Túmulos antigos e um estranho recinto foram desenterrados perto do Stonehenge

0
197
Restos mortais de uma mulher de 20 anos encontrados enterrados perto do Stonehenge (Créditos: Wessex Archaeology)

Por Tom Metcalfe
Publicado na Live Science

O trabalho arqueológico antes da construção de um controverso túnel rodoviário ao lado do Stonehenge levou à descoberta de túmulos antigos, incluindo um com os restos mortais de um bebê que data de mais de 4.500 anos; um estranho recinto de terra; e uma coleção de cerâmica pré-histórica, entre outros tesouros enterrados.

Algumas das descobertas podem ter sido usadas por pessoas que construíram o misterioso monumento neolítico, e todas as descobertas mostram que a região foi habitada por diferentes povos antigos por milhares de anos.

“Coletivamente, [as descobertas] nos permitem construir uma imagem cada vez mais detalhada do que as pessoas estavam fazendo e como viviam na área ao redor do Stonehenge”, disse Matt Leivers, arqueólogo consultor da Wessex Archaeology, ao Live Science.

Antes de iniciar o projeto de US$ 2,4 bilhões para construir uma rodovia subterrânea nas proximidades, as autoridades do Reino Unido incumbiram a Wessex Archaeology de fazer uma investigação completa dos terrenos por onde ela passaria.

Para fazer isso, os arqueólogos caminharam pelos campos e criaram trincheiras e fossos para examinar vestígios arqueológicos e artefatos ao longo da faixa de 3 quilômetros de extensão onde o túnel rodoviário foi planejado, disse Leivers por e-mail.

A equipe foi orientada por levantamentos aéreos e usou equipamentos de levantamento geofísico para procurar terrenos perturbados por escavações e estruturas no passado distante.

Embora o governo do Reino Unido tenha aprovado o polêmico túnel do Stonehenge em 2020, o projeto ainda enfrenta desafios legais; os oponentes dizem que vai danificar uma das paisagens antigas mais preciosas do mundo.

As últimas descobertas foram feitas durante estudos preliminares da área, antes de 18 meses de escavações arqueológicas completas devem começar no final deste ano, disse Leivers.

Túmulos de vaso 

Entre as últimas descobertas estão várias sepulturas, encontradas a sudoeste do círculo de Stonehenge, que se acredita serem da cultura Campaniforme, que tem esse nome pela prática de sepultar os mortos em recipientes de cerâmica em forma de sino.

O povo Campaniforme viveu na Europa Ocidental entre 4.800 e 3.800 anos atrás, tendo início no período Calcolítico, quando as primeiras ferramentas de cobre entraram em uso.

Em uma das sepulturas, os pesquisadores encontraram um vaso simples ao lado dos restos mortais de um bebê, embora apenas seus ossos do ouvido permaneceram. Outro poço próximo tinha os restos mortais de uma mulher que morreu na faixa dos 20 anos, com seu corpo agachado em torno de uma panela ou vaso relativamente ornamentado.

A equipe de pesquisa também encontrou um fragmento de um furador ou agulha de cobre e um misterioso objeto de xisto cilíndrico, talvez parte de um bastão ou porrete, em seu túmulo.

Acredita-se que ambas as sepulturas tenham cerca de 4.500 anos, o que as tornaria quase da mesma idade das diábases menores ao redor e dentro do círculo principal das grandes pedras de arenito “sarsens” no Stonehenge, disse Leivers.

Compartimentos enterrados de outros artefatos antigos, incluindo vasos de cerâmica, sílex e chifres de veado que podem ter sido usados ​​para cavar também foram encontrados ao longo da rota planejada do túnel.

Este estranho objeto cilíndrico, feito de xisto, foi descoberto em uma das antigas sepulturas. Pode ter sido parte de um bastão cerimonial ou de um porrete. (Créditos: Wessex Archaeology)

“O Stonehenge foi construído durante um longo período de tempo; mesmo as fases individuais de sua construção poderiam levar anos ou décadas para serem concluídas”, disse ele. “É totalmente concebível que as pessoas que deixaram essas coisas para trás ou que foram enterradas nas proximidades tenham algum papel na construção de Stonehenge”.

As investigações preliminares também revelaram fossos a sudeste do monumento que poderiam fazer parte de um forte da Idade do Ferro conhecido localmente como “Acampamento de Vespasiano” – em homenagem ao general romano, posteriormente imperador, que liderou uma força militar na área durante o período romano de invasão da Grã-Bretanha após 43 d.C. Mesmo assim, não há evidências de que o forte tenha algo a ver com ele.

Os arqueólogos também encontraram um padrão de valas enterradas ao sul dos túmulos que parece formar um cercado. Parece datar de um período entre o meio e o final da Idade do Bronze, cerca de 3.500 anos atrás, quando havia um assentamento nas proximidades, disse Leivers.

Ele acrescentou que a equipe encontrou grandes quantidades de sílex queimado no solo ao redor, talvez indicando que algumas atividades nojentas ou malcheirosas ocorreram lá.

Túnel do Stonehenge

Highways England – uma empresa estatal encarregada de operar, manter, construir e desenvolver as principais rodovias e estradas da Inglaterra – contratou a Wessex Archaeology para estudar o local proposto para o túnel do Stonehenge, que foi projetado para finalmente poupar o famoso local neolítico da presença do tráfego rodoviário através da reconstrução de parte de uma rodovia subterrânea próxima.

Stonehenge fica em um terreno vazio, mas há uma estrada apenas algumas centenas de metros ao sul desde o século 19; carros e caminhões na estrada podem ser vistos e ouvidos facilmente de dentro do círculo de pedras.

Os que estão contra a construção dizem que o projeto causará danos irreparáveis ​​à paisagem antiga e resultará na perda de milhares de artefatos pré-históricos e vestígios arqueológicos. Entre as alternativas propostas estão desviar a construção para o sul do local do Stonehenge, removendo a maior parte do tráfego rodoviário da área.

Leivers disse que o túnel que passa pelo Stonehenge é a parte que menos afeta o projeto arqueologicamente, porque o método proposto para perfurar o túnel no subsolo não terá impacto nos artefatos ou não permanecerá próximo à superfície.

“É apenas nos portais dos túneis e ao longo da estrada para o leste e oeste que a arqueologia será afetada”, disse ele.

Em vez disso, as escavações completas, que devem começar ainda este ano, permitirão aos arqueólogos estudar uma longa paisagem transversal em ambos os lados do monumento neolítico.

“Essas são as partes que as pessoas não olham com tanta frequência, longe das pedras em si, por isso é uma oportunidade muito valiosa para colocar Stonehenge em seu contexto paisagístico mais amplo”, disse ele.