Pular para o conteúdo

Teríamos o poder de destruir um asteroide se ele passasse próximo à Terra?

asteroide

Em julho deste ano, um asteroide com cerca de 30 a 60 metros de diâmetro passou pela Terra a um quarto da distância da Lua. Não representava nenhuma ameaça para o nosso mundo, mas se tivesse atingido a Terra teria criado uma explosão três vezes maior do que o impacto de Chelyabinsk em 2013.

E só notamos isso dois dias depois de ter passado.

É um bom exemplo de como asteroides de tamanho considerável ainda não são detectados. Não grandes o suficiente para ameaçar a nossa extinção, mas grandes o suficiente para ameaçar milhões de vidas. Se um asteroide semelhante fosse detectado poucos dias antes do impacto, poderíamos pará-lo? Essa é a questão levantada por um estudo recente no arXiv.

O artigo considera um asteroide semelhante ao mencionado 2023 NT1 e analisa se ele poderia ser combatido pelo método Pulverize It (PI).

Parece algo saído de um filme de grande sucesso, onde os heróis explodem a rocha no último minuto, mas com apenas um breve aviso é a única opção. A deflexão de um asteroide pode ser feita, mas apenas se tivermos um longo tempo de espera.

Portanto, a questão é realmente se podemos lançar uma contraofensiva a tempo e se essa contraofensiva seria suficiente para fragmentar o asteroide em pedaços inofensivos.

interceptação de asteroides
Nuvens de fragmentos de interceptações de asteroides pequenos (superior) e grandes (inferior). (Lubina 2021)

Surpreendentemente, a resposta a ambas as perguntas parece ser sim. Dada a atual tecnologia de lançamento, poderíamos lançar um foguete de defesa em um dia, desde que mantivéssemos um em espera.

Para pulverizar o asteroide, os autores propõem o uso de uma combinação de impactadores cinéticos e explosivos. O foguete lançaria uma nuvem de impactores a uma alta velocidade relativa ao asteroide, quebrando o corpo em fragmentos de não mais de 10 metros de diâmetro. Dada uma densidade e composição típicas, simulações de hipervelocidade mostram que esta seria uma forma eficaz de destruir o asteroide. Mesmo que a fragmentação ocorresse poucas horas antes do impacto na Terra, a nuvem de detritos resultante representaria um risco limitado para nós.

Dito isto, esta proposta ainda é apenas uma prova de conceito. Não temos foguetes para lançar e nenhum sistema de impacto para transportar.

Se detectássemos um asteroide iminente amanhã, não teríamos como combatê-lo. Temos a capacidade de construir um foguete de defesa planetária, mas permanece a questão de saber se temos vontade de construir um.

Este artigo foi publicado originalmente pela Universe Today. Leia o artigo original.
Adaptado de ScienceAlert