Um inseto do Triássico foi encontrado perfeitamente preservado em fezes de dinossauro pela primeira vez

0
173
Reconstrução 3D de Triamyxa coprolithica. Créditos: Qvarnström et al.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

No final do período Triássico, no que hoje é a Polônia, um dinossauro de focinho comprido comeu uma grande refeição de algas verdes e depois fez cocô.

Foi um dia como qualquer outro para o animal, mas para nós, cerca de 230 milhões de anos depois, aquelas fezes muito fossilizadas revelaram uma família inteira de besouros não digeridos.

Os insetos são os primeiros a serem descritos a partir de fezes fossilizadas e são diferentes de tudo que já descobrimos em âmbar. Esses insetos não são apenas muito mais antigos, suas pernas e antenas estão tão intactas que os pesquisadores foram capazes de reconstruir com precisão suas formas tridimensionais. A nova espécie foi denominada Triamyxa coprolithica.

“Fiquei realmente surpreso ao ver o quão bem preservados os besouros estavam. Quando vimos o modelo na tela, era como se eles estivessem olhando diretamente para você”, disse o paleontólogo Martin Qvarnström da Universidade de Uppsala, na Suécia.

Reconstrução digital 3D de Triamyxa coprolithica. Créditos: Qvarnström et al., Curr Bio, 2021.

O Triássico é considerado um período crucial para a evolução dos insetos, especialmente para os besouros, que são a ordem de organismos mais diversa na Terra hoje.

Infelizmente, muitos fósseis de besouros dessa época apenas nos dão o contorno da espécie, não uma visão tridimensional. Os depósitos de âmbar são a exceção, entretanto, geralmente não datam de mais de 140 milhões de anos.

Os besouros encontrados em cocô de dinossauro têm quase o dobro da idade.

Após uma análise detalhada, os pesquisadores colocaram a nova espécie de besouro em sua própria família, Triamyxidae. Dadas algumas semelhanças, eles suspeitam que os insetos sejam uma ramificação extinta de uma pequena subordem de besouros, conhecida como Myxophaga (ou mixofagãos), que tem um registro fóssil extenso.

Hoje, os besouros mixofagãos modernos podem ser encontrados vivendo em grande número em tapetes de algas verdes, geralmente perto da água; a descoberta sugere que seus parentes ancestrais podem ter sido abundantes em ambientes aquáticos semelhantes.

Acredita-se que o próprio cocô fossilizado, conhecido como coprólito, tenha vindo de um dinossauro de dois metros de comprimento, chamado Silesaurus opolensis, que se alimenta principalmente de plantas, mas também parece ter um gosto por insetos.

O número de besouros em seus excrementos certamente sugere que sim.

Besouros no cocô de dinossauro fossilizado. Créditos: Qvarnström et al., Curr Bio, 2021.

Como esses insetos são tão pequenos e numerosos, os cientistas acham que eles provavelmente contribuíram para a refeição principal.

Se um dinossauro estivesse mastigando algas verdes perto da costa, por exemplo, qualquer besouro que consumisse ao longo do caminho seria uma surpresa crocante e, se digerido, uma complementação nutritiva para a refeição.

Dados seus corpos minúsculos e resistentes, os pesquisadores acreditam que os besouros teriam uma chance melhor de sobreviver à digestão dos dinossauros em comparação com outros insetos. Qualquer coisa com um corpo mole seria facilmente destruída.

“Embora o Silesaurus pareça ter ingerido vários indivíduos de T. coprolithica, o besouro era provavelmente muito pequeno para ter sido a única presa-alvo”, explicou Qvarnström.

“Em vez disso, Triamyxa provavelmente compartilhou seu habitat com besouros maiores, que são representados por restos desarticulados nos coprólitos, e outras presas, que nunca terminaram nos coprólitos em uma forma reconhecível. Portanto, parece provável que Silesaurus era onívoro, e que um parte de sua dieta era composta de insetos”.

Representação artística do Silesaurus opolensis. Crédito: Małgorzata Czaja.

A descoberta fez os cientistas pensarem que os coprólitos poderiam ser uma excelente janela para a evolução inicial dos insetos. As fezes fossilizadas podem ser mais difíceis para o olho humano ver, mas usando a microtomografia computadorizada, os pesquisadores conseguiram distinguir todos os pequenos detalhes do T. coprolithica.

“Nesse aspecto, nossa descoberta é muito promissora, basicamente diz às pessoas: ‘Ei, verifique mais coprólitos usando micro-TC, há uma boa chance de encontrar insetos nele, e se você encontrar, pode estar muito bem preservado'”, disse o entomologista Martin Fikáček da Universidade Nacional Sun Yat-sen em Taiwan.

Demorou até o início do Cretáceo para que a resina das árvores fosse abundante o suficiente para capturar os primeiros insetos em ação e fossilizá-los. Durante o Triássico, havia muito menos resina de árvore ao redor, o que significa que não temos depósitos de âmbar para nos dizer como eram os insetos naquela época.

Fikáček acha que cocô de dino é nossa chance de descobrir mais.

“Talvez, quando muitos mais coprólitos forem analisados, descobriremos que alguns grupos de répteis produziram coprólitos que não são realmente úteis, enquanto outros há coprólitos cheios de insetos bem preservados que podemos estudar”, disse ele.

“Simplesmente precisamos começar a procurar dentro dos coprólitos para ter pelo menos alguma ideia”.

O estudo foi publicado na Current Biology.