Revista Galileu, está na hora de mudar de nome

24
2959

Há usos justos e injustos do nome de Galileu Galilei. Um uso justo recente está no título do livro da historiadora e bioeticista Alice Dreger, “Galileo’s Middle Finger” (“O dedo do meio de Galileu”, 2015, em tradução livre). Nesse livro, além de definir o que é uma “personalidade galileana” – “briguenta, articulada, politicamente incorreta, e firmemente centrada na crença de que a verdade [lhe] salvará” (p. 185, grifo meu) – Dreger conta vários casos de pesquisadores que, como Galileu e com essa personalidade, foram alvo de polêmicas públicas e tratados injustamente por gente com mais fervor moral que preocupação com a verdade. O dedo do meio de Galileu – que caiu do cadáver quando exumado e hoje é exibido para turistas na Itália – é uma marca engraçada acidental da falta de respeito do velho por autoridades e crenças do seu tempo.

Já a Revista Galileu, que usa o cientista herege como marca, deveria repensar seu nome. Não apenas por recentemente ter virado palanque para o politicamente correto, mas por errar repetidamente valorizando mais os brios morais de grupos ideologicamente motivados que seu propósito nominal aparente, a divulgação científica. Vamos a exemplos.

1 – Revista Galileu ignora ciência quando o assunto é gênero e sexualidade

Na edição de novembro de 2015, a revista publicou como capa uma matéria que prometia que “Tudo o que você sabe sobre gênero está errado”. Assim mesmo, com esse título isca de cliques. A matéria busca, corretamente na minha opinião, defender os direitos das pessoas transexuais. Porém, não tem nada de ciência, muito menos tem sucesso em demonstrar que tudo o que eu sei sobre gênero está errado. O título usa o verbo saber, mas na verdade a matéria inteira não está muito preocupada com saber, mas com moralidade, o que não seria problema se a revista se vendesse como uma revista de ativismo e ética. Mas não é o caso. Não só a matéria não tem muito a ver com saber, na verdade em algumas passagens está perto de atacar explicitamente o que se sabe cientificamente sobre sexo e gênero:

“O binário [feminino-masculino] é uma projeção arbitrária do “dimorfismo” corporal, ou seja, a ideia de que existem dois organismos distintos na espécie humana, um com pênis, outro com vagina. Mas essa taxonomia biológica é falha, pois ela é incapaz de dar conta dos corpos intersexos, aqueles que nascem com pênis e vagina, ou com genitália ambígua/indefinida. Enquadrar as pessoas em gêneros, desejos e categorias estáveis é também uma forma de castração.” (Negrito original.)

Só que “o binário” não é arbitrário. O ser humano é uma espécie sexualmente dimórfica (com duas versões estatisticamente agregadas distinguíveis), e é possível observar isso com algo tão simples quanto medir a altura. Segundo a própria Alice Dreger, que começou a carreira escrevendo sobre intersexualidade e explicando como cientistas dos séculos XIX e XX dificultaram a vida das pessoas anteriormente conhecidas como “hermafroditas”, cerca de uma em cada duas mil pessoas são intersexo. Isso significa que o tal “binário” se aplica para 99,95% dos seres humanos, em se tratando de genitália. O artigo, por algum motivo, não menciona a frequência da intersexualidade nem da transexualidade. Se uma classificação acerta em 99,95% das vezes, especialmente em biologia em que os fenômenos são tão variáveis, ela não pode ser simplesmente chamada de arbitrária.

Defender os direitos de pessoas com variações raras – que nascem com pênis mas têm um cérebro mais próximo da média feminina, por exemplo – não é atitude que precise ser acompanhada de afirmações contrafactuais como essa de que a classificação das pessoas em masculinas e femininas é completamente arbitrária. Sobre a alegação de que é castração acreditar no fato de que a maioria esmagadora das pessoas é classificável de forma estável no tempo (até para a vida toda): como dizem na Wikipédia, “carece de fontes”. Ninguém é transfóbico por simplesmente saber que intersexuais e transexuais são pessoas raras, parte da variação natural, mas raras, e que estranho e impraticável seria mudar todas as nossas categorias sociais para acomodar um conjunto muito pequeno de pessoas. Aliás, as categorias de gênero nem precisam mudar para acomodar a maioria dos trangêneros. Podemos chamar as pessoas transexuais como elas querem ser chamadas (não é tão difícil, já que a maioria delas está muito contente em ser classificada como homem e mulher, pois transicionam de uma coisa para outra), e negociar alguma forma de tratar respeitosamente as pessoas que se considerarem intermediárias entre masculino e feminino. Independente do debate sobre a ética do tratamento de pessoas transexuais e intersexuais, o que interessa aqui é que não é honesto fingir que a ciência nada tem a dizer sobre os fatos em torno dessas coisas, especialmente numa revista com nome de cientista.

Algo que eu acho meio assustador de se ver numa revista com o nome de um cientista é a absoluta falta de curiosidade até pelo assunto que está sendo discutido. Não há nenhuma menção a cientistas que têm algo a dizer sobre gênero no cérebro, como Larry Cahill, Simon Baron-Cohen e Melissa Hines. E no assunto escolhido, transexualidade, vemos histórias sofridas de pessoas transexuais, mas nenhuma menção à pesquisa de cientistas como Dick Swaab (vide gráfico abaixo), Ray Blanchard e J. Michael Bailey. Os dois últimos, especialmente Bailey, já viraram alvo de uma minoria de ativistas trans que não gostam da hipótese de que há dois tipos principais de transexuais que transicionam de expressão masculina para a feminina: a “transexual androfílica” e a com “autoginecofilia”. A segunda categoria é especialmente polêmica porque a sugestão dos cientistas é que a identidade de gênero desse tipo de mulheres trans é resultado de sua orientação sexual que envolve um “amor por si mesma como mulher”. Ou seja, a sugestão da revista de que orientação sexual e identidade de gênero são coisas completamente separadas não é aceita por cientistas que estudam ambos os fenômenos. Bailey, aliás, é um dos maiores especialistas em genética da homossexualidade. Quando ele publicou um livro sobre a autoginecofilia (“The Man Who Would Be Queen“, 2003), uma ativista (com indícios de ser ela mesma autoginecófila), tentando silenciá-lo, chegou a publicar num site fotos dos filhos do cientista e insinuar que ele os sodomizava. Dreger trata deste caso em seu livro. O importante a ser lembrado aqui é: quando a ciência e as ideias de ativistas entrarem em conflito, a revista Galileu ficará do lado da ciência? Não parece.

identidade_de_genero

Note-se também que o termo “queer”, vinculado à “teoria” queer, é mencionado na matéria com certa frequência. A “teoria queer” é fruto do pós-modernismo, uma moda intelectual das últimas décadas hostil à ciência, à objetividade e à imparcialidade. O pós-modernismo é um falso amigo de causas sociais, mas esse é um assunto para outra ocasião. O que o pós-modernismo está fazendo numa revista “de ciência”, eu não sei.

2 – O caso do anticoncepcional químico para homens

“Que triste para esses coitadinhos desses homens”, disse Anna Rhodes no jornal britânico Independent. Ela se refere a um artigo publicado recentemente com origem em um estudo com tratamento contraceptivo hormonal para homens. “[E]les não conseguiram aguentar os efeitos colaterais com que tantas mulheres têm que lidar todos os dias apenas para evitar gravidez indesejada”. O estudo foi interrompido em 2011 por preocupações éticas, pois os homens estavam manifestando alterações de libido, de humor e outros efeitos como acne. A Galileu, prontamente, publicou que “‘Anticoncepcional’ masculino é adiado por ter reações semelhantes ao feminino” (negrito meu).

O problema é que a comparação é enganosa, e a manchete sobre a interrupção do estudo é mentirosa. Rhodes estava se baseando na taxa de abandono do tratamento pelos probandos do estudo (6,5%), que foi mais baixa que em estudos com tratamentos similares para mulheres (~10%). Como apurou Roberto Takata, os riscos do anticoncepcional masculino não eram “similares”, como alega a manchete da Galileu, aos efeitos colaterais dos anticoncepcionais femininos. A chance de desenvolver acne era mais de dez vezes maior para os probandos do estudo com o anticoncepcional masculino do que é típico para mulheres tomando pílula (ao menos tomando E2V/DNG). A chance de alteração da libido, quase 15 vezes maior, e 23% dos probandos tiveram dor no local da injeção (o anticoncepcional masculino não era uma pílula, mas uma injeção hormonal bimestral). Uma minoria dos homens ficou estéril, possivelmente em definitivo.

O artigo da Galileu a respeito parece ser derivado de leitura de segunda ou terceira mão da deturpação que começou, aparentemente, com Rhodes. Ou seja, nem mesmo o trabalho básico de jornalismo, que é a checagem das fontes primárias, foi feito pela revista. Mais interessante que os erros e exageros de Rhodes são as motivações: com toda probabilidade, o motivo das deturpações, conscientes ou não, foi a confirmação de ideias de uma forma de “feminismo” que mais parece guerra dos sexos. Por que outro motivo algumas publicações até chamaram os probandos do estudo de “covardes”? Não há nem mesmo sinal de covardia neles, pois a maioria queria continuar tomando o anticoncepcional mesmo com todos os riscos substanciais à saúde, além do risco de esterilidade permanente. Mas, como a ciência sabe, expor-se a riscos é um comportamento estatisticamente mais concentrado em homens que em mulheres.

Galileu, o original, ouvindo rumores sobre um instrumento recém-inventado para observar os astros, não perdeu tempo e criou sua própria luneta, e a aperfeiçoou. Logo estava vendo crateras na Lua, desafiando milênios de dogma e senso comum sobre a perfeição dos objetos do céu. A revista que tem o seu nome, talvez por problemas que o jornalismo em geral está tendo de enfrentar nos nossos tempos, não parece capaz de sequer ir a uma fonte original, lê-la e checar as alegações de outros veículos de imprensa a respeito. Será que a culpa é do público, que tem mais ultraje moral que curiosidade? Será que é dos jornalistas preguiçosos, que acham mais fácil citar fonte de segunda ou terceira mão, basicamente fazendo mais trabalho de tradução que de jornalismo? Independente do que for, eu não estou aqui reclamando que a revista faça o que está fazendo ou até apele para iscas de cliques, sensacionalismo e ativismo. Estou só dizendo que se ela está tão disposta a se afastar da divulgação científica para botar outras coisas no lugar, se lucra mais com o ultraje moral que com a curiosidade, que perceba que o nome da publicação pode até parecer fixo agora, eppur si muove.

CONTINUAR LENDO