Temos mais evidências do cruzamento de humanos modernos com misteriosos denisovanos

0
300
Um dos poucos restos de Denisovanos conhecidos, uma mandíbula encontrada no Tibete. (Créditos: Dongju Zhang/Wiki Commons/CC BY-SA)

Traduzido por Julio Batista
Original de João TeixeiraKristofer M. Helgen para o The Conversation

O Sudeste Asiático insular tem um dos maiores e mais intrigantes registros fósseis de hominídeos do mundo. Mas nossa nova pesquisa sugere que há outra espécie humana pré-histórica esperando para ser descoberta nesta região: um grupo chamado Denisovanos, que até agora só foi encontrado a milhares de quilômetros de distância em cavernas na Sibéria e no Planalto Tibetano.

Nosso estudo, publicado na Nature Ecology and Evolution, revela evidências genéticas de que humanos modernos (Homo sapiens) cruzaram com denisovanos nesta região, apesar do fato de fósseis denisovanos nunca terem sido encontrados aqui.

Por outro lado, não encontramos nenhuma evidência de que os ancestrais das atuais populações do Sudeste Asiático insular cruzaram com qualquer uma das duas espécies de hominídeos que temos evidências fósseis nesta região: H. floresiensis da Ilha de Flores, na Indonésia e H. luzonensis da Ilha de Luzon, nas Filipinas.

Juntos, isso revela um cenário intrigante – e ainda longe de ser claro – da ancestralidade evolucionária humana no Sudeste Asiático insular. Ainda não sabemos a relação precisa entre o H. floresiensis e o H. luzonensis, os quais eram distintamente de estatura pequena, e o restante da árvore genealógica dos hominídeos.

E, talvez ainda mais intrigante, nossas descobertas levantam a possibilidade de que existam fósseis de Denisovanos ainda esperando para serem desenterrados no Sudeste Asiático insular – ou de que já podemos tê-los encontrado, mas os rotulado como algo diferente.

Um antigo crisol de hominídeos

Registros de ferramentas de pedra sugerem que H. floresiensis e H. luzonensis descendem de populações de Homo erectus que colonizaram suas respectivas ilhas há cerca de 700.000 anos. H. erectus é o primeiro ser humano antigo conhecido a se aventurar para fora da África e chegou pela primeira vez no Sudeste Asiático insular há pelo menos 1,6 milhão de anos.

Isso significa que os ancestrais do H. floresiensis e H. luzonensis divergiram dos ancestrais dos humanos modernos na África há cerca de dois milhões de anos, antes do H. erectus iniciar suas viagens. Os humanos modernos se espalharam da África muito mais recentemente, provavelmente chegando ao Sudeste Asiático insular 70.000-50.000 anos atrás.

Já sabemos que em sua jornada para fora da África cerca de 70.000 anos atrás, o H. sapiens conheceu e cruzou com outros grupos de hominídeos relacionados que já haviam colonizado a Eurásia.

O primeiro desses encontros foi com os neandertais e resultou em cerca de 2 por cento da ancestralidade genética dos neandertais nos humanos não-africanos de hoje.

Os outros encontros envolveram Denisovanos, uma espécie que foi descrita exclusivamente a partir da análise de DNA de um osso de dedo encontrado na Caverna Denisova na Sibéria.

Curiosamente, no entanto, as maiores quantidades de ancestrais denisovanos nas populações humanas de hoje são encontradas no Sudeste Asiático insular e no antigo continente de Sahul (Nova Guiné e Austrália). Isso é provavelmente o resultado do cruzamento local entre denisovanos e humanos modernos – apesar da falta de fósseis denisovanos para apoiar essa teoria.

Para saber mais, pesquisamos as sequências do genoma de mais de 400 pessoas vivas hoje, incluindo mais de 200 do Sudeste Asiático insular, procurando sequências de DNA distintas características dessas espécies de hominídeos anteriores.

Encontramos evidências genéticas de que os ancestrais das pessoas que atualmente vivem no Sudeste Asiático insular cruzaram com os denisovanos – assim como muitos grupos fora da África cruzaram de forma semelhante com os neandertais durante sua história evolutiva. Mas não encontramos nenhuma evidência de cruzamento com as espécies mais distantes evolutivamente H. floresiensis e H. luzonensis (ou mesmo H. erectus).

Este é um resultado notável, já que o Sudeste Asiático insular fica a milhares de quilômetros da Sibéria e contém um dos registros fósseis de hominídeos mais ricos e diversificados do mundo. Isso sugere que há mais riquezas fósseis a serem descobertas.

Então, onde estão os denisovanos da região?

Existem duas possibilidades empolgantes que podem reconciliar nossos resultados genéticos com as evidências fósseis. Primeiro, é possível que Denisovanos se misturaram com H. sapiens em áreas do Sudeste Asiático insular onde fósseis de hominídeos ainda não foram encontrados.

Um local possível é Celebes, onde foram encontradas ferramentas de pedra que datam de pelo menos 200.000 anos. Outro é a Austrália, onde artefatos de 65.000 anos atualmente atribuídos a humanos modernos foram recentemente encontrados em Madjebebe.

Alternativamente, podemos precisar repensar nossa interpretação dos fósseis de hominídeos já descobertos no Sudeste Asiático insular.

Fósseis denisovanos confirmados são extremamente raros e até agora só foram encontrados na Ásia Central. Mas talvez os denisovanos fossem muito mais diversos em tamanho e forma do que imaginávamos, o que significa que podemos concebivelmente já tê-los encontrado no Sudeste Asiático insular, mas os rotulado com um nome diferente.

Dado que as primeiras evidências da ocupação hominínea nesta região são anteriores à divergência entre os humanos modernos e os denisovanos, não podemos dizer com certeza se a região foi continuamente ocupada por hominídeos ao longo desse tempo.

Portanto, pode ser possível que H. floresiensis e H. luzonensis (mas também formas posteriores de H. erectus) sejam muito mais aparentados dos humanos modernos do que se supõe atualmente, e podem até ser responsáveis ​​pela ancestralidade denisovana vista nas populações humanas atuais no Sudeste Asiático insular.

Se isso for verdade, isso significaria que os misteriosos Denisovanos estão se escondendo à vista de todos, disfarçados de H. floresiensisH. luzonensis ou H. erectus.

Resolver esses enigmas intrigantes significará esperar por futuros estudos arqueológicos, de DNA e proteômicos (relacionados a proteínas) para revelar mais respostas. Mas, por enquanto, as possibilidades são fascinantes.


João Teixeira é pesquisador associado e Kristofer M. Helgen é cientista-chefe e diretor do Instituto de Pesquisa do Museu Australiano.