Revista Nature se desculpa e condena racismo com asiáticos por conta do coronavírus

Editorial publicado pelo prestigiado periódico acadêmico critica a politização da crise.

Crédito: Getty Images.

Em meio a atual pandemia, é possível ver como políticos e mesmo cientistas e divulgadores científicos começaram a atribuir as causas da doença ao país chinês, frequentemente com conotações racistas e sem embasamento empírico. A seguir, uma tradução do editorial da revista Nature sobre a polêmica.

Publicado na Nature

Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou em fevereiro que a doença causada pelo novo coronavírus seria chamada COVID-19, o nome foi rapidamente adotado pelas organizações envolvidas na comunicação de informações de saúde pública. Além de nomear a doença, a OMS implicitamente enviava um lembrete àqueles que associaram erroneamente o vírus a Wuhan e à China em sua cobertura de notícias – incluindo a Nature. O fato de termos feito isso foi um erro de nossa parte, pelo qual assumimos a responsabilidade e pedimos desculpas.

Durante anos, era comum as doenças virais estarem associadas às paisagens, locais ou regiões onde ocorreram os primeiros surtos – como na síndrome respiratória do Oriente Médio ou no vírus Zika, em homenagem a uma floresta em Uganda. Mas em 2015, a OMS introduziu diretrizes para interromper essa prática e, assim, reduzir o estigma e os impactos negativos, como medo ou raiva direcionados a essas regiões ou seu povo. As diretrizes sublinharam que os vírus infectam todos os seres humanos: quando ocorre um surto, todos correm risco, independentemente de quem são ou de onde são.

E, no entanto, à medida que os países lutam para controlar a disseminação do novo coronavírus, uma minoria de políticos segue o roteiro desatualizado. O presidente dos EUA, Donald Trump, associou repetidamente o vírus à China. O legislador brasileiro Eduardo Bolsonaro – filho do presidente Jair Bolsonaro – o chamou de “culpa da China”. Políticos em outros lugares, inclusive no Reino Unido, também estão dizendo que a China tem responsabilidade.

Continuar a associar um vírus e a doença que ele causa a um local específico é irresponsável e precisa parar. Como o epidemiologista de doenças infecciosas Adam Kucharski nos lembra em seu oportuno livro The Rules of Contagion, publicado em fevereiro, a história nos diz que as pandemias levam à estigmatização das comunidades, motivo pelo qual todos precisamos ser mais cuidadosos. Em caso de dúvida, procure aconselhamento e volte sempre ao consenso das evidências.

Ataques racistas

Não fazer isso tem consequências. É claro que desde que o surto foi relatado pela primeira vez, as pessoas de ascendência asiática em todo o mundo foram submetidas a ataques racistas, com custos humanos incalculáveis ​​- por exemplo, em sua saúde e meios de subsistência. As agências policiais dizem que estão tornando a investigação de crimes de ódio uma alta prioridade, mas essas investigações podem ser muito tarde para alguns, incluindo muitos dos mais de 700.000 estudantes chineses de graduação, mestrado e doutorado que estudam em universidades fora da China. A maioria está na Austrália, Reino Unido e Estados Unidos. Muitos voltaram para casa enquanto suas instituições estão fechadas devido a bloqueios e muitos podem não retornar. Os estudantes hesitam em voltar, em parte por causa do medo do racismo contínuo, junto a incerteza sobre o futuro de seus cursos e sem saber quando as viagens internacionais serão retomadas.

Esses jovens sofrerão perturbações e perda de novas conexões e oportunidades. Mas a perda de estudantes da China e de outros países da Ásia também tem implicações abrangentes e preocupantes para a empreitada acadêmica. Isso significa que as universidades nos países afetados se tornarão menos diversas – algo que não acontece há gerações.

Uma perda para todos

Por décadas, os campi têm se esforçado para aumentar a diversidade e os países adotaram políticas para incentivar a mobilidade acadêmica internacional. A diversidade é valiosa por si só. Incentiva a compreensão e o diálogo entre culturas, e o compartilhamento de pontos de vista e modos de ser. E sempre foi um combustível para pesquisa e inovação.

Além disso, é necessário um corpo diversificado no campus para melhorar políticas e estruturas para que as universidades – e as publicações de pesquisa – possam se tornar mais acolhedoras. Muitas barreiras à diversidade permanecem: na edição de abril da revista Nature Reviews Physics, por exemplo, pesquisadores e comunicadores científicos da China, Índia, Japão e Coreia do Sul relatam exemplos de discriminação e outros fatores que os impedem de serem ouvidos em revistas internacionais (S. Hanasoge et al., Nature Rev. Phys. 2, 178–180; 2020).

Muitos líderes querem ouvir e agir com conselhos científicos especializados para lidar com essa pandemia e salvar vidas. Na terminologia, o conselho é claro: todos devemos fazer tudo o que pudermos para evitar e reduzir o estigma; não associar a COVID-19 a grupos específicos de pessoas ou lugares; e enfatizar que os vírus não discriminam – estamos todos em risco.

Seria trágico se o estigma, alimentado pelo coronavírus, levasse os jovens da Ásia a se retirarem dos campi internacionais, restringindo sua própria educação, reduzindo as oportunidades deles e de outras pessoas e deixando a pesquisa pior – exatamente quando o mundo está contando com ela para encontrar uma saída.

O estigma do coronavírus deve parar – agora.