo profecias sobre todos os tipos de tópicos, desde o fim da filosofia ou da física até o fim do mundo. É o triste caso de Hawking, que nos últimos anos de sua vida parecia dedicado apenas a cultivar sua popularidade pessoal entre o público em geral através das reivindicações mais absurdas. Tudo isso cria uma imagem muito pobre da ciência e sua contribuição para a cultura, principalmente se compararmos a situação com a época em que os números de referência eram Einstein, Max Planck, Niels Bohr e outros cientistas de igual impacto e consciência cívica e social.


Este texto é um trecho do livro La naturaleza del tiempo,
de Gustavo E. Romero, com prefácio de Mario Bunge,
da Editorial Laetoli (www.laetoli.es), que estará à venda
nas livrarias a partir de 24 de fevereiro.

Gustavo E. Romero é diretor do Instituto Argentino de Radioastronomia e professor titular da Faculdade de Ciências Astronômicas e Geofísicas da Universidade Nacional de La Plata, encarregada da cadeira de Astrofísica Relativística.

CONTINUAR LENDO