Resposta ao texto “A ‘memeficação’ da Ciência”

Cain por Henri Vidal, Jardim das Tulherias, Paris, 1896.

No mês passado, o blog True Singularity publicou um texto sobre a forma como a ciência anda a ser divulgada por blogs, sites e páginas de Facebook. De forma não surpreendente, o Universo Racionalista também foi citado no texto. Mas, claro, de forma completamente descontextualizada.

A intenção deste texto é apenas em rebater as afirmações infundadas que a autora faz contra o Universo Racionalista, pois acredito que o resto seja trivial e justifico minha alegação de trivialidade demonstrando os números dos maiores portais de divulgação científica do mundo (veja a I Fucking Love Science e a From Quarks to Quasars). Mas claro, há também exceções, mas aqui selecionei apenas páginas que prezam pela qualidade de seus conteúdos.

No texto, temos a seguinte citação:

Outro caso típico são páginas dedicadas ao ceticismo, aquelas que atacam astrologia, numerologia, etc. Em português a mais famosa é provavelmente o Universo Racionalista. Entenda bem, não temos nenhuma simpatia pelos diversos “gurus” e congêneres, mas existe uma diferença muito grande entre ceticismo e ciência. Nós não temos a pretensão de separar o mundo em verdades e mentiras, estamos apenas tentando compartilhar certas coisas que aprendemos. Essa é a diferença entre ceticismo e ciência, o primeiro vê o segundo apenas como um instrumento.

1. Não somos uma página exclusivamente de ceticismo[1], ele é apenas um dos componentes. Somos dedicados à ciência e filosofia. Às vezes, usamos a última com o intuito de analisar os problemas epistemológicos da ciência e da pseudociência, além de denunciar as afirmações desonestas que são feitas contra a ciência por movimentos anticiência. O ceticismo é apenas um dos componentes nesta investigação. Assim como também é um dos essenciais para se fazer boa ciência e filosofia.

[1] Ceticismo científico ou metodológico:

O ceticismo científico é uma típica postura de dúvida metodológica. É uma postura que visa investigar a veracidade de alguma alegação antes de pensar na possibilidade de aceitá-la ou rejeitá-la. Esse tipo de ceticismo emprega princípios do pensamento crítico e do método científico para verificar a validade de ideias.

2. Em seguida, temos:

“O que importa é um resultado ou outro e não o que aquilo significa. Não surpreendentemente, as páginas de ceticismo costumam interpretar equivocadamente experimentos e teorias.

Essa afirmação é falsa. O que importa não é “um resultado ou outro”. Importa também o que aquilo realmente significa, principalmente quais são as implicações existentes de uma nova descoberta no cenário científico, filosófico e tecnológico, uma vez que o campo interdisciplinar anda cada vez mais em alta com filosofias científicas e tecnociências, ou até mesmo até que ponto tal descoberta implicaria (positivamente ou negativamente) nas atuais “visões de mundo” sobre o que entendemos por “realidade” (as cosmovisões mais defendidas). Por exemplo: realismo versus antirrealismo; ou até mesmo na problemática sobre os estados mentais (a consciência, por exemplo) entre a neurociência e a filosofia da mente (dualismo versus fisicalismo, etc.).

Certamente, o nosso grupo do Universo Racionalista não é o mais famoso da área em português. Portanto, percebe-se que o texto feito é apenas um disfarce de uma crítica destrutiva, refletida de uma falta de entendimento de conceitos.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorEmmy Noether e as simetrias da natureza
Próximo artigoOs sentidos de “materialismo”
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.